sábado, 18 de fevereiro de 2017

MERGULHANDO NA PALAVRA

Oh! Quanto amo a tua Lei! É a minha meditação em todo o dia! (Salmos, 119.97).
Folgo com a tua palavra, como aquele que acha um grande tesouro (Salmos, 119.162).

Mergulhar na palavra significa se entregar de corpo e alma na leitura e meditação da palavra de Deus. Quem ama a palavra tem prazer em ler, meditar, estudar e aprender as suas doutrinas. Mergulhar na palavra de Deus, é uma questão de disposição, alegria e satisfação, da parte daquele que sente prazer no Livro de Deus. Quando mergulhamos na palavra, somos revigorados, fortalecidos e edificados pelo poder da palavra de Deus. Infelizmente, muitos cristãos estão negligenciando a leitura da palavra de Deus, e por esta causa estão ficando raquíticos espiritualmente e medíocre no conhecimento e na fé. Não devemos deixar que as mídias sociais tome o nosso precioso tempo, a ponto de negligenciarmos a leitura da palavra de Deus.
Seguindo a recomendação de Deus para Josué, devemos meditar na palavra, todos os dias da nossa vida. Assim está escrito: Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme tudo quanto nele está escrito; porque, então, farás prosperar o teu caminho e, então, prudentemente te conduzirás (Josué, 1.8).
Não se contente em viver no raso, saia da superfície e mergulhe no oceano da palavra!
Deus tem algo extraordinário para você.
Assim como no fundo do mar há abundâncias de riquezas e vida, na palavra de Deus, também tem riquezas, vida e prosperidade.

A PALAVRA DE DEUS É:

* A palavra de Deus é profunda como um oceano, cheia de mistérios e riquezas.

* A palavra de Deus é uma fonte de vida, e um escudo para nos proteger. 

* A palavra de Deus é uma fonte inesgotável, onde podemos desfrutar dos seus ricos ensinamentos e das      muitas informações edificantes e enriquecedoras. 

* A palavra de Deus é como um farol que nos guia em meio a escuridão das trevas do pecado.

* A palavra de Deus é o alimento que nutre a nossa alma, fortalece o nosso espírito e promove o nosso crescimento espiritual.

* A palavra de Deus é como uma âncora que serve de sustentação para nossa vida, em meio aos assédios deste mundo de pecados.

* A palavra de Deus é doce mais que o mel, e o que a toma pela fé, há de ser fiel.

SETE MOTIVOS PELOS QUAIS DEVEMOS LER A BÍBLIA:

1. PORQUE ELA É A PALAVRA DE DEUS.

Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ministrar a verdade, para repreender o mal, para corrigir os erros e para ensinar a maneira certa de viver; a fim de que todo homem de Deus tenha capacidade e pleno preparo para realizar todas as boas ações (II Timóteo, 3.16).

2. PORQUE ELA É O LIVRO DO SENHOR.

Buscai no livro do SENHOR e lede; nenhuma dessas coisas falhará, nem uma nem outra faltará; porque a sua própria boca o ordenou, e o se Espírito mesmo os ajuntará (Isaías, 34.16).

3. PORQUE ELA PROMOVE O NOSSO CRESCIMENTO ESPIRITUAL.
 
Deixando, pois, toda malícia, e todo engano, e fingimento, e invejas, e todas as murmurações, desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que, por ele, vades crescendo (I Pedro, 2.1,2).
 
4. PORQUE ELA É O NOSSO ALIMENTO ESPIRITUAL.
 
Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração; porque pelo teu nome me chamo, ó SENHOR, Deus dos Exércitos (Jeremias, 15.16).

5. PORQUE ELA É A LUZ QUE ILUMINA NOSSO CAMINHO.

Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para o meu caminho (Salmos, 119.105).

6. PORQUE ELA É A FONTE DA NOSSA SANTIFICAÇÃO.

Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade (João, 17.17).

7. PORQUE ELA É A NOSSA ARMA DE GUERRA.

Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus (Efésios, 6.17).

CONCLUSÃO:
Mergulhe na Palavra de Deus e seja cheio (a) da graça e do conhecimento.
Leia a bíblia, leia-a conhecendo o seu autor, ela é uma fonte inesgotável de ricos tesouros.
Leia-a para ser sábio, ame-a para ser bem sucedido e pratique para ser santo.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

CRISTÃOS ABNEGADOS.

Então, disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz e siga-me (Mateus, 16.24).

O verdadeiro cristão deve viver uma vida abnegada, totalmente voltada para Deus. A abnegação deve ser a característica principal que identifica um cristão. A palavra ABNEGADO em sua definição significa: Aquele que não tem interesse próprio, que busca se sacrificar em ajudar outros em detrimento do amor. O termo abnegação provém do latim abnegatĭo. Trata-se do sacrifício que alguém faz de sua deliberada vontade. Em geral, esse sacrifício tem lugar por motivos religiosos ou por altruísmo.
Para o cristianismo, a abnegação é a negação do indivíduo, no sentido de renunciar a si mesmo e aos seus interesses pessoais. Um bom cristão não pode fazer sempre aquilo que quer, pois deve obedecer à palavra de Deus e viver de acordo com as suas ordens.
A abnegação implica disciplinar e saber controlar os desejos, os sentimentos, as paixões e os pensamentos.
A abnegação implica em lutar contra o egoísmo. O objetivo é dar em vez de ter. A pessoa que renuncia a algo para assistir o próximo, o faz livremente e sem qualquer obrigação; ora, nessa negação existe uma opção pessoal que proporciona gozo e satisfação.
Todas essas características colocam, aos olhos dos cristãos, Jesus Cristo como símbolo e modelo da abnegação. Jesus decidiu renunciar à sua condição divina e fez-se homem para salvar a humanidade. Nesse sentido, pediu aos seus discípulos que o seguissem, renunciassem à própria vontade e fizessem a vontade de Deus na Terra.

Quando Jesus esteve na Terra, Ele deu um exemplo perfeito de abnegação. Ele deixava de lado seus desejos e confortos a fim de fazer a vontade de Deus. Por permanecer fiel até a morte e morrer por nós na cruz, Ele provou que seu espírito abnegado não tinha limite.
Como seguidores de Jesus, nós também precisamos mostrar um espírito abnegado. O que isso significa? Dito de maneira simples, significa estarmos dispostos a abrir mão de nossos interesses a fim de ajudar outros. Em certo sentido, é o contrário do egoísmo. Um espírito abnegado pode nos ajudar a colocar os sentimentos e preferências dos outros à frente dos nossos. Jesus ensinou que a abnegação tem um papel central em nossa adoração. O amor cristão, é uma das virtudes que motiva alguém a ser abnegado, é a marca que identifica os verdadeiros discípulos de Jesus (João, 13.34,35).

EGOÍSTA o antônimo de ABNEGADO.

O egoísmo é o maior problema que nós enfrentamos, é um inimigo que pode sutilmente corromper nosso espírito abnegado. Esse inimigo é a nossa própria tendência de sermos egoístas.
Hoje, Satanás tem conseguido desencaminhar a maioria das pessoas, levando-as a manifestar egoísmo de muitas maneiras. Isso merece nossa atenção, visto que o espírito egoísta que prevalece no mundo pode nos contaminar.
O egoísmo pode ser comparado à ferrugem. Se um objeto de ferro fica exposto ao tempo, ele pode começar a enferrujar. O verdadeiro perigo está em ignorar a ferrugem, permitindo que ela se espalhe a ponto de danificar ou comprometer uma estrutura. De modo similar, embora não possamos eliminar nossa imperfeição e tendências egoístas, devemos estar alertas aos perigos envolvidos e continuar lutando contra essas tendências. Como podemos identificar sinais de egoísmo em nós mesmos? E como podemos desenvolver ainda mais um espírito abnegado? Paulo diz: Antes, subjugo o meu corpo e o reduzo à servidão... (I Co.9.27). É preciso lutarmos contra a nossa própria natureza egoísta, deixando de lado nossos próprios interesses, renunciando as coisas mundanas e buscando agradar a Deus.

Concluindo: Em um mundo de pessoas egoístas, ser cristão abnegado faz toda a diferença. Que sejamos verdadeiros cristãos abnegados, só assim o mundo saberá que somos discípulos de Jesus Cristo. Amém! 

sábado, 11 de fevereiro de 2017

SÍMBOLOS DA PALAVRA DE DEUS.

Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da alma, e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração (Hebreus, 4.12).

A palavra de Deus é uma fonte de vida. Ela é viva, porque produz vida; ela é eficaz, porque  produz efeitos positivos; ele é penetrante, porque penetra no extremo do nosso ser, até à divisão da alma, e do espírito, e das juntas e medulas; ela é poderosa, porque tem o poder de discernir os pensamentos e intenções do coração.
A palavra de Deus é o alimento que nutre a nossa alma, fortalece o nosso espírito e promove o nosso crescimento espiritual.
A palavra de Deus é como um farol que nos guia no meio da escuridão das trevas do pecado.
A palavra de Deus é como uma âncora que serve de sustentação para nossa vida, em meio aos assédios deste mundo de pecados, cheio de tantas heresias e ensinamentos contrários a nossa fé.
Ancore a sua vida na palavra de Deus, porque só ela tem o poder de garantir a sua firmeza e estabilidade em Deus.

SETE SÍMBOLOS DA PALAVRA DE DEUS:

1. FOGO.
Não é a minha palavra com fogo, diz o SENHOR... (Jr.23.29).

2. MARTELO.
... E como um martelo que esmiúça a penha? (Jr.23.29)

3. ESCUDO.
Toda palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele (Pv.30.5).

4. ESPADA.
Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus (Ef.6.17).

5. LÂMPADA.
Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para o meu caminho (Sl.119.105).
 
6. ESPELHO.
Porque se alguém é ouvinte da palavra e não cumpridor, é semelhante ao varão que contempla ao espelho o seu rosto natural; porque se contempla a si mesmo, e foi-se, e logo se esqueceu de como era (Tg.1.23,24).

7. ALIMENTO.
Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração; porque pelo teu nome me chamo, ó SENHOR, Deus dos Exércitos (Jr.15.16).

Como alimento ela é: 

*MEL.
Oh! Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais doces do que o mel à minha boca (Sl.119.103).

*LEITE.
Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que, por ele, vades crescendo (I Pedro, 2.2).

*PÃO.
Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus (Mt.4.4).
Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome; e quem crê em mim nunca terá sede (Jo.6.35).

*ÁGUA.
Goteje a minha doutrina como a chuva, destile o meu dito como o orvalho, como chuvisco sobre a erva e como gotas de água sobre a relva (Dt.32.2).

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

O VALOR DA ÂNCORA

E, não aparecendo, havia já muitos dias, nem sol nem estrelas, e caindo sobre nós uma não pequena tempestade, fugiu-nos toda a esperança de nos salvarmos.
E, temendo ir dar em alguns rochedos, lançaram da poupa quatro âncoras, desejando que viesse o dia (Atos, 27.20,29).

Paulo estava sendo levado como prisioneiro para Itália, juntamente com outros presos, a tripulação do navio era de duzentas e setenta e seis pessoas, contando com o comandante do navio, o centurião e os soldados.
Essa viagem até a Itália, durou cerca de quinze dias e ouve muitas intempéries e desconfortos. As muitas tempestades sacudiu o navio, a ponto de parti-lo ao meio, deixando todos a deriva no meio do mar, pelo que em última instância eles se salvaram utilizando as partes do navio que serviram de tábuas para chegarem a salvo na praia que dava para uma ilha.
Esta vida é como uma viagem, e nós estamos navegando em mar de desafios e dificuldades; enfrentando muitas intempéries e desconfortos, muitas vezes o nosso barco (vida) é sacudido pelas tempestades (problemas) e chegamos ao ponto de perder as esperanças. Mas, o nosso comandante Jesus Cristo, está no nosso barco e não vai deixa-lo naufragar.
Como todo o navio precisa de âncora para na hora da tempestade garantir a sua firmeza e estabilidade; Jesus Cristo, é a nossa âncora segura e firme que garante a nossa estabilidade e nos dar a certeza que vamos chegar a salvo ao porto seguro.

AS QUATRO ÂNCORAS QUE GARANTEM A NOSSA ESTABILIDADE ESPIRITUAL:

1. ESPERANÇA.

... Nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; a qual temos como âncora da alma segura e firme ... (Hebreus, 6.18,19).
Porque em esperança somos salvos... (Romanos, 8.24).

Porque, esta mesma noite, o anjo de Deus, de quem eu sou e a quem sirvo, esteve comigo (Atos, 27.23).
Portanto, exorto-vos a que comais alguma coisa, pois é para a vossa saúde; porque nem um cabelo cairá da cabeça de qualquer de vós (Atos, 27.34).
Houve um momento tão desesperador nesta viagem de Paulo, a ponto deles perderem toda esperança. Lucas, assim relata: E, não aparecendo, havia já muitos dias, nem sol nem estrelas, e caindo sobre nós uma grande tempestade, fugi-nos toda a esperança de nos salvarmos (Atos, 27.20). Porém, Deus renova a nossa esperança e nos dá a certeza que não estamos sós. Paulo disse aos seus companheiros: Porque, esta mesma noite, o anjo de Deus, de quem eu sou e a quem sirvo, esteve comigo (Atos, 27.23). A presença de Deus nos dá uma viva esperança e nos garante que não vamos ser derrotados. Esqueça tudo que não pode lhe dá esperança, e ponha toda a sua esperança em Deus. Está escrito: Bem -aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio e cuja esperança está posta no SENHOR, seu Deus (Salmos, 146. 5).
Bom é ter esperança e aguardar em silêncio a salvação do SENHOR (Lamentações, 3.26). 

Lance a âncora da esperança, e você não será abalado, a sua alma estará firme em Deus. O escritor aos hebreus nos diz: ... Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; a qual temos como âncora da alma, segura e firme e que penetra até o interior do véu (Hebreus, 6.18,19). 
 
2. FÉ.

Portanto, ó varões, tende bom ânimo! Porque creio em Deus que há de acontecer assim como a mim me foi dito (Atos, 27.25).
Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele (Hebreus, 10.38).

Paulo acreditou, teve fé na palavra de Deus, naquilo que Deus falou. Mesmo estando em uma situação desesperadora, ele não perdeu a fé. Assim deve ser a vida de um cristão que vive pela fé. Mesmo que as tempestades desta vida venham para querer nos destruir, jamais devemos perder a fé, temos que acreditar que Deus está no controle, e no final tudo vai dar certo. Está escrito: Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele (Hebreus, 10.38). 

3. CONFIANÇA.

Os que confiam no SENHOR serão como o monte Sião, que não se abala, mas permanece para sempre (Salmos, 125.1).
Mas, agora, vos admoesto a que tenhas bom ânimo, porque não se perderá a vida de nenhum de vós, mas somente o navio (Atos, 27.22).

É preciso confiarmos em Deus na hora da adversidade, quando as ondas do mar desta vida vem para nos sucumbir, temos que ancorar a nossa confiança em Deus. Está escrito: Os que confiam no SENHOR serão como o monte Sião, que não se abala, mas permanece para sempre (Salmos, 125.1). Firme a âncora da sua confiança em Deus, descanse e deixe Deus agir.

4. PALAVRA DE DEUS.

Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da alma, e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração (Hebreus, 4.12).

A palavra de Deus é o alimento que nutre a nossa alma, fortalece o nosso espírito e promove o nosso crescimento espiritual. A palavra de Deus é como uma âncora que serve de sustentação para nossa vida, em meio aos assédios deste mundo de pecados, cheio de tantas heresias e ensinamentos contrários a nossa fé.
Ancore a sua vida na palavra de Deus, porque só ela tem o poder de garantir a sua firmeza e estabilidade em Deus. Amém!

CONCLUSÃO:
A âncora é um acessório de grande importância para o navio, pois a mesma garante firmeza e segurança ao navio quando vem a tempestade. Assim também a nossa firmeza e estabilidade espiritual, depende de estarmos ancorados em Cristo.
Ninguém chegará ao porto seguro, se não tiver Cristo como seu comandante.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

AS QUATRO DIMENSÕES DA GLÓRIA.

E sucedeu que, fazendo menção da arca de Deus, Eli caiu da cadeira para trás, da banda da porta, e quebrou o pescoço, e morreu, porquanto era velho e pesado; e tinha ele julgado a Israel quarenta anos. E, estando sua nora, a mulher de Finéias, grávida, e próxima ao parto, ouvindo estas novas, de que a arca de Deus era tomada e de que seu sogro e seu marido morreram, encurvou-se e deu à luz; porquanto as dores lhe sobrevieram. E, ao tempo em que ia morrendo, disseram as mulheres que estavam com ela: Não temas, pois tiveste um filho. Ela, porém, não respondeu, nem fez caso disso. Mas chamou ao menino Icabode, dizendo: Foi-se a glória de Israel, porquanto a arca de Deus foi levada presa e por causa de seu sogro e de seu marido. E disse mais: De Israel a glória é levada presa, pois é tomada a arca de Deus (I Samuel, 4.18-22).

Glória é uma palavra bastante conhecida, tanto no mundo secular como no sagrado. A glória humana é efêmera, terminal e passageira. A glória de Deus é poderosa, progressiva e eterna. A glória humana está baseada nas riquezas, no glamour, na fama, no status, etc. A glória de Deus é multiforme, ela envolve vários dos seus atributos, e a base da sua glória é a manifestação da sua presença.
A palavra glória no original hebraico é "kavod", que tem como significado: O peso da glória de Deus. Diante desta glória devemos, honrar, render louvores e exaltar a grandeza de Deus. 
No grego ela é traduzida como "Doxa".
"Shekiná", palavra que é conhecida por glória de Deus, citada por muitos pregadores, não se encontra no texto sagrado.

O vocábulo "shekinah" não aparece na Bíblia, ela foi introduzida em tempos posteriores por rabinos (a página 1183 da bíblia pentecostal reconhece isso).
Shekiná é um termo hebraico, que significa – Habitação, habitar, fazer morada.
A “shekiná”, como uma ideia da glória de Deus, só aparece na literatura rabínica, os rabinos em Israel usavam este termo fazendo “alusão a presença de Deus, no meio do povo de Israel.
Na Torá, quando Deus disse ao seu povo, “e fareis um santuário para Mim, e habitarei no meio deles (dos israelitas)” e habitarei no meio dos filhos de Israel, e serei-lhes por Deus. Foi dai que os rabinos tiveram a ideia de chamar "Shekiná. Visto que a glória de Deus é inerente a Ele. Logo se Deus mora ou habita no meio do seu povo, consequentemente a sua glória está presente.
Os judeus cabalistas também começaram a usar este termo a partir do século XIII.

1. A GLÓRIA PERDIDA.

A nação de Israel era imbatível, ninguém conseguia derrotar o povo de Deus quando andavam em obediência. A arca da aliança representava a presença de Deus no meio do povo, esta era a grande diferença entre a nação de Israel e as demais nações.
A nação de Israel estava vivendo uma época de grande decadência espiritual, o sacerdote Eli era um sacerdote fraco, um homem com idade já avançada e havia perdido a autoridade para os seus filhos, ele não os repreendia. Os filhos de Eli eram filhos de Belial, porque eram maus, e praticavam todo tipo de sacrilégios (I Sm.2.12-17). Serviam no tabernáculo, mas não conheciam ao SENHOR, intimo e pessoal. Eles se ajuntavam na porta da tenda com mulheres e ali se deitavam com elas, Eli, já não tinha autoridade para repreender seus filhos (I Sm.2.22).
Com a falta de autoridade do sacerdote Eli e os pecados dos seus filhos, a nação de Israel perdeu o referencial e deixou de obedecer ao SENHOR, passou a adorar outros deuses, e a anarquia espiritual foi instalada. Por causa dos pecados da nação de Israel, Deus permitiu que os filisteus vencessem a batalha e levassem a arca da aliança. O exército de Israel teve uma perda de trinta mil homens, que foram mortos, a arca foi tomada e a glória de Israel foi perdida.
A nação de Israel ficou desprovida da glória de Deus por um período de vinte anos, após ter perdido a batalha para os filisteus.
Não podemos perder a glória de Deus, quando a glória de se afasta, a tendência é o fracasso e a derrota.
Estamos vivendo uma época de muito glamour e riquezas, templos (igrejas) magníficos, evangelho para todos os gostos, igrejas lotadas de pessoas, porém o culto ao ego e o antropocentrismo tem tomado o lugar da verdadeira adoração. Por causa disto a glória de Deus não se manifesta em muitas igrejas.    

2. A GLÓRIA RESTAURADA.

Quando o povo procura um referencial, um paradigma a ser seguido e não encontra, a tendência é entrar no caminho da desobediência e abandonar a Lei de Deus. Foi exatamente isto que aconteceu a nação de Israel naquela época. Vinte anos depois do Icabode (da glória perdida), o profeta Samuel chama o povo ao arrependimento, os repreende, e o povo se arrepende e renova a aliança com Deus.

QUATRO ATITUDES PARA TER DE VOLTA A GLÓRIA DE DEUS.

1. CONVERTE-SE AO SENHOR.
Então falou Samuel a toda a casa de Israel, dizendo: Se com todo o vosso coração vos converterdes ao SENHOR... (I Sm.7.3).

2. AFASTAR-SE DA IDOLATRIA.
Disse Samuel ao povo: Tirai dentre vós os deuses estranhos... (I Sm.7.3).

3. PREPARAR O CORAÇÃO PARA SERVIR AO SENHOR.
Disse Samuel: Preparai o vosso coração ao SENHOR, e servi a ele só... (I Sm.7.3).

4. CONFESSAR OS PECADOS.
Disse mais Samuel: Congregai a todo o Israel em Mizpá; e orarei por vós ao SENHOR.
E congregaram em Mizpá, e tiraram água, e a derramaram perante o SENHOR, e jejuaram aquele dia, e disseram ali: Pecamos contra o SENHOR (I Sm.7.5,6).

3. A GLÓRIA MANIFESTA.

A Moisés, no tabernáculo.

Então, a nuvem cobriu a tenda da congregação, e a glória do SENHOR encheu o tabernáculo, de maneira que Moisés não podia entrar na tenda da congregação, porquanto a nuvem ficava sobre ela, e a glória do SENHOR enchia o tabernáculo (Êxodo, 40.34,35).

A Salomão, na inauguração do templo.

E quando eles uniformemente tocavam as trombetas e cantavam para fazerem ouvir uma só voz, bendizendo e louvando ao SENHOR, e quando levantavam eles a voz com trombetas, e címbalos, e outros instrumentos músicos, para bendizerem ao SENHOR, porque era bom, porque a sua benignidade durava para sempre, então, a casa se encheu de uma nuvem, a saber, a Casa do SENHOR; e não podiam os sacerdotes ter-se em pé, para ministrar, por causa da nuvem, porque a glória do SENHOR encheu a Casa de Deus (II Crônicas, 5.13,14).

E, acabando Salomão de orar, desceu fogo do céu e consumiu o holocausto e os sacrifícios; e a glória do SENHOR encheu a casa. E os sacerdotes não podiam entrar na Casa do SENHOR, porque a glória do SENHOR tinha enchido a Casa do SENHOR (II Crônicas, 7.1,2).

A Isaías, quando foi ao templo em busca de consolo.

No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi ao SENHOR assentado sobre um alto e sublime trono; e o seu séquito enchia o templo. Os serafins estavam acima dele; cada um tinham seis asas, com duas cobriam o rosto, e com duas cobriam os pés, e com duas voavam. E clamavam uns para os outros: Santo, Santo, Santo é o SENHOR dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória. E os umbrais das portas se moveram com a voz do que clamava, e a casa se encheu de fumaça (Isaías, 6.1-4).

4. A GLÓRIA PERMANENTE.

Na igreja neotestamentária.
Jesus na sua oração sacerdotal, diz: E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, assim como nós somos um (João, 17.22).
Está glória é caracterizada pela presença do Espírito Santo na vida dos crentes.
Jesus disse: Eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro consolador, para que fique convosco para sempre, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco e estará em vós (Jo.14.16,17).
... E eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos (Mateus, 28.20).
A presença de Deus está conosco e em nós, esta glória é permanente porque ela veio para ficar.
O Espírito Santo é a glória de Deus permanente que se manifesta sobre a igreja, e por esta glória nós vamos sendo transformados. O apóstolo Paulo falando sobre a glória de Deus, nos diz: Mas todos nós, com o rosto descoberto, refletindo, como um espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor (II Coríntios, 3.18).

CONCLUSÃO:
Que a glória de Deus seja uma constante na nossa vida, que possamos sempre refletir a glória de Deus, hoje, amanhã e sempre.
A glória humana incha e deixa as pessoas orgulhosas.
A glória de Deus enche e deixa as pessoas transformadas.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

APRENDENDO COM O DESERTO.

E te lembrarás de todo o caminho pelo qual o SENHOR, teu Deus, te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, para te provar, para saber o estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos ou não. E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram, para te dar a entender que o homem não viverá  só de pão, mas que de tudo o que sai da boca do SENHOR viverá o homem (Deut. 8.2,3).

Quando Faraó deixou ir o povo de Deus, Deus não permitiu que os filhos de Israel saísse do Egito pelo caminho da terra dos filisteus, que estava mais perto; mas Ele ordenou à Moisés que levasse o povo pelo caminho do deserto, perto do mar Vermelho. Deus ainda queria ser glorificado em Faraó com todo o seu exército. Ao certo não seria para os israelitas passarem quarenta anos peregrinando no deserto, até chegarem a terra prometida. Mas, por causa das murmurações e desobediência do povo, eles tiveram que caminhar dando voltas no deserto por quarenta longos anos.
O povo precisava amadurecer na sua vida espiritual, e conhecer melhor a Deus. Um povo rebelde, precisava aprender a obedecer ao SENHOR, e a guardar a sua palavra. Deus tinha muitas lições para ensinar ao seu povo no deserto.
O deserto foi a faculdade de Deus para o seu povo. E, por incrível que pareça, dos que saíram do Egito, só dois foram aprovados; Josué e Calebe.

TRÊS LIÇÕES DO DESERTO.

*PROVAÇÃO.

E te lembrarás de todo o caminho pelo qual o SENHOR, teu Deus, te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, para te provar, para saber o estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos ou não (Deut.8.2).
Um dia você passará pelo deserto.
Deserto. Lugar de provação onde tudo é difícil. Estando no deserto vem a angustia, o medo, a necessidade, a solidão, a expectativa, as frustrações, os sonhos não realizados e a vontade de desistir. Quando estamos no monte de Deus, em lugar de destaque, temos muitos amigos. Mas, quando estamos no deserto, lugar de provação, somos abandonados e ficamos só. Porém, Deus não nos deixa, Ele está com você e vai fazer do seu deserto uma fonte de bênçãos.

*HUMILDADE.

E te lembrarás de todo o caminho pelo qual o SENHOR, teu Deus, te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar... (Ves.2a)
E te humilhou, e te deixou ter fome... (Vers.3a).
No deserto nós aprendemos a se humilhar e somos humilhados por Deus.
No deserto da humilhação, passamos pelo abandono, onde as pessoas se esquecem de nós. No deserto você não tem amigos, não tem parentes, não tem conselheiros. No deserto você aprender a estar a sós com Deus. Ali você ora, chora, geme, clama, busca, é humilhado e passa pelo estreito de Deus.
Você luta como Jacó lutou com o anjo até ao raiar da amanhã. Mas temos um amigo fiel que não nos deixa, seja no deserto da humilhação ou no monte da exaltação, esse amigo é Jesus, Ele está contigo. Creia! 

*DEPENDÊNCIA DE DEUS.

E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram, para te dar a entender que o homem não viverá  só de pão, mas que de tudo o que sai da boca do SENHOR viverá o homem (Vers.3).
Deserto sempre nos lembra escassez, solidão, sofrimento, etc. Sempre coisas que não gostamos, mas Deus muitas vezes nos permite passar pelo deserto para aprendermos a depender inteiramente dEle. Deus pode preparar uma mesa para os seus em pleno deserto, e é exatamente por isso que Ele nos leva, por vezes ao deserto. Se você está no deserto, continue, fique na dependência de Deus, e Ele proverá todas as coisas.

TRÊS IMPORTANTES INFORMAÇÕES SOBRE O DESERTO:

*DESERTO NÃO É LUGAR PARA SE MORAR.

Não faça casas no deserto, pois ele é passagem. Para Israel foi a passagem entre o Egito (escravidão) e Canaã (Liberdade). Passe pelo deserto, quando necessário, mas não se acostume com ele, não fique lá, Deus tem coisas excelentes para você. Deus te faz passar pelo deserto, para depois te exaltar nos montes.

*DESERTO É LUGAR DE EXPERIMENTAR MILAGRES. 

Supondo que o Antigo Testamento conta uma história de mais ou menos 5.000 anos, e em um período de 40 anos de deserto, aconteceram mais milagres do que em todo o restante do AT. É por isso, que no deserto é lugar de experimentar milagres, pois onde há escassez há cuidado e provisão Divina. No deserto acontece milagres diários: Maná, coluna de fogo, coluna de nuvem, milagres específicos, mar vermelho é aberto, água da sai rocha, codornizes aparecem do nada, vindo da banda do mar, e tantos outros.
Se você está no deserto de Deus, continue, porque os milagres de Deus virão ao teu encontro.

*DESERTO É LUGAR DE PREPARAÇÃO PARA CONQUISTAS.

O que Deus nos ensina no deserto serve como plataforma sobre a qual nos apoiamos para sermos lançados ao alto. A conquistas que não podíamos alcançar quando estávamos antes em nosso apogeu; no deserto aprendemos que por maior que seja o desafio é possível vencer. Pois se Deus está ao nosso lado, durante toda a nossa trajetória no deserto, Ele está nos preparando para uma grande conquista. Não tenha medo do deserto, deserto é lugar de preparação para novas conquistas. Conquiste o que Deus tem para você! Amém!

domingo, 5 de fevereiro de 2017

NUNCA HOMEM ALGUM FALOU ASSIM.

E, depois disso, Jesus andava pela Galileia e já não queria andar pela Judéia, pois os judeus procuravam matá-lo. E estava próxima a festa dos judeus chamada de festa dos Tabernáculos. Mas, no meio da festa, subiu Jesus ao templo e ensinava. E os judeus maravilhavam-se, dizendo: Como sabe este letras, não tendo aprendido? Os fariseus ouviram que a multidão murmurava dele essas coisas; e os fariseus e os principais dos sacerdotes mandaram servidores para o prenderem.
E, no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, que venha a mim e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre.
E os servidores foram ter com os principais dos sacerdotes e fariseus; e eles lhes perguntaram: Por que o não trouxestes? Responderam os servidores: "Nunca homem algum falou assim como este homem" (João, 7.1,2,14,15,32,37,38,45,46).

A grande diferença do discurso de Jesus em relação a dos escribas e fariseus, era que Jesus falava com autoridade, ou seja, ele vivia o que pregava. Os soldados da corte que foram enviados para prenderem Jesus, não conseguiram, quando eles chegaram para prendê-lo, Jesus estava dando um discurso, e eles ficaram maravilhados com as palavras de Jesus. Ao retornarem da missão, os príncipes dos sacerdotes e os fariseus lhe perguntavam: Por que o não trouxestes? Responderam os servidores: "Nunca homem algum falou assim como este homem".
Jesus, o maior pregador de todos os tempos, nunca homem algum o superou. Os grandes eruditos, sábios, escribas, filósofo e intelectuais nunca falaram como Jesus, o seu discurso, e a sua pregação não eram práticas de oratória. Ele pregava e ensinava com total autoridade. Os grandes filósofos da antiguidade como Sócrates, Aristóteles, Platão e muitos outros, foram homens que influenciaram a vida das pessoas no mundo antigo, e ainda hoje continuam influenciando. Mas, a fala, o discurso, o ensino e a pregação de Jesus, é incomparável. Jesus é incomparável porque Ele é a fonte da sabedoria.
Ainda hoje, quando lemos nos evangelhos acerca dos seus discursos, ficamos maravilhados e repetimos juntos com soldados que foram prendê-lo: "NUNCA HOMEM ALGUM FALOU ASSIM COMO ESTE HOMEM".

CINCO COISAS QUE JESUS FALOU, QUE NENHUM HOMEM FALOU:

1. VINDE A MIM, TODOS OS CANSADOS E OPRIMIDOS.

Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei (Mateus, 11.28).

2. EU SOU A RESSURREIÇÃO E A VIDA.

Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá (João, 11.25).

3. EU SOU A LUZ DO MUNDO.

Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida (João, 8.12).

4. EU SOU O CAMINHO, E A VERDADE, E A VIDA.

Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim (João, 14.6).

5. EU SOU O PRIMEIRO E O ÚLTIMO.

Não temas. Eu sou o Primeiro e o Último, e o que vive; fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém! E tenho as chaves da morte e do inferno (Ap.1.17,18).

CONCLUSÃO:
As palavras de Jesus faz bem a alma e fortalece o coração. Há um salmo profético que diz: O meu coração ferve com palavras boas; falo do que tenho feito no tocante ao rei; a minha língua é a pena de um destro escritor (Salmos, 45.1). As palavras de Jesus faz arder o coração. E disseram um para o outro: Porventura, não ardia em nós o nosso coração quando, pelo caminho, nos falava e quando nos abria as Escrituras? (Lucas, 24.32). Jesus continua falando, a sua palavra nos conforta. Amém!