domingo, 30 de junho de 2013

O DEUS DESCONHECIDO.

E os que acompanhavam Paulo o levaram até Atenas e, recebendo ordem para que Silas e Timóteo fossem ter com ele o mais depressa possível, partiram. E, enquanto Paulo os esperava em Atenas, o seu espírito se comovia em si mesmo, vendo a cidade tão entregue à idolatria. De sorte que disputava na sinagoga com os judeus e religiosos e, todos os dias, na praça, com os que se apresentavam. E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele. Uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? E outros: Parece que é pregador de deuses estranhos. Porque lhes anunciava a Jesus e a ressurreição. E, tomando-o, o levaram ao Areópago, dizendo: Poderemos nós saber que nova doutrina é essa de que falas? Pois coisas estranhas nos trazes aos ouvidos; queremos, pois, saber o que vem a ser isso. E estando Paulo no meio do Areópago, disse: Varões atenienses, em tudo vos vejo um tanto supersticiosos; porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. esse, pois, que vós honrais não o conhecendo é o que eu vos anuncio. At.17.15-23.

Após o apóstolo Paulo, ter pregado a palavra de Deus na cidade de Beréia, e feito ali muitos discípulos, veio uma perseguição por parte dos lideres judeus. Os irmãos que acompanhavam Paulo o conduziram até Atenas, Paulo recomendou aos irmãos que dissessem à Silas e Timóteo, que fossem lhe encontrar o mais depressa possível. Enquanto Paulo os esperava em Atenas, ele ficou profundamente comovido por ver aquela cidade tão entregue à idolatria. Atenas, capital da Grécia, foi uma das cidade-estado, era uma cidade próspera onde estava o principal centro cultural e intelectual do Ocidente, foi considerada o berço da civilização Ocidental. A religião dos atenienses era politeísta (eles adoravam vários deuses). Lá havia muitas escolas filosóficas, dentre as quais estavam os epicureus e estóicos; bem como os célebres filósofos, Sócrates e Platão. Os Atenienses adoravam numerosos deuses, em seu templo chamado "Pártenon", eram tantos deuses que eles ergueram um altar AO DEUS DESCONHECIDO, para se protegerem no caso de negligenciarem algum deus sem querer.
Em Atenas, para cada morador havia um deus, na frente das casas existia um espaço na parte de cima, bem no meio com um deus , para aquela casa.
Em cada esquinas, ruas ou praças existiam altares dedicados a deuses.
Esta cidade da Grécia, era conhecida como uma cidade universitária onde havia muitas escolas filosóficas.
Ali também nos chamados areópagos, os sábios, os filósofos, os políticos, se reuniam para discutir e tentar entender  toda e qualquer questão. 
Foi nesta famosa cidade dos sábios gregos, que Paulo vendo um altar sem um deus especifico, aproveitou para pregar.
Os epicureus: Fundada por Epicuro, ensinava que a vida deve ser vivida com o máximo de satisfação e prazer, afastando toda e qualquer forma de sofrimento. Eram extremamente materialistas, e tinham como palavra de ordem, "viva o agora".
Os estóicos: Fundada por Zenão, Eles ensinavam que a razão de tudo é o universo, e que as pessoas são parte desta razão universal; e que Tudo era regido pela natureza e por isso o homem deveria aceitar seu destino. Eram insensíveis a tudo.
Areópago: Lugar onde os sábios, letrados, políticos, intelectuais, etc, se reuniam para discutir e conferenciar acerca de diversos assuntos. Era usado como tribunal supremo de Atenas, composto por 31 membros, aristocratas, encarregados de julgar questões criminais graves. Ficou conhecido como lugar de equidade e sabedoria.
Quando os atenienses ouviram Paulo pregar acerca de Jesus e da ressurreição, eles não entenderam e uns perguntavam:  Que quer dizer este paroleiro? Enquanto outros diziam: Parece que é pregador de deuses estranhos. Querendo eles entender melhor o que Paulo pregava, o levaram para o Areópago. E estando Paulo no meio do Areópago, disse: Varões atenienses, em tudo vos vejo um tanto supersticiosos; porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. esse, pois, que vós honrais não o conhecendo é o que eu vos anuncio. Paulo foi criativo e usou o tema de um dos altares, e anunciou Jesus. Resultado: Uns escarneceram, outros ficaram indiferentes (indecisos); mas outros aceitaram. Dionísio, o areopagita (membro do Areópago) e uma mulher chamada Dâmaris, e outros atenienses, creram. Hoje não é diferente, O DEUS DESCONHECIDO (JESUS), precisa ser anunciado para muitas pessoas que ainda não lhe conhece, sendo necessário crer nele, para serem libertas e perdoadas. Amém.

AS TRÊS FONTES DE CONHECIMENTO:

O conhecimento é algo inerente ao ser humano, é impossível viver sem o conhecimento. Desde das épocas remotas o homem vive em busca de conhecimento, o mundo moderno facilitou a vida das pessoas, devido ao aperfeiçoamento e desenvolvimento do conhecimento científico e tecnológico. O homem se sente seguro, confiável e confortável naquilo que ele conhece. O conhecimento também gera fé, a bíblia diz: De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus (Rm.10.17). A falta de conhecimento pode levar a destruição. A palavra de Deus afirma: O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento (Os.4.6). Deus quer que o seu povo tenha conhecimento, ele quer que o homem lhe conheça, e é preciso buscar esse conhecimento; a sua palavra nos diz: Conheçamos e prossigamos em conhecer o SENHOR (Os.6.3). Deus se tornou conhecido a medida em que ele foi se revelando para o homem. O conhecimento tem sua origem em três fontes básicas, são elas:

1. TRADIÇÃO.

O conhecimento tradicional ou empírico, é o conhecimento adquirido através da experiência humana, e que vem sendo observado e praticado por muitas gerações. Muitas vezes esse conhecimento é válido por ser comprovado cientificamente. Por exemplo: Antes, no tempo de nossos avós, as pessoas tomavam chá de camomila para se acalmar. Anos depois foi comprovado cientificamente que camomila é um calmante natural. Portanto, conhecimento empírico é a sabedoria do povo. Ás vezes esse conhecimento não é comprovado pela ciência, e pode ser um pré conceito. Sendo o conhecimento empírico adquirido de forma popular, através da mera observação e com base em deduções simples, é por vezes passível de erro. Por exemplo, durante muitos séculos, aceitou-se como fruto do conhecimento empírico que o Sol rodava em torno da Terra, tendo a ciência mais tarde vindo a demonstrar que, contrariamente ao que possa indicar a nossa percepção é, na realidade, a Terra que roda em torno do Sol.

2. RAZÃO.

É o conhecimento desenvolvido através da capacidade de raciocínio, de extrair conclusões pelo pleno exercício do intelecto. Na antiguidade os racionalistas eram contrários a revelação e a fé. O racionalismo procura a valorização da razão enquanto instrumento de conhecimento, se desligando das justificativas feitas pela religião, apenas aceitando a verdade através dos resultados feitos pela investigação e demonstração. O saber passar a ser adquirido pela experiência devido a utilização da ciência e da técnica.
Dentro da visão do senso comum, a ciência busca compreender a realidade de maneira racional, o que permite prever os acontecimentos e agir sobre a natureza, utilizando métodos rigorosos e atingindo um tipo de conhecimento sistemático, preciso e objetivo.  A ciência tem como objetivo estabelecer aplicações no mundo, apesar do rigor do método a ciência não é um conhecimento extremamente certo e definitivo, ela segue a evolução e o desenvolvimento humano, estando sempre em constante evolução.

3. REVELAÇÃO. 

É o conhecimento outorgado ao homem, através do ato Divino de comunicar aquilo que de outra maneira ele nunca poderia saber.
A revelação é o ato de revelar ou desvendar ou tornar algo claro e compreensível por meio de uma comunicação ativa ou passiva com a Divindade. A Revelação pode originar-se diretamente de Deus ou agente por ele enviado, como um anjo, ou alguém que tenha experimentado tal contato, denominado profeta. A bíblia nos diz: Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo filho (Hb.1.1).

TRÊS FONTES DA REVELAÇÃO DE DEUS:

1. A  NATUREZA.

A natureza nos revela um Deus criador, dotado de inteligência e sabedoria, capaz de criar, sustentar e prover todas as coisas para os homens e animais por ele criados. Está escrito: Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anunciam a obra de suas mãos (Sl.19.1).

2. A  ESCRITURA.

As escrituras sagradas, nos revela a pessoa de Deus e sua multiforme sabedoria. É através das escrituras sagrada, que é a palavra de Deus, que o homem pode ter um conhecimento básico de um Deus que é infinito e incompreensível na sua plenitude. Está escrito: Conheçamos e prossigamos em conhecer o SENHOR (Os.6.3).

3. JESUS CRISTO.

Jesus Cristo, foi a revelação mais palpável e visível da Divindade para os homens aqui na terra. O apóstolo Paulo nos diz, que ele é a imagem do Deus invisível (Cl.1.15). O escritor aos hebreus nos diz, que ele é o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa ( Hb.1.3). Jesus Cristo, ele é Deus. Está escrito: No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus (Jo.1.1).

TRÊS NECESSIDADES DO HOMEM CONHECER A DEUS:

1. ESPIRITUAL (do espírito).

Sendo o homem um ser religioso, pelo fato de Deus ter soprado nele o fôlego da vida, ele vive em busca de respostas e tem sede de se relacionar e conhecer a Deus. Essa necessidade espiritual do homem, só é suprida através do Senhor e Salvador Jesus Cristo. Ele disse: Se alguém tem sede, que venha a mim e beba. Quem crê em mim, como diz a escritura, rios de água viva correrão do seu ventre (Jo.7.37,38).

2. EMOCIONAL (da alma).

A alma é o centro das emoções, e o ser humano vive em busca de emoções. Porém a alma humana sente sede de Deus, e quer conhecer a Deus. O salmista disse: Como o cervo anela pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus? (Sl.42.1,2). 

3. RACIONAL ( da mente).

Na sua mente o homem busca a razão da existência das coisas, inclusive da sua existência. Na sua razão, no seu raciocínio, o homem busca entender e procura conhecer a causa da existência do Deus criador de todas as coisas. A mente humana muitas vezes por não encontrar respostas, ela chega a ficar perturbada. Porém a palavra de Deus nos diz: Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti (Is.26.3). O homem para conhecer e experimentar a vontade de Deus, ele precisa ter uma mente transformada (Rm.12.2).

Conclusão: Que o Deus desconhecido, seja revelado e se torne conhecido na vida de muitos. Tal como Dionísio, o areopagita, e Dâmaris, e outros atenienses que creram e se converteram ao Senhor Jesus, pela pregação de Paulo, assim seja conhecido o Senhor Jesus Cristo, na vida de milhões de pessoas, através da pregação do evangelho.