sábado, 30 de julho de 2011

QUATRO DESAFIOS À NOSSA GERAÇÃO.

E contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca desfalecer, dizendo: Havia numa cidade um certo juiz, que nem a Deus temia, nem respeitava homem algum. Havia também naquela mesma cidade uma certa viúva e ia ter  com ele, dizendo: Faz-me justiça contra o meu adversário. E, por algum tempo, não quis; mas, depois, disse consigo: Ainda que não temo a Deus, nem respeito os homens, todavia, como esta viúva me molesta, hei de fazer-lhe justiça, para que enfim não volte e me importune muito. E disse o Senhor: Ouvi o que diz o injusto juiz. E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles? Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Quando, porém, vier o filho do homem, porventura, achará fé na terra? Lc.18.1-8.

Nesta parábola, Jesus nos ensina sobre o nosso dever de orar sempre e nunca desfalecer. Ele também deixa claro que, além da prática contínua da oração; é preciso sermos perseverantes e termos uma fé inabalável diante das circunstâncias. O problema é que hoje muitos não vivem mais na prática da oração, muitos não tem paciência de esperar em Deus, e preferem agir por suas próprias forças e habilidades. Existe nos dias atuais uma escassez da fé genuína, e muitos estão vivendo uma fé superficial e de aparência, que não tem respaldo na palavra de Deus. Quando Jesus deixa essa interrogação, dizendo: Quando, porém, vier o filho do homem, porventura achará fé na terra? Ele quiz dizer que, com o passar do tempo, muitos iriam perder a capacidade de manter a sua fé alicerçada em Deus e na sua palavra. O tipo de fé que Jesus quer encontrar, é uma fé obediente, uma fé devocional a sua palavra, uma fé perseverante e que permanece fiel até a morte. Infelizmente muitos estão apostatando a fé verdadeira e vivendo uma fé de fantasias baseada em seus conceitos em vez de obedecer a palavra de Deus.

1. O DESAFIO DO AVANÇO DA CIÊNCIA.

E tu, Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e a ciência se multiplicará. Dn.12.4.
Estamos vivendo na época da modernidade, onde o conhecimento científico e a tecnologia aumentam cada vez mais, deixando as pessoas acomodadas, orgulhosas e endeusadas, a ponto de desprezarem a bíblia, que é a palavra de Deus, para ficarem embriagadas com a tecnologia e a ciência. Diante de tudo isso, somos desafiados a fazer diferença. A ciência tem o seu lado positivo e benéfico, dentro de um equilíbrio. A bíblia diz: A ciência incha, mas o amor edifica (1Co.8.1). O crente pode e deve ser moderno. Mas, não deve ser mundano. 


2. O DESAFIO DA MÍDIA.

Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Rm.12.1,2.
A mídia tem o poder de dominar a mente das pessoas, trazendo informações negativas, e comportamentos distorcidos. A nossa mente é um campo de batalha, é preciso firmar a nossa mente em Deus e  ter a sua palavra como escudo. O profeta Isaías nos diz: Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; Porque ele confia em ti. Confia no SENHOR perpetuamente; porque o Senhor Deus é uma rocha eterna. Is.26.3,4. Nesses últimos dias a mídia vem bombardeando as famílias e perturbando as mentes e os corações das pessoas, e mudando o comportamento da sociedade. O que é a mídia? A mídia é o mundo globalizado da informação, da propaganda e do entretenimento; que informa, propaga, e diverte as pessoas, através do vídeo, do audio e da escrita. É preciso o crente firmar suas convicções de fé em Deus e na sua palavra e vencer o desafio de não ser manipulado pela mídia.

3. O DESAFIO DO SISTEMA MATERIALISTA.

 Mas é grande ganho a piedade com contentamento. Porque nada trouxemos para este mundo e manifesto é que nada podemos levar dele. Tendo, porém sustento e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes. Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. 1Tm.6.6-10.
Vivemos em um mundo materialista onde as pessoas valem o que tem, e não o que são. O império materialista tem dominado o mundo, o capitalismo prega que,  a concorrência, a  competição e o individualismo é algo salutar e deve crescer cada vez mais. A sede pela prosperidade material, já se tornou uma epidemia descontrolada na vida das pessoas e elas vivem em uma ansiedade desenfreada em busca das coisas materiais. Por conta disso muitas pessoas estão trocando sua herança espiritual, em detrimento das coisas materiais. Não devemos nos deixar levar pelas coisas materiais, que são terrenas e passageiras; e sim darmos prioridades as coisas que são cima, que são de Deus e são eterna.

4. O DESAFIO DE VIVER PELA  FÉ.

Porque ainda um poucochinho de tempo, e o que há de vir virá e não tardará. Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Hb.10.37,38.
Somos desafiados a viver pela fé, em um mundo de pessoas cada vez mais materialistas e vazias de Deus. Estar estabelecido um sistema materialista onde as pessoas crer naquilo que vê e vivem uma fé de interesses nas coisas materiais, e são oscilantes em relação a Deus e a sua palavra. Quando tudo vai bem, tem fé. Quando vem a adversidade, a fé acaba e vem o desespero. São pessoas que estão vivendo um tipo de fé superficial, fundamentada e baseada nos seus próprios conceitos e crença. Porém Jesus disse: Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre ( Jo.7.38). É preciso viver uma fé verdadeira, fundamentada na Escritura. Pra vencer o desafio de viver pela fé em pleno século 21, se faz necessário andar na contra mão do sistema do mundo.
       

JESUS, A NOSSA CIDADE DE REFÚGIO.

Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia (Sl.46.1).
Falou mais o SENHOR a Moisés, dizendo: Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando passardes o Jordão à terra de Canaã, fazei com que vos estejam à mão cidades que vos sirvam de cidades de refúgio, para que ali se acolha o homicida que ferir a alguém por erro. E estas cidades vos serão por refúgio do vingador do sangue; para que o homicida não morra, até que esteja perante a congregação no juízo. E, das cidades que derdes, haverá seis cidades de refúgio para vós. Três destas cidades dareis daquém do Jordão, e três destas cidades dareis na terra de Canaã; cidades de refúgio serão (Nm.35. 9-14).

Deus falou a Moisés, que falasse aos filhos de Israel, que quando houvesse passado o Jordão, estabelecesse seis cidades de refúgio, para que se alguém cometesse algum homicídio por engano ou por acidente,(homicídio culposo), fosse acolhido em uma dessas cidades e lá ficasse até o dia do seu julgamento. As cidades de refúgio foram ordenadas por Deus, por intermédio de Moisés, para que o homicida ficasse protegido, morando na cidade até o julgamento ou a morte do sumo sacerdote. Para que o vingador não o matasse, ele não poderia sair da cidade de refúgio. Se ele saísse e o vingador o matasse, o seu sangue seria sobre a sua própria cabeça. Este princípio de lei é uma tipologia que aponta para Cristo. Que é nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia. Enquanto estivermos com Cristo e em Cristo, estamos guardados e protegidos. Sem Cristo, estamos vulneráveis a sermos atingidos e destruídos pelo maligno. Mas, graças a Deus, que Cristo é a nossa cidade de refúgio. Aleluia!

AS SEIS CIDADES DE REFÚGIO E OS SEUS SIGNIFICADOS:

1. HEBROM. 
Significa, companheiro. Em Hebrom Cristo é nosso companheiro, nosso amigo, nosso irmão e nosso Advogado. Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor, mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu pai vos tenho feito conhecer (Jo.15.15). Em todo tempo ama o amigo; e na angústia nasce o irmão (Pv.17.17). Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado junto ao pai, Jesus Cristo, o Justo (1Jo.2.1).


2. SIQUÉM. 
Significa, ombro. Em Siquém Cristo é nosso ombro amigo, nosso consolo, nosso conforto, nossa esperança; em quem podemos depositar toda a nossa confiança. Está escrito na sua palavra: Eu, eu mesmo, sou aquele que te consola. Quem és tu para que temas seres humanos, pobres mortais, e os filhos dos homens, que não passam de relva (Is.51.12). Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim (Jo.14.1).     


3. QUEDES. 
Significa, santuário. Em Quedes Cristo é o  nosso santificador. Em Cristo somos santos, e estamos separados para o serviço do mestre. Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade (Jo.17.17). Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver, porquanto escrito está: Sede santos, porque eu sou Santo (1Pe.1.15,16).
                                 
4. RAMOTE. 
Significa, altura. Em Ramote estamos nas alturas com Cristo. Somos exaltados por Cristo e pela fé, estamos assentados em regiões celeste. Torre forte é o nome do SENHOR; para ele correrá o justo e estará em alto retiro (Pv.18.10). Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo (Ef.1.3).

5. BEZER. 
Significa, fortaleza. Em Bezer Cristo é nosso refúgio e fortaleza. Nosso lugar seguro, nossa proteção, nosso esconderijo. Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia  (Sl.46.1). O SENHOR é bom, uma fortaleza no dia da angústia, e conhece os que confiam nele (Na.1.7).

6. GOLÃ. 
Significa, cativeiro. Em Golã somos cativos em Cristo, e libertos do pecado. Pelo que diz: Ele subindo ao alto, levou cativo o cativeiro e deu dons aos homens (Ef.4.8). Assim como Deus virou o cativeiro de Jó, (Jó.42.10). Também, Cristo, nos libertou, virou o nosso cativeiro e mudou a nossa história. E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Se, pois, o filho vos libertar, verdadeiramente, sereis livres (Jo.8.32,36).
 
CONCLUSÃO:
Cristo é o nosso refúgio. Cristo é o nosso amigo. Cristo é o consolo. Cristo é o nosso santificador, Cristo é o nosso libertador, e Ele será o nosso guia para sempre.