quinta-feira, 23 de outubro de 2014

LÁZARO EM QUATRO DIMENSÕES.

Um certo homem chamado Lázaro, de Betânia, da aldeia de Maria e de sua irmã Marta, estava doente. Esta Maria, cujo irmão Lázaro estava doente, era a mesma que ungiu com óleo perfumado o Senhor e lhe enxugou os pés com os próprios cabelos. Assim sendo, as irmãs de Lázaro mandaram dizer a Jesus: “Senhor! Eis que aquele a quem amas está enfermo.” Ao saber do ocorrido, disse Jesus: “Essa enfermidade não terminará em morte; mas sim, para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por meio dela.” E Jesus amava Marta, a irmã dela, e a Lázaro. Contudo, quando soube que Lázaro estava doente, ficou mais dois dias no lugar onde estava. Depois disso, falou a seus discípulos: “Vamos voltar para a Judeia.” Ao chegar, encontrou Lázaro já sepultado havia quatro dias. Ora, Betânia ficava próxima de Jerusalém, cerca de quinze estádios. E muitos, dentre os judeus, tinham vindo juntar-se ao grupo de mulheres que procuravam confortar Marta e Maria, pela morte do irmão. Assim que Marta ouviu que Jesus estava a caminho, saiu ao seu encontro; Maria, no entanto, ficou sentada em casa. Disse Marta a Jesus: “Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. Mas sei que, mesmo agora, seja o que for que pedires a Deus, Ele te dará.” Jesus então assegurou-lhe: “O teu irmão ressuscitará!” E Marta lhe disse: “Eu sei que ele vai ressuscitar na ressurreição, no último dia.” Esclareceu-lhe Jesus: “Eu Sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, mesmo que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim, não morrerá eternamente. Tu crês nisso?” Ela lhe afirmou: “Sim, Senhor, eu creio que Tu és o Cristo, o Filho de Deus, que devia vir ao mundo.”Jesus ainda não havia entrado no povoado, mas estava onde Marta o encontrara. Os judeus que estavam com Maria em casa e a consolavam, vendo que ela se levantou apressadamente e saiu, seguiram-na, julgando que ela fosse ao sepulcro para ali chorar. Então, quando Maria chegou ao lugar onde Jesus estava, vendo-o, prostrou-se aos seus pés e desabafou: “Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido.” Sendo assim, ao ver Maria chorando, bem como os judeus que vieram com ela, Jesus indignou-se no espírito e compadeceu-se. Perguntou-lhes Jesus: “Onde o colocastes?” E eles indicaram-lhe: “Senhor, vem e vê!” Jesus chorou. Então os judeus comentaram: “Vede como Ele o amava!” Mas alguns deles questionaram: “Não poderia este homem, que abriu os olhos do cego, ter evitado que seu amigo morresse?” Então, novamente Jesus se indigna em seu espírito, e comovido dirige-se ao sepulcro. Era uma gruta na rocha com uma pedra fechando a entrada. Determinou Jesus: “Tirai a pedra!” Preveniu-lhe Marta, irmã do falecido: “Senhor, ele já cheira mal, pois já se passaram quatro dias.” Encorajou-a Jesus: “Eu não te falei que, se creres, verás a glória de Deus?” Então, tiraram a pedra da entrada do lugar onde o homem morto estava deitado. E Jesus, levantando seus olhos aos céus, agradeceu: “Pai, dou-te graças porque me ouviste. Eu sei que sempre me ouves, mas disse isso por causa da multidão que está ao meu redor, para que creiam que Tu me enviaste.” E, tendo dito essas palavras, clamou em alta voz: “Lázaro, vem para fora!” Então, o homem que havia morrido, saiu da gruta, tendo os pés e as mãos atados com faixas de linho e o rosto envolto com um pano. E Jesus orientou-os: “Retirai as faixas dele e deixai-o seguir.” Assim, muitos dentre os judeus, que tinham vindo consolar Maria, vendo o que Jesus fizera, creram nele. Jo.11.1-7,17-27,30-45.

1. LÁZARO DOENTE.

Lázaro pode representar a igreja, especificamente os crentes em seu estado espiritual diante de Deus. Lázaro doente representa os crentes doentes espiritualmente, muitos estão na igreja participando ativamente na obra de Deus, mas estão fracos e doentes. A doença espiritual muitas vezes é resultado de pecados encobertos e não confessado; Paulo orientado a igreja em Corinto sobre a ceia do Senhor, diz: Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim como do pão, e beba deste cálice. Porque o que come e bebe indignamente como e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor. Por causa disso, há entre vós muitos fracos e doentes e muitos que dormem (1Co.11.28-30). Muitos perderam o vigor espiritual e estão vivendo mecanicamente e de aparência. Outros já entraram em uma U.T.I. espiritual e estão prestes a morrer. É preciso buscar o remédio espiritual do perdão através da oração e da palavra de Deus, e do poder restaurador e renovador do Espírito Santo para poder gozar de perfeita saúde espiritual.

2. LÁZARO MORTO.

Lázaro morto representa os crentes que estão dentro da igreja participam ativamente dos trabalhos, ofertam dizimam e até lideram, mas estão mortos espiritualmente. Tem fama de que vive, porém estão vivendo como múmias espirituais no meio da igreja. Uma pessoa morre espiritualmente quando ela vive em pecados dentro da casa de Deus, e procura justificar o seu erro, tendo como uma fraqueza que Deus entende e não vai lhe condenar por causa dos seus erros. É exatamente isso o que o Diabo quer que todos os crentes pensem e vivam pecando dentro da igreja. Muitos já morreram e apostataram a fé, estão desviado da Verdade dentro da casa de Deus. Porém Deus ainda dá vida a todos que se encontram no vale de ossos secos, o poder da palavra vai ressuscitar os mortos, como ressuscitou no vale quando Deus ordenou ao profeta Ezequiel que profetizasse (Ez.37).

3. LÁZARO VIVO, PORÉM ENFAIXADO. 

Lázaro vivo representa muitos crentes que estão vivos, porém embaraçados e sem visão espiritual. Lázaro só pôde andar perfeitamente quando foi retiradas as faixas dele. Muitos estão atados com a faixa do desanimo e do comodismo, outros se encontram atados espiritualmente e sem forças para fazer a obra, perderam o prazer e a visão espiritual pelas coisas de Deus e estão vivendo uma vida medíocre, sem crescimento e sem desenvolvimento espiritual. Mas o Espírito Santo vai tirar todas as faixas que estão impedindo que a obra de Deus seja feita, e a graça de Deus vai fluir livremente. Amém!  

4. LÁZARO LIVRE E RESSUSCITADO.

Lázaro livre e ressuscitado representa os crentes que estão completamente livres do pecado e estão vivendo em novidade de vida. O velho homem foi desfeito para dá lugar ao novo. O tempo da escravidão acabou, as correntes do pecado foram quebradas e uma nova vida ressurgiu para glória de Deus. Um crente ressuscitado com Cristo e em Cristo, ele busca as coisas que são de cima e vai sempre crescendo na graça e no conhecimento. Lázaro estava morto há quatro dias. Mas, quando Deus quer operar um milagre não importa o tempo nem as circunstâncias, Ele quebra todas as leis da natureza e confundi todos os sábios e entendidos e todos ficam sabendo que Ele é o El-shaday ( Deus todo-poderoso). Deus vai ressuscitar os teus sonhos! Amém!

sábado, 18 de outubro de 2014

PREPARA-TE PARA ENCONTRARES COM O TEU DEUS.

Portanto, assim te farei, ó Israel! E, porque isso te farei, prepara-te, ó Israel, para te encontrares com o teu Deus. Am.4.12.

O profeta Amós não era um nobre, como fora Isaías, nem sacerdote, como Jeremias, tampouco profeta acadêmico como vários formados pela escola fundada por Samuel e seus discípulos estudiosos e pregadores das escrituras (1Sm.10.5-11). Ele era homem do campo, trabalhava como criador de gado e arava a terra para cultivo de sicômoros (uma espécie de figos silvestres), Amós,7.14,15. Todavia Deus lhe chamou e lhe comissionou como profeta para a nação de Israel. A nação de Israel, mais uma vez, estava em uma grande decadência espiritual, parte do povo gozava uma falsa prosperidade, havia muita opressão e injustiça social. Eles haviam se esquecido dos grandes feitos e benefícios do SENHOR, e estavam envolvidos com o paganismo, em uma idolatria desenfreada, havia também imoralidade e corrupção por parte dos governantes. Por causa da arrogância eles se achavam auto suficiente, pensavam que iam ficar impunes, mas Deus usou o profeta com uma mensagem urgente ao arrependimento. A nação precisava se preparar para se encontrar com Deus, pois o juízo de Deus era iminente. Isto se constitui numa figura para os nossos tempos também, precisamos nos preparar e ajustarmos contas com Deus. Nos prepararmos para nos encontrarmos com Deus, nos diz respeito a procurarmos viver uma vida de santidade e comunhão com Ele.
Na vida nós nos preparamos para tudo, tudo na vida precisa de um preparo. Nos preparamos para o matrimônio, nos preparamos para o nascimento dos nossos filhos, nos preparamos para viajar, nos preparamos para exercermos uma profissão, e cada pessoa na sua profissão se prepara para ser o melhor no seu ofício. Enfim, há pessoas que se preparam até para a morte, o homem se prepara para tudo na vida, Porém poucos estão se preparando ou preparados para se encontrarem com Deus. A morte selará o nosso destino. Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade. É tempo de preparação, a vinda do Senhor Jesus está próxima. Maranata!

QUANDO O NOIVO (JESUS) VOLTAR VAI ENCONTRAR MUITOS CRENTES DESPREPARADOS.

Portanto, o Reino dos céus será semelhante a dez virgens que pegaram suas candeias e saíram para encontrar-se com o noivo. Cinco delas eram sábias, mas outras cinco eram inconseqüentes. As que eram inconseqüentes, ao pegarem suas candeias, não levaram óleo de reserva consigo. Entretanto, as prudentes, levaram óleo em vasilhas, junto com suas candeias. O noivo demorou a chegar, e todas ficaram com sono e adormeceram. À meia-noite, ouviu-se um grito: ‘Eis que vem o noivo! Saí ao seu encontro!’ Então, todas as virgens acordaram e foram preparar suas candeias. As insensatas recorreram às sábias: ‘Dai-nos um pouco do vosso azeite, porque as nossas candeias estão se apagando’. Porém as sábias responderam: ‘Não podemos, pois assim faltará tanto para nós quanto para vós outras! Ide, portanto, aos que o vendem e comprai-o’. Mas, saindo elas para comprar, chegou o noivo. As virgens que estavam preparadas entraram com ele para o banquete de núpcias. E a porta foi fechada. Mais tarde, todavia, chegaram as virgens imprudentes e clamaram: ‘Senhor! Senhor! Abre a porta para nós!’ Contudo ele lhes respondeu: ‘Com certeza vos afirmo que não vos conheço’. Portanto, vigiai, pois não sabeis o dia, tampouco a hora em que o Filho do homem chegará (Mt.25.1-13).
Nesta parábola as dez virgens, dama-de-honra, tinham tudo em comum, a única diferença é que cinco tinham reservas de azeite e cinco não tinham; ou seja cinco estavam preparadas para encontrar-se com o noivo, e cinco não estavam. Jesus nos adverte de que perto da sua volta o mundo estará descrente, haverá muitos religiosos, porém sem a convicção de salvação. O poder do sistema mundial forçará muitos religiosos a se afastarem de Deus e da sua palavra. Um pseudo evangelho que não é o de Cristo conduzirão muitos à perdição. Muitos cristão fiéis correrão o risco de serem enganados por um estilo de vida massificado pelo sistema (globalização do pensamento humanista, cético e hedonista) e serão apanhados de surpresa pela iminente volta do Senhor Jesus Cristo. A igreja de Jesus, mais do que nunca, precisa estar preparada. A igreja não estar se preparando para a volta de Jesus, ele deve estar preparada, pois a qualquer momento o noivo voltará para levar a sua noiva (a igreja). Maranata! Amém!
 

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

CELEBRANDO O AMOR.

Eis o cântico dos cânticos, a mais bela canção de amor composta por Salomão (Ct.1.1).

O cântico de Salomão ou Cântico dos cânticos, é o mais excelente dos poemas para musicas e melodias românticas. Os renomados estudiosos e exegetas compreendem este livro como um registro histórico do romance do rei Salomão e uma mulher sulamita. Os poemas deste livro revelam as alegrias do amor no noivado e no casamento; contrapondo-se aos extremos do erotismo e da lascívia. Neste livro, o lugar apropriado do amor físico, exclusivamente dentro do casamento, é claramente estabelecido e honrado. Dentro desse referencial histórico, conseguimos enxergar algumas ilustrações do amor de Jesus pela igreja. É claro que o rei Salomão não oferece o melhor exemplo pessoal de devoção conjugal, já que teve muitas esposas e concubinas; contudo, é possível que este livro reflita  o único dos romances que, de fato, ficou-lhe gravado na alma como intenso, puro, verdadeiro e inesquecível. A voz do amor no cântico, assim como a voz da sabedoria, é um comunicado a ideia de que o amor e o conhecimento atraem os homens de uma maneira poderosa mediante a sutileza e o mistério das seduções femininas. Essa voz feminina fala profundamente a respeito do amor, retratando sua beleza e seus prazeres, e reivindicando a sua exclusividade na conhecida expressão hebraica, "o meu amado é meu, e eu sou dele"(2.16).

A AMADA DECLARARA AO AMADO.

Beije-me o meu amado com os beijos da tua boca, pois seus afagos são melhores do que o vinho mais nobre. O aroma dos teus perfumes é suave, teu nome, é como óleo perfumado que se derrama generosamente. Por isso as jovens se apaixonam por ti. Arrasta-me, pois, contigo! Corramos! Leve-me, ô rei, aos teus aposentos e exultemos! (1.2-4).

A AMADA PERGUNTA AO AMADO.

Diz-me tu, amado de minha alma, onde apascentas teu rebanho e onde fazes repousar ao meio dia, se não me disseres serei como uma mulher que anda sem véu entre os rebanhos de teus companheiros (vers.7).

O AMADO RESPONDE À AMADA.

Se não o sabes tu, ó mais bela entre todas as mulheres, segue o caminho das ovelhas, e apascenta os teus cabritos junto às tendas dos pastores. Ó minha amada, eu te comparo à égua das carruagens de Faraó. Lindas são tuas faces entre teus brincos, e belo é o teu pescoço com os colares que te adornam (8-10).

A AMADA DECLARA AO AMADO.

Enquanto o rei está em seu divã meu nardo puro espalhou o seu perfume pelo aposento. O meu amado é para mim como uma delicada bolsa de mirra que passa a noite entre meus seios.  O meu amado é para mim como um ramalhete de flores de rena perfumadas, provinientes das excelentes vinhas de En-Gedi, fonte das Cabras (12-14).

O AMADO DECLARA À AMADA.

Ó minha amada, como és formosa! Ah, como és linda! Os teus olhos brilham como os das pombas! (vers.15).

A AMADA DECLARA AO AMADO.

Como é belo meu querido! Como és amável! Ah, como és encantador. A relva verde será o nosso leito de amor. As vigas da nossa casa são de cedro puro, e os caibros, dos melhores pinheiros. Sou apenas uma flor dos campos de Sarom, uma tulipa dos vales! (16,17. 2.1).

O AMADO DIZ SOBRE A AMADA.

Como formoso lírio entre os espinhos, assim é minha amada entre as jovens (2.2).

A AMADA RESPONDE.

Como uma macieira robusta entre todas as árvores do bosque, assim é meu amada entre os demais filhos da terra. Tenho prazer em sentar-me à sua sombra e o seu fruto é doce ao paladar como o damasco. Levou-me à sala do banquete, e o seu olhar sobre mim é como a bandeira do amor diante do povo. Alimentai-me com tuas passas, confortai-me com teus damascos e curai-me com tuas maçãs. Oh! Que estou enferma de amor! Que teu braço esquerdo ampare a minha cabeça e o teu braço direito me envolva (2.3-6).

A AMADA DIZ SOBRE O AMADO.

Ouvi! É a voz do meu amado que chama! Vede! Ai vem ele! Galopando pelos montes, saltando pelas colinas. Eis que o meu amado é como um vigoroso gamo, é como um filhote de gazela. Reparai! Lá está ele em pé, postando-se atrás do muro, vigiando pelas janelas, espreitando pelas grades (8,9).

O AMADO DECLARA À AMADA.

Assim me declara o meu amado: Levanta-te minha amada, minha bela, e vem. Olha e vê que o inverno já se foi; a chuva cessou, é primavera! Surgem as muitas flores pelos campos; chegou o tempo de podar e cantar; e já se ouve o doce arrulhar das pombinhas em nossa terra. A figueira começa a dar seus primeiros figos; as vinhas estão floridas e o perfume das uvas toma conta dos vales. Pomba minha, que se aninha nos vãos dos rochedos, nos esconderijos, nas encostas dos montes; deixa-me contemplar teu rosto lindo, deixa-me ouvir a tua voz meiga, pois tua face é tão formosa e tão doce a tua voz (10-14).

A AMADA DECLARA AO AMADO.

O meu amado é meu, e eu sou dele; ele zela por seu rebanho entre os lírios. Antes que a brisa do alvorecer comece a soprar e o dia surja afugentando as sombras, volta, amado meu! Sê como um cervo; um filhote de corça vigoroso sobre as colinas de Beter (16,17).

A AMADA PROCURA PELO AMADO.

Em meu leito durante a noite, busquei o amado da minha alma. Procurei-o e não encontrei! Vou levantar-me, vou rondar pela cidade, pelas ruas, pelas praças, procurando aquele a quem ama o meu coração. Eu o procurei cuidadosamente, todavia não o achei. Encontraram-me os guardas quando faziam a ronda pela cidade; eu lhes perguntei: Porventura vistes aquele a quem eu amo? Assim que passei por eles, entretanto, encontrei o amado da minha vida. Aguarrei-o e não vou mais soltá-lo, até conduzi-lo à casa da minha mãe, ao quarto daquela que me deu à luz (3.1-4).

O AMADO DECLARA À AMADA.

Como és bela, minha amada, como és linda! Os teus olhos, por trás do teu véu, são viçosos como os olhos das jovens pombas de Israel. O teu cabelo é como um rebanho de cabras que vem descendo pelas colinas de Gileade.
Teus dentes...um rebanho de ovelhas brancas tosquiadas subindo após o banho, cada qual com suas crias gêmeas e nenhuma delas está sem filhotes.
Os teus lábios são como um fio vermelho e delicado e a tua boca é linda. As tuas faces são como metades de uma romã por trás do teu véu.
O teu pescoço é como a torre de Davi, erguida como arsenal. Nela estão pendurados mil escudos de guerra, todos eles escudos que pertenceram a guerreiros heróicos.
Teus seios são como dois filhotes de cervo, como crias gêmeas de uma gazela vigorosa e que repousam entre os lírios.
Enquanto não chega a aurora e as sombras da noite não fogem, irei à montanha da mirra e à colina do incenso.
És, portanto, toda bela, minha amada, e não tens um só defeito!
Vem do Líbano, noiva minha! Vem comigo do Líbano, meu amor! Desce do topo do Amana, do topo do Senir e do monte Hermom, das covas dos leões, da montanha dos leopardos.
Furtaste-me o coração, minha igual, minha noiva amada. Roubaste-me toda a alma com um simples olhar, com uma simples joia dos teus preciosos colares.
Quão deliciosas são as tuas carícias, minha irmã, minha noiva amada! Teus amores são mais agradáveis que o melhor e mais puro dos vinhos. A fragrância do teu perfume supera a mais cara especiaria!
Os teus lábios gotejam a doçura dos favos de mel, minha amada noiva; leite e mel estão debaixo da tua língua. O aroma das tuas vestes é como o perfume do Líbano.
És como um jardim fechado, minha noiva e minha irmã em Israel; és jardim fechado, uma fonte lacrada.
De ti brota um pomar de romãs graúdas, com frutos excelentes e saborosos; flores de hena perfumada e nardo puro; nardo e açafrão, cálamo e canela, com todo tipo de madeiras aromáticas, mirra e aloés, com todas as mais finas e caras especiarias.
Amada, és a fonte do mais lindo jardim, origem das águas vivas, que se tornam correntes e descem volumosas e refrescantes do Líbano!

Desperta, ó vento norte! Aproxima-te, vento sul! Soprai em meu jardim, a fim de espalhar por toda a parte os teus perfumes. Ah! Que meu amado entre em seu jardim e coma os seus frutos deliciosos! (4.1-16).

A AMADA DECLARA SOBRE O AMADO.

Eu estava quase adormecida, mas meu coração vigiava. Escutai! É a voz do meu amado. Eis que está batendo à porta!
Já despi a minha túnica, querido! Terei de vesti-la novamente? Já lavei os meus pés. Terei de colocá-los sobre o chão de novo?
Assim que meu amado passou a mão pela abertura da fechadura, meu coração palpitou mais forte e todo o meu corpo estremeceu por causa da sua presença.
Então me levantei para abrir a porta ao meu amado. As minhas mãos destilaram mirra, e os meus dedos gotejavam perfume sobre a maçaneta da tranca.
Eu abri a porta ao meu amado, mas ele já havia partido, já tinha ido embora. Quase desfaleci porque ele se fora. Procurei-o então, mas não consegui revê-lo; clamei-o, contudo ele não me respondeu (5.2-6).

A AMADA EXALTA AS QUALIDADES DO AMADO.
 
O meu amado é alvo e está com a pele rosada do sol; ele é o mais forte e bonito entre dez mil homens.
A sua cabeça é como o ouro mais refinado, os seus cabelos ondulam ao vento como os ramos de palmeira; pretos como a plumagem dos corvos.
Os seus olhos são como os olhos das jovens pombas junto aos regatos de água pura, lavados em leite, incrustados como finas joias em seu rosto.
Sua faces são como um jardim de especiarias que exalam perfume. Seus lábios são como lírios que destilam a mais pura mirra.
Seus braços são como cilindros de ouro maciço com berilo neles engastado. Seu tronco é como marfim polido adornado de safiras.
Suas pernas são verdadeiras colunas de alabastro, mármore, firmadas em bases de ouro puro. Sua aparência é como o próprio Líbano; ele é elegante como os cedros.
Sua boca é a própria doçura. Ele é todo uma delícia! Assim é o meu amado, meu irmão e amigo, ó filhas de Jerusalém! (10-16).

O AMADO ELOGIA A BELEZA DA AMADA.

És toda linda, minha querida, és tão bela como Tirza, maravilhosa como Jerusalém, admirável como um exército desfilando com suas bandeiras.
Afasta por um pouco os teus olhos dos meus, pois eles me provocam. Tuas tranças negras ao vento são com um jovem rebanho de cabras descendo em fila das boas pastagens de Gileade!
Teus dentes são como um rebanho de ovelhas brancas que sobem do lavadouro. Cada uma tem seu par e não há nenhuma sem crias.
Tuas faces, por trás do véu suave, são como as metades de uma romã.
Ainda que sejam sessenta rainhas, oitenta concubinas e um número incontável de donzelas, uma só é minha pomba amada e sem mácula. Ela é a filha favorita de sua mãe, a predileta daquela que a gerou. Quando outras jovens a veem, exclamam o quanto ela é feliz; rainhas e concubinas muito a elogiam (6.4-9).

O AMADO DECLARA À AMADA.
 
Ó amor, como são formosos os teus pés calçados com delicadas sandálias, ó filha do príncipe! As curvas das suas coxas são verdadeiras pérolas; obras das mãos do mais excelente artífice.
Teu umbigo é como uma delicada taça arredondada, onde jamais falta o vinho das melhores safras e misturas. Tua cintura é um feixe de trigo adornado de lírios.
Teus seios são como dois filhotes gêmeos de gazela.
Teu pescoço, uma torre de marfim; teus olhos, as piscinas de Heshbon, junto às portas de Bat-Rabim; teu nariz é como a torre do Líbano voltada para Damasco.
Tua cabeça eleva-se como o monte Carmel, Carmelo. Teus cabelos soltos têm brilhos de púrpura; o rei foi capturado por tuas tranças!
Como és linda! Quão formosa de se admirar és tu, que amor delicioso!
Tens o porte da palmeira, e os teus seios como cachos do fruto mais saboroso.
Então pensei: “Subirei essa palmeira e colherei os seus frutos. Sejam os teus seios como os mais generosos cachos da videira, o aroma da tua respiração como o perfume dos melhores damascos, e a tua boca como o vinho mais puro e delicioso... (7.1-9).

A AMADA DECLARA AO AMADO.

Eu sou do meu amado e ele deseja somente a mim!
Vem, pois, meu amado, retiremo-nos para o campo primaveril, passemos a noite nos povoados.
Logo ao alvorecer partiremos para as vinhas, a fim de confirmarmos se já florescem, se os botões estão se abrindo, se as romeiras vão florindo; ali eu te darei todo o meu amor.
As mandrágoras, os jasmins que aumentam o desejo de amar nas mulheres, já exalam o seu perfume, e à nossa porta há todo tipo de frutos excelentes, secos e frescos, que reservei somente para ti, ó meu amado, meu desejo! (10-13).

O AMADO E A SUA PALAVRA FINAL.

Grava-me como um selo em teu coração, como uma marca indelével em teu braço; pois o amor é tão forte quanto a morte e a paixão é tão inflexível quanto o próprio Sheol, a sepultura. Tuas brasas são fogo ardente, são como as labaredas do Eterno!
Nem mesmo as muitas águas conseguem apagar o amor; os rios não conseguem arrastá-lo correnteza abaixo. Quisesse alguém dar tudo o que possui para comprar o amor, qualquer valor seria absolutamente desprezado (8.6,7).

A AMADA E A SUA PALAVRA FINAL.

Eu sou muralha e meus seios as torres; aos olhos do meu amado, porém, sou a mensageira da paz!

Ó, vem depressa, meu amado; torna-te semelhante ao jovem cervo, ou ao filhote da gazela saltando vigorosamente sobre os montes perfumados! (8.10,14).

Conclusão: O amor deve ser celebrado em todos os tempos, o romantismo nunca envelhece, sempre haverá poetas que exaltem o amor entre um homem e uma mulher. Uma mulher amada é uma mulher feliz, um homem amado é um homem realizado.
 

domingo, 12 de outubro de 2014

OS TRÊS FUNDAMENTOS DO CRISTIANISMO.

Texto básico: Sendo assim, permanecem até o momento estes três: A fé, a esperança e o amor. Contudo, o maior deles é o amor! 1Co.13.13.

O cristianismo se iniciou como uma seita judaica e, como tal, da mesma maneira que o próprio judaismo ou o islamismo, é classificada como uma religião abraâmica. Após se originar no Mediterrâneo Oriental, rapidamente se expandiu em abrangência e influência, ao longo de poucas décadas; no século IV já havia se tornado a religião dominante no Império Romano. Durante a Idade Média, a maior parte da Europa foi cristianizada, e os cristãos também seguiram sendo uma significante minoria religiosa no Oriente Médio, Norte da África e em partes da Índia. Depois da era das descobertas, através de trabalho missionário e da colonização, o cristianismo se espalhou para as Américas e pelo resto do mundo.
O cristianismo desempenhou um papel de destaque na formação da civilização ocidental pelo menos desde o século IV. No início do século XXI o cristianismo conta com, entre 2,3 bilhões de fiéis, representando cerca de um quarto a um terço da população mundial, e é uma das maiores religiões do mundo. O cristianismo também é a religião de Estado de diversos países. (Informações extraídas da Wikipédia).

O cristianismo não é mais uma religião criada ou inventada por nenhum dos grandes líderes religioso. O cristianismo tem a sua origem em Cristo (o Messias, o Ungido de Deus), as doutrinas do cristianismo verdadeiro estão fundamentadas nos ensinamentos de Jesus Cristo. Jesus Cristo, é a rocha, a pedra angular onde todos os cristãos verdadeiros estão firmados. Amém!

1. A FÉ.

Ora, a fé é firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se ver (Hb.11.1).
Ora, sem fé é impossível agradar a Deus, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus, creia que ele existe e que é galardoador dos que o buscam (Hb.11.6).
Para ser seguidor de Cristo, é preciso ter fé. Jesus disse a Tomé: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram! (Jo.20.29).
Está escrito: O justo viverá da fé (Hb.10.38).
Tudo é possível ao que crer (Mc.9.23).
Aquele que crer não se apresse (Is.28. 16).
Se creres verás a glória de Deus (Jo.11.40).

2. A ESPERANÇA.

Toda esperança do cristianismo está fundamentada em Jesus Cristo, mediante a sua morte e ressurreição. O apóstolo Pedro escrevendo a sua primeira epístola universal, diz: Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos (1Pe.1.3). O apóstolo Paulo, escrevendo ao jovem pastor Timóteo, diz: Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, segundo o mandado de Deus, nosso Salvador, e do Senhor Jesus Cristo, esperança nossa (1Tm.1.1).
Essa esperança é para nós como âncora da alma, firme e segura, a qual tem pleno acesso ao santuário interior, por trás do véu, onde Jesus adentrou por nós, como precursor, tornando-se sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque (Hb.6.19,20).
O escritor de Hebreus enfatiza que a nossa esperança deve ser firme e segura. Pois essa âncora  é indispensável para que o navio (nossa vida) não  fique à deriva no mundo.
A bíblia é bem clara, temos que ter essa Esperança como Âncora para nossa alma; pois é ela que nos sustentará firme em qualquer situação, é ela que nos leva a crer no Deus invisível mas real, a qual faz com que entremos e sejamos aceitos na sala do Trono.
A esperança é como uma âncora que firma e dá segurança as grandes embarcações. O escritor aos hebreus nos diz, que temos uma esperança proposta, a qual é como âncora da alma segura e firme (Hb.6.18,19). Esqueça tudo aquilo que não pode te dá esperança, e ponha a sua esperança em Deus. A única esperança para este mundo sofrido e perturbado, é Jesus Cristo.

3. O AMOR.

O amor é a virtude principal, tudo se resume no amor. A bíblia diz: A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei (Rm.13.8).

A SUPREMA EXCELÊNCIA DO AMOR.

Ainda que falasse as línguas dos homens e dos anjos e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria (1Co.13.1-3).

AS QUALIDADES DO AMOR.

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece, não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha; mas, havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; porque, em parte, conhecemos e, em parte, profetizamos. Mas, quando vier o que é perfeito, então, o que é em  parte será aniquilado. Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estas três; mas a maior destas é o AMOR. (1Co.13.4-10,13).

DEUS É AMOR.

Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor (1Jo.4.8).
Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna (Jo.3.16).

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

JACÓ NUNCA MAIS.

Texto básico: E levantou-se aquela mesma noite, e tomou as suas duas mulheres, e as suas duas servas, e os seus onze filhos, e passou o vau de Jaboque. E tomou-os e fê-los passar o ribeiro; e fez passar tudo o que tinha. Jacó, porém, ficou só; e lutou com ele um varão, até que a alva subia. E, vendo que não prevalecia contra ele, tocou a juntura de sua coxa; e se deslocou a juntura da coxa de Jacó, lutando com ele. E disse: Deixa-me ir, porque já a alva subiu. Porém ele disse: Não te deixarei ir, se me não abençoares. E disse-lhe: Qual o teu nome? E ele disse: Jacó. Então, disse: Não se chamará mais o teu nome Jacó, mas Israel, pois, como príncipe, lutaste com Deus e com os homens e prevaleceste. Gn.32.22-28.

Jacó, que em hebraico significa, suplantador; teve o seu nome mudado para Israel. A origem e significado do seu nome denunciam o seu caráter. O nome Jacó, em Hebraico Yaakhov, vem do verbo hebraico akhav “tomar pelo calcanhar” ou “pisando os calcanhares”. Foi assim que nasceu Jacó: “No ventre, pegou no
 calcanhar de seu irmão” (Gn 25.26).
A palavra suplantar, que é aludido ao nome Jacó, vem do verbo hebraico akhav, suplantar, dar rasteira. O dicionário Aurélio, define assim a palavra suplantar: v.t. Meter debaixo dos pés; derrubar, prostrar, calcar. / Levar vantagem, vencer: suplantar um rival. / Fig. Humilhar, dominar.
Jacó enganou e foi enganado, o nome Jacó veio a ser sinônimo de enganador. Assim disse o seu irmão Esaú:
Não foi o seu nome justamente chamado Jacó? Por isso, que já duas vezes me enganou: a minha primogenitura me tomou e eis que agora me tomou a minha bênção” (Gênesis 27:36). Porém, Deus quando escolhe e separa alguém para cumprir os seus propósitos, Ele transforma e mudar o seu caráter. Jacó por está dentro dos planos de Deus, ele não poderia continuar vivendo uma vida de engano, longe da vontade de Deus. Deus decidiu ter um encontro com Jacó, quando ele atravessava o rio Jaboque. Jacó, que já havia fugido do seu sogro Labão, agora estava fugindo do seu irmão Esaú, pois ele temia a fúria do seu irmão, e para apaziguar a sua ira, enviou-lhe presentes, mandando-lhe dizer que estava tudo em paz. Já era noite, quando Jacó mandou que todos passassem o rio, com tudo que lhe pertencia; porém ele ficou só. Era exatamente isso que Jacó estava precisando, ter um encontro a sóis com Deus. Jacó estava atribulado, preocupado e cheio de temores. Ele estava desesperado, pensando que era o seu fim. Mas, Deus é aquele que chega na hora certa para transformar o ponto final em uma vírgula, e começar a escrever uma nova história. Deus decidiu encontra-se com Jacó e mudar a sua história. É impossível alguém se encontrar com Deus e não ter a sua vida transformada. Deus mudou a identidade de Jacó, quando ele confessou quem ele era. De suplantador, enganador; foi mudado para Israel, aquele que luta com Deus (a favor, junto) e prevalece contra os homens. Deus mudou o caráter de Jacó para sempre; Jacó, nunca mais. Agora é Israel.

Infelizmente, estamos vivendo a época de Jacó. Muitos estão vivendo uma vida de engano e trapaças, como vivia Jacó. Vivemos uma época de pessoas enganadoras e desleais, muitos estão mostrando aparência de piedosos, mas são lobos devoradores. É lamentável se ver dentro das igrejas, aqueles que se dizem ministros de Deus, fazendo do povo negócio, enganando o povo e tirando proveito do rebanho de Deus. A pergunta é: Estamos servindo a igreja ou estamos nos servindo da igreja? É triste saber que muitos ainda continuam como Jacó, mas a boa notícia é que Jacó vai virar Israel. Aleluia! Amém! 

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

A OBRA E OS OBREIROS.

Texto básico: E enviei-lhes mensageiros a dizer: Estou fazendo uma grande obra, de modo que não poderei descer; por que cessaria esta obra, enquanto eu a deixasse e fosse ter convosco? Ne.6.3.

Fazer a obra de Deus nunca foi tarefa fácil, todos os que se dispuseram em fazê-la enfrentaram dificuldades e sofreram oposições. Quando começamos a fazer alguma obra para Deus, logo se levantam os inimigos para tentar nos fazer desanimar, desistir e parar. Os inimigos da obra sempre vem para querer nos intimidar. Se ficarmos de braços cruzados e acomodados, seremos aplaudidos pelo inimigo. Mas, quando nos levantamos e começamos a fazer a obra, logo os inimigos se levantam, e começamos a enfrentar oposições interna e externa. Muitos estão fazendo a obra por conveniência, visando obter lucros e serem aplaudidos pela maioria. Outros estão fazendo a obra do SENHOR de forma relaxada e desonesta. Porém está escrito: Desgraçado o que faz com negligência o trabalho do SENHOR! (Jr.48.10). Neemias foi um líder autêntico e  exemplar para aqueles que fazem a obra de Deus. Neemias era copeiro do rei, estava em Susã, na capital do império persa; ele estava em uma posição privilegiada, não tinha aparentemente porque se preocupar. Mas, ao saber da notícia, que a cidade estava destruída e o povo em grande miséria, ele pediu autorização ao rei para ir visitar seus irmãos e restaurar a cidade dos seus pais. Neemias era um homem patriota (que amava a sua pátria), um líder corajoso e dedicado, ele iniciou a reconstrução dos muros da cidade sem interesse ou troca de favores. Ele tinha como objetivo o bem estar do seu povo. Com extrema urgência, a obra de Deus estar precisando de obreiros que sejam dedicados e façam a diferença como Neemias.

QUATRO TIPOS DE OBREIROS.

1. CIUMENTO.

O obreiro ciumento é um problema, ele sempre quer ser o melhor e gosta de ser notado por todos, quando ele não se ver nesta situação, ele passa a ter inveja e ciúme daqueles que se encontram em posição de destaque diante de Deus e na sua obra. Quando Deus encheu do seu Espírito setenta homens para ajudarem a Moisés, dois deles, Eldade e Medade permaneceram profetizando no arraial. Josué servidor de Moisés, pediu a Moisés que lhes proibisse de continuar. Porém Moisés lhe disse: Tens tu ciúmes por mim? Tomara que todo o povo do SENHOR fosse profeta, que o SENHOR lhes desse o seu Espírito! (Nm.11.24-29).

2. COMPLEXADO.

O obreiro complexado ele nunca estar satisfeito, se ele é muito requisitado para fazer a obra ele reclama e diz que o seu líder estar lhe explorando. Porém, quando ele não é chamado para participar ou assumir alguma função, ele se sente diminuído e começa a reclamar e a dizer que ninguém lhe ver e nem lhe considera. Há na bíblia uma história interessante relacionada a isto: Então os guerreiros de Efraim foram convocados, atravessaram o Jordão em direção a Zafom e questionaram a Jeftér: "Por que foste combater os amonitas sem nos convidar a pelejar contigo? Por este ato de desprezo queimaremos tua casa e a ti com ela!" Diante desta ameaça jeftér replicou: "Eu e meu povo estivemos envolvidos numa grande guerra com os amonitas, e, apesar de eu vos ter mandado chamar em nosso auxílio, vosso socorro jamais chegou para nos livrar das mãos do inimigo. Quando cheguei à conclusão de que ninguém de vós viria nos ajudar, arrisquei a minha própria vida e marchei contra os amonitas e o SENHOR os entregou nas minhas mãos. Então em verdade, por qual motivo vos levantais hoje contra mim para me atacardes?" Jeftér reuniu então todos os homens de Gileade e lutou contra Efraim. Os gileaditas feriram os efraemitas porque estes tinham declarado: "Sois fugitivos de Efraim, vós gileaditas, que viveis no meio de Efraim e no meio de Manassés!"  Depois os homens de Gileade tomaram de Efraim as passagens do Jordão, de maneira que, quando um fugitivo de Efraim solicitava: "Deixa-me passar!" Os gileaditas lhe indagavam: "És efraemita?" Se declarava: "Não", lhe ordenavam: "Então dize Shibolet". Se a pessoa dissesse "Sibolet", sem conseguir pronunciar corretamente a palavra, prendiam essa pessoa e a matavam no lugar de passagem do Jordão. Quarenta e dois mil efraemitas foram mortos naquela época (Jz.12.1-6). Essa derrota eliminou por completo as esperanças de Efraim poder conquistar a liderança das tribos.

3. TÍMIDO.

A timidez implica em falta de fé. Um obreiro tímido não consegue fazer grandes coisas para Deus. Na obra de Deus não há lugar para timidez, é preciso que os obreiros do SENHOR sejam homens e mulheres de fé. Todos os homens e mulheres de fé foram honrados por Deus. É impossível realizar a obra de Deus sem fé. Todos os homens e mulheres de Deus, que fazem a obra de Deus pela fé e por fé, estão fadados ao sucesso. Se o obreiro é tímido, ele precisa orar e lê a palavra, a palavra gera fé, e a oração fortalece e encoraja. Diz a bíblia: E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo e anunciavam com ousadia a palavra de Deus (At.4.31). Deus conta com homens e mulheres destemidos para realizarem a sua obra.  

4. DINÂMICO.

O obreiro dinâmico é o obreiro ideal para a obra de Deus; um obreiro dinâmico é um obreiro ativo, cheio de ânimo, cheio de coragem, ousadia e fé para realizar a obra de Deus. A palavra dinâmico, no grego é "dunamis", de onde se derivam as palavras: Dínamo, dinâmico, dinamite. Um obreiro dinâmico é como uma dinamite na mão de Deus, todas as vezes que Deus se utiliza dele, ele causa um estrago na seara de Satanás, e traz edificação para o reino de Deus. Infelizmente, este tipo de obreiro está escasso nestes últimos dias, precisamos orar a Deus para que ele levante mais homens e mulheres cheios do Espírito Santo e de fé para fazerem a sua obra com grande poder e intrepidez. Amém!
Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse, e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra. E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto (Tg.5.17,18).

Conclusão: O Senhor da seara continua convocando obreiros para trabalhar. A obra é do SENHOR, e os obreiros estão a serviço da obra. O líder não pode pensar que é o dono da obra ou do rebanho que dirige, ele é apenas servo e não dono. 

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

OS QUATRO MUNDOS QUE JESUS VENCEU.

Texto básico: Tenho vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo. Jo.16.33.

Jesus, o Cristo, não veio a este mundo para ter o seu nome gravado na história da humanidade. Ele veio para travar uma luta ferrenha contra Satanás e todos os seus demônios. Ele não veio para ser um derrotado, Ele veio para vencer e abater todas as oposições dos mundos que se levantaram contra Ele. Nenhum rei, nenhum governante, nenhum filósofo, nenhum líder religioso, puderam resistir o poder e a sabedoria de Jesus. Jesus Cristo, é o maior vencedor de todos os tempos. Aleluia!

1. JESUS VENCEU O MUNDO RELIGIOSO.

E os que prenderam Jesus o conduziram à casa do sumo sacerdote Caifás,, onde os escribas e os anciãos estavam reunidos. Ora, os príncipes dos sacerdotes, e os anciãos, e todo o conselho buscavam falso testemunho contra Jesus, para poderem dar-lhe a morte (Mt.26.57,59).
Uma das maiores oposição que Jesus enfrentou durante o seu ministério foi o poder do mundo religioso. Os escribas, os fariseus, os sacerdotes e os anciãos do povo, se opunham constantemente contra Jesus. Jesus sempre foi criticado pelos religiosos de sua época, sempre que ele curava, perdoava, e se declarava filho de Deus, eles não aceitavam; queriam pega-lo em contradição com a lei de Moisés. Mas Jesus nunca se intimidou com com os escribas e fariseus, Ele os enfrentava com sabedoria e prudência, e os vencia.

2. JESUS VENCEU O MUNDO POLÍTICO.

E foi Jesus apresentado ao governador, e o governador o interrogou dizendo: És tu o Rei dos judeus? E disse-lhe Jesus: Tu o dizes. E logo os soldados do governador, conduzindo Jesus à audiência, reuniram junto dele toda a corte (Mt.27.11,27).
Os políticos e governantes da época de Jesus, viam Jesus como uma ameaça para o império romano. Os judeus aguardavam um Cristo político e guerreiro, que viesse para os livrar do jugo romano. Por Jesus ter se tornado muito popular, a sua fama causava inquietação para os governantes. Os ensinos, pregações e milagres que Jesus operava, impactava as multidões e abalava as estruturas do império romano. Por causa disso Ele era perseguido e confrontado pelos súditos do império de Cesar. Jesus não só foi julgado pela corte do Sinédrio (poder religioso), mas também pelo poder político. Porém, Ele venceu o mundo político.

3. JESUS VENCEU O MUNDO INTELECTUAL.

E havia entre os fariseus um homem chamado Nicodemos, príncipe dos judeus. Este foi ter de noite com Jesus e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és mestre vindo de Deus, porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele (Jo.3.1,2).
Nicodemos era um dos intelectuais em Israel, ele era mestre, conhecedor profundo da torá (a lei de Moisés), era membro do sinédrio e príncipe dos judeus.
Jesus chamou a atenção dos mestres e intelectuais da sua época, pelo fato dele realizar milagres e ensinar de forma diferente em relação aos grandes filósofos e catedráticos. Os ensinos de Jesus era um contra-senso para os intelectuais da sua época, porque Jesus ilustrava as atividades e culturas do povo, para mostra a realidade do mundo espiritual. Eles não aceitavam Jesus como mestre, por isso Jesus era perseguido e questionado. Eles queriam pega-lo em contradição, mas Jesus nunca foi pego em contradição, porque Ele é a própria sabedoria. Ele venceu o mundo dos intelectuais.

4. JESUS VENCEU O MUNDO ESPIRITUAL.

E navegaram para a terra dos gadarenos, que está defronte da Galiléia.. E, quando desceu para a terra, saiu-lhe ao encontro, vindo da cidade um homem que, desde muito tempo, estava possesso de demônios e não andava vestido nem habitava em qualquer casa, mas nos sepulcros. E, quando viu a Jesus, prostrou-se diante dele, exclamando e dizendo com alta voz: Que tenho eu contigo Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Peço-te que não me atormentes. Porque tinha ordenado ao espírito imundo que saísse daquele homem; pois já havia muito tempo que o arrebatava. E guardavam-no preso com grilhões e cadeias; mas, quebrando as prisões, era impelido pelo demônio para os desertos. E perguntou-lhe Jesus, dizendo: Qual é o teu nome? E ele disse: Legião; porque tinham entrado nele muitos demônios. E rogavam-lhe que os não mandasse para o abismo (Lc.8.26-31).
Jesus foi perseguido no mundo espiritual desde o seu nascimento, durante o seu ministério e até prestes a morrer, estando ele na cruz. Jesus nunca se intimidou com Satanás e seus demônios, pelo contrario, ele os enfrentou e os venceu. Jesus veio para desfazer as obras do Diabo. A palavra de Deus nos diz: Para isto o filho de Deus se manifestou: Para destruir as obras do diabo (1Jo.3.8b). Um dos destaques principais do evangelho de Marcos, é o propósito firme de Jesus: Derrotar satanás e suas hostes demôniacas. Em Marcos, 3.27, isto é descrito como "manietar o valente". Segundo o dicionário Aurélio, manietar, significa: Amarrar, conter os movimentos, deter, imobilizar, prender, obstruir, subjugar. Quando Jesus veio cumprir sua missão; ele encontrou muitas pessoas sofrendo, por possessão, opressão e influência maligna, devido a espíritos malignos que nelas habitavam. Jesus entra em conflito contra "o valente"(satanás), e liberta as almas. O poder de Jesus sobre "o valente", fica claramente demonstrado na expulsão dos demônios. Jesus nunca perdeu para Satanás, Ele também é vencedor no mundo espiritual. Aleluia!