sábado, 13 de julho de 2013

O PODER DA NOSSA PALAVRA

Como maçãs de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo (Provérbios 25.11).

Este provérbio, escrito por Salomão cerca de 1000 anos a.C. nos fala da preciosidade da palavra. Nós vivemos em um mundo de comunicação, e a palavra falada ou escrita tem um grande poder e valor. Há um dito popular que diz: Existem três coisas que não voltam mais: A flecha atirada, a oportunidade perdida, e a palavra falada. Existem pessoas que são precipitadas quando falam, não medem as palavras e nem se preocupam com as consequências que podem acontecer. Falar em tempo inoportuno ou fora de tempo, pode desencadear um série de problemas; tanto para quem fala como para quem ouve. Infelizmente, vivemos em um mundo de pessoas imprudentes e precipitadas naquilo que falam, muitas vezes para sermos sábios e prudentes, é preferível não falar e ponderar aquilo que ouvimos. Há um provérbio na bíblia que diz:  até o tolo, quando se cala, é reputado por sábio (Pv.17.28). O filósofo e matemático francês, Blaise Pascal, tinha razão quando disse: "A maior parte dos problemas do homem decorre de sua incapacidade de ficar calado". A sabedoria muitas vezes é percebida pelo nosso silêncio. Às vezes não são as muitas palavras que evidenciam uma pessoa sábia, mas sua capacidade de ficar calada. O livro de provérbios está recheado de ensinamentos sobre a sabedoria no falar. Muitas vezes as pessoas botam tudo a perder com suas palavras.
Muitos casamentos foram destruídos por causa de precipitações de palavras, muitos amigos foram perdidos por causa de palavras que não deveriam ser faladas, muitas amizades foram desfeitas por causa de atitudes e palavras que foram faladas fora do tempo; muitos empreendimentos comerciais não foram realizados, porque alguém não soube se comunicar; muitas guerras poderiam ter sido evitadas, se a diplomacia tivesse usado palavras brandas. O segredo está em saber usar a palavra no tempo oportuno. Está escrito: O Senhor JEOVÁ me deu uma língua erudita (sábia), para que eu saiba dizer, a seu tempo, uma boa palavra ao que está cansado. Ele desperta-me todas as manhãs, desperta-me o ouvido para que ouça como aqueles que aprendem (Is.50.4).

A SABEDORIA DO FALAR ENSINADA NO LIVRO DE PROVÉRBIOS.

Não repreendas o escarnecedor, para que não te aborreça; repreende o sábio e amar-te-á. (9:8)
Nos lábios do sábio se acha a sabedoria, mas a vara é para o falto de entendimento. (10.13)
Os sábios escondem a sabedoria, mas a boca do tolo é uma destruição. (10.14)
Na multidão de palavras não falta transgressão, mas o que modera seus lábios é prudente. (10:19)
A ira do louco se conhece no mesmo dia, mas o avisado encobre a afronta. (12.16)
Há alguns cujas palavras são como pontas de espada, mas a língua do sábio é saúde. (12.18)
Do fruto da sua boca cada um comerá o bem, mas a alma dos prevaricadores comerá a violência. (13.2)
O que guarda a sua boca conserva a sua alma, mas o que muito abre os lábios tem perturbação. (13.3)
Na boca do tolo está a vara da soberba, mas os lábios do sábio preservá-lo-ão. (14.3)
O que rápido se ira fará doidices e o homem de más imaginações será aborrecido. (14.17)
O longânimo é grande em entendimento, mas o ânimo precipitado exalta a loucura. (14.29)
A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira. (15.1)
O homem iracundo suscita contendas, mas o longânimo apaziguará a luta. (15.18)
O homem se alegra na resposta da sua boca, e a palavra a seu tempo quão boa é. (15.23)
O coração do justo medita o que há de responder, mas a boca dos ímpios derrama em abundância coisas más. (15.28)
Favo de mel são as palavras suaves, doce para a alma e saúde para os ossos. (16.24)
Retém as suas palavras o que possui o conhecimento, e o homem de entendimento é de precioso espírito. (17.27)
Até o tolo quando se cala será reputado por sábio; e o que fechar seus lábios por entendido. (17:28)
Os lábios do tolo entram na contenda e sua boca brada por açoites.  (18.6)
A boca do tolo é a sua própria destruição, e os seus lábios, um laço para a sua alma. (18.7)
Responder antes de ouvir é tolice e vergonha. (18:13)
Do fruto da boca de cada um se fartará o seu  ventre; dos renovos dos seus lábios se fartará. (18.20)
A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do seu fruto. (18.21)
O entendimento do sábio retém sua ira; e sua glória é passar sobre a transgressão. (19:11)
O que guarda a boca e a língua, guarda das angústias a sua alma. (21.23)
Tens visto um homem precipitado nas palavras? Maior esperança há num tolo do que nele. (29.20)
Como maçãs de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo. (25.11)

CONCLUSÃO:
Não devemos subestimar o poder das nossas palavras, as palavras que saem da nossa boca tem poder de matar e de dar vida. Uma palavra de ânimo, de fé e de incentivo poderá nos conduzir a vitória, porém uma palavra de desanimo, negativa e destrutiva poderá nos conduzir a derrota. Que sejamos portadores de palavras que gerem vida e saúde espiritual para os que as ouvem. Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário