sábado, 25 de janeiro de 2014

INVEJA, O DESGOSTO PELA FELICIDADE ALHEIA

O furor é cruel e a ira destruidora, mas quem resistirá diante da inveja? (Provérbios, 27.4).

Inveja, palavra proveniente do latim invidĭa, significa o desejo de obter algo que outra pessoa possui e que você não tem. Representa a tristeza ou o pesar pelo sucesso do outro. Vivemos em um mundo cheio de pessoas invejosas; muitas pessoas não se conformam com o que tem e nem com o que são e querem possuir o que os outros tem. A inveja é um Sentimento de cobiça à vista da felicidade, da superioridade de outrem. Ter inveja de alguém é uma Sensação ou vontade indomável de possuir o que pertence a outra pessoa. Por exemplo: Tem mulher que tem inveja do marido da outra; tem gente que tem inveja da beleza do outra; tem empregado que tem inveja do seu chefe; tem pessoas que tem inveja dos vizinhos: Dos objetos, dos bens, das posses, do carro, da casa, e até da família de um modo geral. Há um ditado popular que diz: Inveja é a falta de capacidade. A bíblia diz: O coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é a podridão dos ossos (Pv.14.30). Ou seja, a inveja corrói como o câncer. Tem muita gente doente, morrendo de inveja dos outros, perdendo o seu tempo cobiçando o que outro tem e até desejando-lhe o mal. Muitos são vítimas de inveja e não percebem. A inveja é um mal silencioso que surge muitas vezes por parte de pessoas que está ao nosso lado e que se diz ser nosso amigo (a). O grande problema é quando o invejoso se torna uma pessoa compulsiva é quer a qualquer custo possuir aquele objeto de sua cobiça. Foi por causa da inveja que Caim matou seu irmão Abel. Ele se preocupou com o sucesso e aceitação de Abel diante de Deus, em vez de procurar fazer o seu melhor para Deus. A inveja é um dos sentimentos que faz parte da vida daqueles que não nasceram de novo. Um verdadeiro filho de Deus, não vive com um sentimento de cobiça, invejando a vida dos outros.

CINCO CARACTERÍSTICAS QUE IDENTIFICAM UMA PESSOA INVEJOSA:

1. É TRAIDORA.
Até o meu próprio amigo íntimo, em quem eu tanto confiava, que comia do meu pão, levantou contra mim o seu calcanhar (Sl.41.9).
Pois não era um inimigo que me afrontava; então eu o teria suportado; nem era o que me aborrecia que se engrandecia contra mim, porque dele me teria escondido, mas eras tu, homem meu igual, meu guia e meu íntimo amigo. Praticávamos juntos suavemente, e íamos com a multidão à casa de Deus (Sl.55.12-14).

2. É INCONSTANTE.
O verdadeiro amigo não é invejoso nem inconstante.
Em todo tempo ama o amigo; e na angústia nasce o irmão (Pv.17.17).

3. É FINGIDA.
Diz que ama e que é amigo, mas é só de aparência.
O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem. Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros (Rm.12.9,10).

4. É MALICIOSA.
Ela procura utilizar meios e artifícios para impedir e destruir todos os planos e sonhos dos outros.
Firmam-se em mau intento; falam de armar laços secretamente e dizem: Quem nos verá? Fazem indagações maliciosas, inquirem tudo o que se pode inquirir; até o íntimo de cada um e o profundo coração (Sl.64.5,6).

5. É ENGANADORA.
Vive uma vida de engano, aparenta ser uma pessoa de caráter, mas é pura hipocrisia.
Diz que é amiga, que admira, que é fã, mas é tudo um engano. 
Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te (2Tm.3.5).

CONCLUSÃO:
Inveja é uma das manifestações das obras da carne, quem tem este sentimento mesquinho é simplesmente uma pessoa insegura, fraca e incapaz. Uma pessoa invejosa é incapaz de ver a felicidade dos outros. 
Há uma frase que diz: Feliz é aquele que vê a felicidade dos outros sem ter inveja. O sol é para todos e a sombra para quem merece.

domingo, 19 de janeiro de 2014

PAZ, UM TESOURO INCOMPARÁVEL.

Texto básico: Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize. Jo.14.27.

Introdução: O mundo não tem paz. A paz é o que o homem menos tem, a paz é o que a humanidade mais precisa. Então quando se fala de paz, os chefes e lideres de governos fazem reunião e sentam as mesas redondas para fazerem conferências acerca da paz. Eu li nos livros históricos, que quando terminou a primeira guerra mundial em (1914-1918), os lideres de governo se reuniram e criaram a liga das nações unidas, e declararam que jamais haveria outra guerra mundial. Mas, não foi verdade; vinte anos depois estourou a segunda guerra mundial (1939-1945). No final da guerra, em 1945, eles se reuniram e criaram a O.N.U. (Organização das nações unidas), e declararam que o mundo desfrutaria uma paz mundial e que jamais haveria outra guerra. Mas, desde esta época até os dias atuais nós temos visto muitas guerras e guerrilhas no mundo todo, e a humanidade se apavora só em pensar em uma possível terceira guerra mundial. A paz verdadeira não é simplesmente a ausência da guerra, porque a paz que vem de Deus, é de dentro para fora. Só o verdadeiro cristão pode desfrutar desta paz. A paz que Jesus nos oferece não é uma paz superficial, momentânea e passageira. A paz que Jesus nos oferece, não tem a sua origem nas drogas, nem em métodos terapêutíco, nem nas filosofias dos homens, mas esta paz tem a sua origem em Deus. A paz de Deus ela excede a todo o entendimento (Filipenses,4.7). Mesmo que as circunstâncias sejam desfavoráveis o verdadeiro cristão pode desfrutar dessa paz. Esta paz é capaz de preparar o crente para enfrentar a morte. Eu já vi um ímpio morrer, e a morte do ímpio é terrível. Mas eu já vi um crente em Jesus morrer, parti ao encontro de Deus, junta as suas mãos a dos anjos e ser transportado para o Paraíso. Esta paz que é imensurável, incompreensível e também incomparável, só pode ser encontrada na pessoa de Jesus Cristo. Ele é o príncipe da paz, ele tem a regência e o reinado, e o seu governo de paz não terá fim. Amém!

A PAZ EM TRÊS DIMENSÕES:

Paz com Deus.
Sendo, pois justificados pela fé, temos paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo (Rm.5.1).

Paz em nós.
E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus (Fp.4.7).

Paz com o próximo.
Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor (Hb.12.14).

CINCO CARACTERÍSTICAS DA PAZ VERDADEIRA.

O mundo oferece uma falsa paz. A paz que o mundo oferece é uma paz artificial, momentânea e passageira. A paz verdadeira vem de Deus, e está na pessoa de Jesus Cristo, e todos quantos lhe aceitam como único e suficiente Salvador, podem desfrutar dessa paz.

1. Ela tem sua origem em Deus.
E a paz de Deus, que excede todo entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus (Fp.4.7).

2. Ela está em Jesus Cristo.
Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhas paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo (Jo.16.33).

3. Ela é permanente.
Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti. Confiai na SENHOR perpetuamente; porque o SENHOR Deus é uma rocha eterna (Is.26.3,4).

4. Ela é eficaz.
Se for possível, quando estiver em vós, tende paz com todos os homens. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem (Rm.12.18,21).

5. Ela é abundante.
Muita paz têm os que amam a tua lei, e para eles não há tropeço (Sl.119.165). 

Conclusão: Paz para os cristãos não é uma química feita num laboratório, nem o resultado de técnicas psiquiátricas e nem o efeito de drogas, nem pratica de ioga; mas é um presente de Deus através de Jesus Cristo, só Ele pode te dar. Não gaste dinheiro e tempo em coisas que não promovem a paz verdadeira. Aceite a graça divina que é o único meio de apaziguar a tua alma.
Deixe a graça divina te envolver a fim de te libertar da escravidão do pecado e promover a paz em teu coração. Amém!

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

CURIOSIDADES BÍBLICA.

A bíblia é um livro perfeito e completo, neste livro nós encontramos assuntos relacionados a matemática, português, história, geografia, ciências, poesia, sociologia, biologia, filosofia e muitos outros assuntos, principalmente teologia. Temos na bíblia muitos fatos curiosos e muitos detalhes que muitas vezes lemos e não percebemos. Neste estudo mostraremos o máximo possível sobre curiosidades bíblica. Uma das grandes curiosidades da bíblia é que ela é um livro que contém 66 livros, isto faz com que ela seja um livro diferente e curioso.

Você sabia que a bíblia faz menção a animais com características de dinossauros?
(Jó.40.15-24. Jó.41.1-34).

Você sabia que a bíblia faz menção sobre carros automotivos?
Os carros se enfurecerão nas praças, chocar-se-ão pelas ruas; o seu parecer é como o de tochas, correrão como relâmpagos (Naum 2.4).

Você sabia que a bíblia faz menção sobre o homem no espaço?
Se te elevares como águia e puseres o teu ninho entre as estrelas, dali te derrubarei, diz o SENHOR (Obadias, vers.4).

Você sabia que a bíblia faz menção a satélites?
Eis que vem com as nuvens, e todo o olho da terra o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim! Amém! (Ap.1.7).

Você sabia que a bíblia diz que a terra é redonda?
Ele é o que está assentado sobre o globo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; ele é o que estende os céus como cortina e os desenrola como tenda para neles habitar (Is.40.22).

Você sabia que a bíblia faz menção do primeiro musico?
E o nome do seu irmão era Jubal; este foi o pai de todos os que tocam harpa e órgão (Gn.4.21).

Você sabia que faz menção a imagens com características de uma televisão?
(Ez.8.8-12).

Você sabia que a bíblia faz menção das pessoas em transito e da multiplicação da ciência?
Muitos correrão de uma parte para outra, e a ciência se multiplicará (Dn.12.4).

Você sabia que a Bíblia também relatava a invenção de máquinas muito antes da Revolução Industrial?
(II Crônicas 26:15).

Você sabia que o Livro mais antigo da Bíblia não é o Gênesis, mas Jô. Acredita-se que foi escrito por Moisés, quando esteve no deserto.

Você sabia que o primeiro Salmo encontra-se em II Samuel 1:19-27, um cântico de Davi em memória de Saul e seu filho Jônatas.

Você sabia que Bíblia contém 1189 capítulos e 31102 versículos?

Você sabia que Ester 8:9 é o maior versículo da Bíblia?

Você sabia que no livro de Ester e no livro de Cantares não se encontra a palavra Deus?

Você sabia que o Antigo Testamento termina com uma maldição, e o Novo Testamento termina com uma bênção?

Você sabia que o último livro da Bíblia a ser escrito foi III São João?

Você sabia que há 3573 promessas na Bíblia?

Você sabia que o livro de Isaías assemelha-se a uma pequena Bíblia: contém 66 capítulos; os primeiros 39 falam da história passada, e os 27 restantes apresentam promessas do futuro?

Você sabia que dos quatro evangelistas só dois andaram com Jesus; Marcos e Lucas não foram seus discípulos?

Você sabia que todos os versos do Salmo 136 terminam com o mesmo estribilho: “Porque a Sua misericórdia dura para sempre?”
 
Você sabia que Judas foi o único dos doze apóstolos que não era Galileu?

Você sabia que João era o discípulo mais jovem dos doze?

Você sabia que os versículos 8, 15, 21 e 31 do Salmo 107 são iguais. Bem como os versículos 6, 13, 19, e 28?

Você sabia que o Salmo 14 é idêntico ao 53? 

Você sabia que o capítulo 19 de II Reis é igual ao 37 de Isaías?

Você sabia que Ló era o pai de Moabe e Bem-ami, e também o avô dos dois porque “as duas filhas de Ló conceberam do próprio pai”? (Gen. 19:36-38)

Você sabia que 42 mil pessoas perderam a sua vida por não saberem pronunciar a palavra Shiboleth ? (Juízes 12:5, 6)

Você sabia que Adão não teve sogra?
 
Você sabia que a única idade de mulher que se menciona na Bíblia é a de Sara? (Gên. 23:1).

Você sabia que a primeira cirurgia foi realizada por Deus, quando tirou uma costela de Adão?
(Gên. 2:21,22)

Você sabia que além de Jesus, Elias e Moisés foram os únicos homens que jejuaram 40 dias e 40 noites.
(I Reis 19:8 e Deut. 9:9)

Você sabia que a arca de Noé tinha três andares? (Gên. 6:16)

Você sabia que o Salmo 119 é o mais longo da Bíblia. Os 176 versículos acham-se divididos em 22 seções de oito versos cada uma, correspondendo a cada uma das letras do alfabeto hebraico.

Você sabia que em Gate houve um homem de grande estatura, que tinha 6 dedos em cada mão e em cada pé. (II Samuel 21:20)
 
Você sabia que dos números que mais aparece na Bíblia é o 7. E entre os Hebreus este número era considerado sagrado e símbolo da perfeição?

Você sabia que o sábio Salomão escreveu três mil provérbios?
(1Reis 4.32)
Você sabia que a operação matemática mais rendosa foi efetuada por Jesus quando multiplicou 5 pães e 2 peixes para alimentar a mais de cinco mil pessoas e ainda sobraram 12 cestos cheios?

Você sabia que Tiago, filho de Zebedeu, foi o primeiro dos apóstolos a morrer por sua fé. Foi decapitado a espada por ordem do rei Herodes Agripa I, por volta do ano 44 de nossa era? (At.12.1,2).

Você sabia que o verdadeiro nome de Barnabé é José, e foram os apóstolos que lhe deram este nome por ele ter o dom de consolar as pessoas? (At.4.36).

Você sabia que a primeira citação da redondeza da terra confirmava a ideia de Galileu, de um planeta esférico estava na bíblia? Bastava que os descobridores conhecessem a bíblia. (Isaías 40:22)

Você sabia que Davi, além de poeta, músico e cantor foi o inventor de diversos instrumentos musicais? (Amós 6:5)

Você sabia que o nome “cristão” só aparece três vezes na Bíblia?
(Atos 11:26, Atos 26:28 e I Pedro 4:16)

Você sabia que a “Epístola da Alegria” a carta de Paulo aos Filipenses, foi escrita na prisão e as expressões de alegria aparecem 21 vezes na epístola?

Você sabia que o trânsito pesado e veloz, os cruzamentos e os faróis acesos aparecem descritos exatamente como nos dias de hoje? (Naum 2:4)

Você saia que a mensagem através de “out-doors” é uma citação bíblica detalhada? (Habacuque 2.2)

Você sabia que Quem cortou o cabelo de Sansão não foi Dalila, mas um homem? (Juízes 16.19)

Você sabia que o nome mais comprido e estranho de toda a bíblia é Maersalalhasbaz – filho de Isaias?(Isaías 8:3-4)

Você sabia que há na Bíblia 177 menções ao diabo em seus vários nomes?

Você sabia que Maria Madalena foi a 1ª pessoa para a qual Jesus apareceu após a sua ressurreição?(Marcos 16-9).

Você sabia que a primeira árvore que aparece na Bíblia é a Figueira. Gn 3:7

Você sabia que está escrito que Paulo tinha uma irmã? Em Atos. At 23:16

Você sabia que a "Epístola da Alegria", a carta de Paulo aos Filipenses, foi escrita na prisão, e as expressões de alegria aparecem 21 vezes na epístola.

Você sabia que o maior profeta nunca realizou um milagre, mas foi o pregador mais convincente - João Batista. João 10:41-42.

Você sabia que idéia organizacional é bíblica e foi implantada por Moisés no deserto sob a orientação de um sacerdote - Êxodo 18:13-26.

Você sabia que o nascimento de uma menina tinha o dobro do "Resguardo" do que um menino - Levítico 12:2/5.

Você sabia que havia 700 homens canhotos atiravam pedras com uma funda e acertavam num fio de cabelo sem errar - Juízes 20:16.

Você sabia que a palavra "Hebraico" vem de "Hebrom", região de Canaã que foi habitada pelo patriarca Abraão em sua peregrinação, vindo da terra de Ur.

Você sabia que o homem que viveu por mais tempo na face da Terra foi, Matusalém, que morreu com 969 anos de idade! (Gênesis 5: 25-27).

Você sabia que Absalão era o nome de um homem israelita celebrado por sua beleza (II Samuel 14-25). Dono de uma vasta cabeleira, ele cortava seus cabelos no fim de cada ano, pois os mesmos muito lhe pesavam (II Samuel 14-25,26).

Você sabia que a estatura do gigante Golias, vencido por Davi, era de seis côvados e um palmo, o que equivale a quase três metros de altura! (I Samuel 17:4).

Você sabia que Deus apareceu duas vezes ao rei Salomão (I Reis 11-9). Isto fez com que ele compusesse ao todo 1005 cânticos de louvor a Deus e escrevesse 3000 provérbios! (I Reis 4:32).

Você sabia que segundo a Bíblia, o dilúvio não foi apenas uma grande chuva, mas foi a primeira chuva que veio sobre a terra. (Gn 2:6 ; 7:4). Por causa da imensa quantidade de água despejada sobre a Terra, Noé passou 382 dias na arca com a sua família e os animais durante o dilúvio. (Gênesis 7:9-11.8.13-19).

Você sabia que o rei Ezequias teve sua vida aumentada por 15 anos, tendo sido curado usando métodos medicinais. (II Reis 20.1-7). Em contrapartida, o Rei Asa morreu porque buscou mais aos médicos do que a Deus.(II Crônicas 16.12).

Você sabia que o primeiro aposentado que relata a Bíblia foi o Rei Joaquim.
(Jeremias 52.31- 34).

domingo, 5 de janeiro de 2014

MARANATA! O SENHOR VEM!

Eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo para dar a cada um segundo a sua obra. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, o Primeiro e o Derradeiro. Bem-aventurado aqueles que lavam as suas vestes no sangue do cordeiro, para que tenham direito à árvore da vida e possam entrar na cidade pelas portas. Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira. Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a Raiz e a Geração de Daví, a resplandecente Estrela da manhã. E o Espírito e a esposa dizem: Vem! E quem ouve diga: Vem! E quem tem sede venha; e quem quiser tome de graça da água da vida. Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente, cedo venho. Amém! ORA, VEM, SENHOR JESUS! (Ap.22.12-17,20). Se alguém não ama o Senhor Jesus Cristo, seja anátema; MARANATA! (1Co.16.22).

Maranata, é uma expressão aramaica que ocorre duas vezes na Bíblia. Primeiramente empregada pelo apóstolo Paulo na primeira epístola aos corintios capítulo 16 versículo 22 (Se alguém não ama ao Senhor, seja anátema. Maranata.), o termo é a composição de duas palavras, Maran + Athá, que dão origem à palavra Maranata e que significa "O Senhor vem!" ou ainda "Nosso Senhor vem!". No desfecho do livro do Apocalipse, a mesma expressão é utilizada como uma oração ou pedido, desta feita na língua grega, e traduzida por: “ Ora, vem, Senhor Jesus”. A palavra era usada como uma "senha" entre os cristãos da igreja primitiva, e provavelmente foi neste sentido usada pelo Apóstolo Paulo. Os cristãos do primeiro século usavam esta expressão, maran- atha como saudação ao encontrava-se com outro. Eles viviam uma expectativa de que a volta de Jesus seria iminente (poderia acontecer a qualquer momento), por isso eles falavam esta palavra como expressão de fé e esperança. Pensando nisso, podemos refletir: Se os cristãos do primeiro século usavam este termo como saudação, e viviam na  expectativa da volta de Jesus, imagine nós, a igreja hoje. E se Jesus voltasse hoje? você estaria preparado?

SETE MOTIVOS QUE PODEM DEIXAR AS PESSOAS FORA DO CÉU:

O texto bíblico diz: Se alguém não ama o Senhor Jesus Cristo, seja anátema; maranata! Ou seja, será amaldiçoado na volta de Jesus. Para alguém usar esta expressão "maranata" com convicção, é preciso confessar a Jesus Cristo, como único e suficiente Salvador e Senhor da sua vida e viver em comunhão com Ele.

1. NÃO CRER EM JESUS.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito filho de Deus (Jo.3.16-18).

2. NÃO CONFESSÁ-LO COMO SENHOR E SALVADOR.

Disse Jesus: Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus (Mt.10.32,33).

3. NÃO TER COMUNHÃO COM JESUS.

Jesus disse: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus (Jo.3.3).
As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhe a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém pode arrebatá-las das minhas mãos (Jo.10.27,28).

4. NÃO DAR CRÉDITO A PALAVRA DE DEUS.

Jesus disse: Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito, pois vou preparar-vos lugar. E se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que, onde eu estiver, estejais vós também (Jo.14.1-3).

5. NÃO ACREDITAR NA VOLTA DE JESUS.

Sabendo primeiro isto: Que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde que os pais morreram todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos, como um dia. O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se (2Pe.3.3,4,8,9).

6. VIVER NA PRÁTICA DO PECADO.

Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e pratica a mentira (Ap.22.15). Não erreis: Nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o Reino de Deus (1Co.6.10).

7. VIVER COMO CRENTE DESPREPARADO (SÓ DE APARÊNCIA).

"O Reino dos céus será, pois, semelhante a dez virgens que pegaram suas candeias e saíram para encontrar-se com o noivo. Cinco delas eram insensatas, e cinco eram prudentes. As insensatas pegaram suas candeias, mas não levaram óleo. As prudentes, porém, levaram óleo em vasilhas, junto com suas candeias. O noivo demorou a chegar, e todas ficaram com sono e adormeceram. "À meia-noite, ouviu-se um grito: 'O noivo se aproxima! Saiam para encontrá-lo!' "Então todas as virgens acordaram e prepararam suas candeias. As insensatas disseram às prudentes: 'Deem-nos um pouco do seu óleo, pois as nossas candeias estão se apagando'. "Elas responderam: 'Não, pois pode ser que não haja o suficiente para nós e para vocês. Vão comprar óleo para vocês'. "E saindo elas para comprar o óleo, chegou o noivo. As virgens que estavam preparadas entraram com ele para o banquete nupcial. E a porta foi fechada. "Mais tarde vieram também as outras e disseram: 'Senhor! Senhor! Abra a porta para nós!' "Mas ele respondeu: 'A verdade é que não as conheço!' "Portanto, vigiem, porque vocês não sabem o dia nem a hora em que o filho do homem há de vir! (Mt.25.1-13). Maranata! Vem Senhor Jesus. Amém!

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

O PRÍNCIPE DOS PREGADORES.

                                   CHARLES SPURGEON                                               

Charles Haddon Spurgeon, comumente referido como C. H. Spurgeon (Kelvedon, Essex, 19 de junho de 1834 — Menton, 31 de janeiro de 1892), foi um pregador batista reformado britânico.
Converteu-se ao cristianismo em 6 de janeiro de 1850, aos quinze anos de idade. Aos dezesseis, pregou seu primeiro sermão; no ano seguinte tornou-se pastor de uma igreja batista em Waterbeach, Condado de Cambridgeshire (Inglaterra). Em 1854, Spurgeon, então com vinte anos, foi chamado para ser pastor na capela de New Park Street, Londres, que mais tarde viria a chamar-se Tabernáculo Metropolitano, transferindo-se para novo prédio. Desde o início do ministério, seu talento para a exposição dos textos bíblicos foi considerado extraordinário. E sua excelência na pregação nas Escrituras Bíblicas lhe deram o título de O Príncipe dos Pregadores e O Último dos Puritanos.
 
No período da Inquisição, na Espanha, sob o reinado do imperador Carlos V, um número elevadíssimo de crentes foram queimados em praça pública ou enterrados vivos. O filho de Carlos V, Filipe II, em 1567, levou a perseguição aos Países Baixos, declarando que ainda que lhe custasse mil vezes a sua própria vida, limparia todo o seu domínio do "protestantismo". Antes da sua morte gabava-se ter mandado ao carrasco, pelo menos, 18.000 "hereges".
Ao começar esse reinado de terror nos Países Baixos, muitos milhares de crentes fugiram para a Inglaterra. En­tre os que escaparam do "Concilio de Sangue", encontra­va-se a família Spurgeon.
Na Inglaterra, o povo de Deus, contudo, não estava li­vre de toda a perseguição "passando a maior parte do tem­po sentado, por se achar fraco demais para se deitar". Os bisavôs de Charles eram crentes fervorosos, criando os filhos na admoestação do Senhor. Seu avô paterno, depois de quase cinqüenta anos de pastorado no mesmo lugar, podia dizer: "Não passei nem uma hora triste com a minha igreja depois que assumi o cargo de pastor!" O pai de Charles, Tiago Spurgeon, era o amado pastor de Stambourne.

Charles, quando ainda criança, interessava-se pela lei­tura de "O Peregrino", pela história dos mártires e por di­versas obras de teologia. É impossível calcular a influência dessas obras sobre a sua vida.
Que era precoce nas coisas espirituais, vê-se no seguin­te acontecimento: Apesar de criança de apenas cinco anos de idade, sentiu profundamente o cuidado do avô, por cau­sa do procedimento de um dos membros da igreja, chama­do "Velho Roads". Certo dia, Charles, a criança, encontran­do Roads em companhia de outros fumando e bebendo cer­veja, dirigiu-se a ele, dizendo: "Que fazes aqui, Elias?" O "Velho Roads" arrependido, contou, então, ao seu pastor, como a princípio se irou com a criança, mas por fim ficou quebrantado. Desde aquele dia, o "Velho Roads" andou sempre perto do Salvador.

Quando Charles era ainda pequeno, foi por Deus con­vencido do pecado. Durante alguns anos sentia-se uma criatura sem esperança e sem conforto; visitava um lugar de culto após outro, sem conseguir saber como podia li­vrar-se do pecado. Então, quando tinha quinze anos de idade, aumentou nele o desejo de ser salvo. E aumentou de tal forma, que passou seis meses agonizando em oração. Nesse tempo assistiu a um culto numa igreja; nesse dia, o pregador não fora ao culto, por causa duma grande tem­pestade de neve. Na falta do pastor, um sapateiro se levan­tou para pregar às poucas pessoas presentes, e leu este tex­to: "Olhai para mim e sede salvos, todos os confins da ter­ra" (Isaías 45.22). O sapateiro, inexperiente na arte de pre­gar, podia apenas repetir a passagem e dizer: "Olhai! Não vos é necessário levantar um pé, nem um dedo. Não vos é necessário estudar no colégio para saber olhar; nem contri­buir com mil libras. Olhai para mim, não para vós mes­mos. Não há conforto em vós. Olhai para mim, suando grandes gotas de sangue. Olhai para mim, pendurado na cruz. Olhai para mim, morto e sepultado. Olhai para mim, ressuscitado. Olhai para mim, à direita de Deus". Em se­guida, fitando os olhos em Charles, disse: "Moço, tu pareces ser miserável. Serás infeliz na vida e na morte se não obedeceres". Então gritou ainda mais: "Moço, olha para Je­sus! Olha agora!" O rapaz olhou e continuou a olhar, até que por fim, um gozo indizível entrou na sua alma.
O recém-salvo, ao contemplar o constante zelo do Ma­ligno, foi tomado pela aspiração de fazer todo o possível para receber o poder divino, para frustrar a obra do inimigo do bem. Spurgeon aproveitava todas as oportunidades para distribuir folhetos. Entregava-se de todo o coração a ensinar na Escola Dominical, onde alcançou, de início, o amor dos alunos e, por intermédio desses a presença dos pais na escola. Com a idade de dezesseis anos começou a pregar. Acerca desse fato ele disse: "Quantas vezes me foi concedido o privilégio de pregar na cozinha duma casa de agricultor, ou num celeiro!"

Alguns meses depois de pregar seu primeiro sermão, foi chamado a pastorear a igreja em Waterbeach. Ao fim de dois anos, essa igreja de quarenta membros, passou a ter cem. O jovem pregador desejava educar-se e o diretor duma escola superior, que estava de visita à cidade, mar­cou uma hora para tratar com ele acerca desse assunto. A criada, porém, que recebeu Charles, por descuido, não cha­mou o professor e este saiu sem saber que o moço o espera­va. Depois, Carlos, já na rua, um tanto triste, ouviu uma voz dizer-lhe: "Buscas grandes coisas para ti? Não as bus­ques!" Foi então , ali mesmo que abandonou a idéia de es­tudar nesse colégio, convencido de que Deus o dirigia para outras coisas. Não se deve concluir, contudo, que Charles Spurgeon resolveu não se educar. Depois disso, ele apro­veitava todos os momentos livres para estudar. Diz-se que alcançou fama de ser um dos homens mais instruídos de seu tempo.
Spurgeon havia pregado em Waterbeach apenas du­rante dois anos quando foi chamado a pregar na Park Street Chapei, em Londres. O local era inconveniente para os cultos, e o templo, que tinha assentos para mil e duzen­tos ouvintes, era demasiado grande para os auditórios. Contudo, "havia ali um grupo de fiéis que nunca cessaram de rogar a Deus um glorioso avivamento". Este fato é as­sim registrado nas palavras do próprio Spurgeon: "No iní­cio, eu pregava somente a um punhado de ouvintes. Con­tudo, não me esqueço da insistência das suas orações. Às vezes parecia que rogavam até verem realmente presente o Anjo do Concerto (Cristo), querendo abençoá-los. Mais que uma vez nos admiramos com a solenidade das orações até alcançarmos quietude, enquanto o poder do Senhor nos sobrevinha... Assim desceu a bênção, a casa se encheu de ouvintes e foram salvas dezenas de almas!"

Sob o ministério desse moço de dezenove anos, a con­corrência aumentou em poucos meses a ponto de o prédio não mais comportar as multidões; centenas de ouvintes permaneciam na rua para aproveitar as migalhas que caíam do banquete que havia dentro da casa.
Foi resolvido reformar a New Park Street Chapei e, du­rante o tempo da obra, realizavam-se os cultos em Exeter Hall, prédio que tinha assentos para quatro mil e quinhen­tos ouvintes. Aí, em menos que dois meses, os auditórios eram tão grandes, que as ruas, durante os cultos, se torna­vam intransitáveis.
Quando voltaram para a Chapei, o problema, em vez de ser resolvido, era maior; três mil pessoas ocupavam o espaço preparado para mil e quinhentas! O dinheiro gasto, que alcançou uma elevada quantia, fora desperdiçado! Tornou-se necessário voltar para o Exeter Hall.
Mas nem o Exeter Hall comportava mais os auditórios e a igreja tomou uma atitude espetacular - alugou o Surrey Music Hall, o prédio mais amplo, imponente e magnífico de Londres, construído para diversões públicas.
As notícias, de que os cultos passaram do Exeter Hall para Surrey Music Hall, eletrificaram toda a cidade de Londres. O culto inaugural foi anunciado para a noite de 19 de outubro de 1856. Na tarde do dia marcado, milhares de pessoas para lá se dirigiram para achar assento. Quan­do, por fim, o culto começou, o prédio no qual cabiam 12.000 pessoas, estava superlotado e havia mais 10.000 fora que não puderam entrar.

No primeiro culto em Surrey Music Hall, notaram-se vestígios da perseguição que Spurgeon tinha de encarar.Ele estava orando, e depois da leitura das Escrituras, os inimigos da obra de Deus se levantaram, gritando: 'Togo! Fogo!" Apesar de todos os esforços de Spurgeon e de outros crentes, a grande massa de gente alvoroçou-se e movimen­tou-se em pânico, de tal modo que sete pessoas morreram e vinte e oito ficaram gravemente feridas. Depois que tudo serenou, acharam-se espalhados em toda a parte do pré­dio, roupas de homens e senhoras; chapéus, mangas de vestidos, sapatos, pernas de calças, mangas e paletós, xales, etc., objetos esses que os milhares de pessoas aflitas deixaram, na luta para escapar do prédio. Spurgeon com­portou-se com a maior calma durante todo o tempo da in­descritível catástrofe, mas depois passou dias prostrado, sofrendo em conseqüência do tremendo choque.

As notícias sobre as trágicas ocorrências durante o pri­meiro culto em Surrey Music Hall, em vez de prejudica­rem a obra, concorreram para aumentar o interesse pelos cultos. De um dia para outro Spurgeon, o herói do Sul de Londres, tornou-se um vulto de projeção mundial. Aceitou convites para pregar em cidades da Inglaterra, Escócia, Ir­landa, Gales, Holanda e França. Pregava ao ar livre e nos maiores edifícios, em média oito a doze vezes por semana.
Nesse tempo, quando ainda moço, revelou como conse­guia entender, nas Escrituras, os textos difíceis, isto é, simplesmente pedia a Deus: - "Ó Senhor, mostra-me o sentido deste trecho!" E acrescentou: "É maravilhoso como o texto, duro como a pederneira, emite faíscas quan­do batido com o aço da oração." Quando mais velho, disse: "Orar acerca das Escrituras, é como pisar uvas no lagar, trilhar trigo na eira, ou extrair ouro do minério."

Acerca da vida familiar, Susana, a esposa de Spurgeon, assim escreveu: "Fazíamos culto doméstico, quer hospeda­dos em um rancho nas serras, quer num suntuoso quarto de hotel na cidade. E a bendita presença de Cristo, que muitos crentes dizem impossível alcançar, era para ele a atmosfera natural; ele vivia e respirava nele (em Deus).
Antes de iniciar a construção do famoso templo em Londres, o Metropolitan Tabernacle, Spurgeon, com al­guns dos seus membros, se ajoelharam no terreno entre as pilhas de materiais e rogaram a Deus que não permitisse que trabalhador algum morresse ou ficasse ferido durante a execução das obras de construção. Deus respondeu mara­vilhosamente, não deixando acontecer qualquer acidente durante o tempo da construção do imponente edifício que media oitenta metros de comprimento, vinte e oito de lar­gura e vinte de altura.
A igreja começou a edificar o tabernáculo com o alvo de liquidar todas as dívidas de materiais e pagar toda a mão-de-obra antes de findar a construção. Como de costume, pediram a Deus que os ajudasse a realizar esse desejo, e tudo foi pago antes do dia da inauguração.
"O Metropolitan Tabernacle foi acabado em março de 1861. Durante os trinta e um anos que se seguiram, uma média de 5.000 pessoas se congregavam ali todos os domin­gos, pela manhã e à noite. De três em três meses Spurgeon pedia aos que haviam assistido neste período, que se au­sentassem. Eles assim faziam, porém, o tabernáculo era superlotado por outras pessoas das massas ainda não al­cançadas pela mensagem."

Durante certo período, pregou trezentas vezes em doze meses. O maior auditório, no qual pregou, foi no Crystal Palace, Londres, em 7 de outubro de 1857. O número exato de assistentes era de 23.654. Spurgeon esforçou-se tanto nessa ocasião, e o cansaço foi tal, que após o sermão da noi­te de quarta-feira, dormiu até a manhã de sexta-feira!
Todavia, não se deve julgar que era somente no púlpito que a sua alma ardia pela salvação dos perdidos. Também se ocupava grandemente no evangelismo individual. Nesse sentido citamos aqui o que certo crente disse a respeito de­le: "Tenho visto auditórios de 6.500 pessoas inteiramente levadas pelo fervor de Spurgeon. Mas ao lado de uma criança moribunda, que ele levara a Cristo, achei-a mais sublime do que quando dominava o interesse da multi­dão".
Parece impossível que tal pregador tivesse tempo para escrever. Entretanto os livros da sua autoria, constituem uma biblioteca de cento e trinta e cinco tomos. Até hoje não há obra mais rica de jóias espirituais do que a de Spur­geon, de sete volumes sobre os Salmos: "A Tesouraria de Davi". Ele publicou tão grande número de seus sermões,que, mesmo lendo um por dia, nem em dez anos o leitor os poderia ler todos. Muitos foram traduzidos em várias línguas e publicados nos jornais do mundo inteiro. Ele mesmo escrevia grande parte da matéria para seu jornal, "A Espada e a Colher", título este sugerido pela história da construção dos muros de Jerusalém no tempo angustioso de Neemias.
Além de pregar constantemente a grandes auditórios e de escrever tantos livros, esforçou-se em vários outros ra­mos de atividades. Inspirado pelo exemplo de Jorge Müller, fundou e dirigiu o orfanato de Stockwell. Pediam a Deus e recebiam o necessário para levantar prédio após prédio e alimentar centenas de crianças desamparadas.

Reconhecendo a necessidade de instruir os jovens cha­mados por Deus a proclamar o Evangelho, e, assim, alcan­çar muito maior número de perdidos, fundou e dirigiu o Colégio dos Pastores, com a mesma fé em Deus que mos­trou na obra de cuidar dos órfãos.
Impressionado pela vasta circulação de literatura vicio­sa, formou uma junta de vendagem de livros evangélicos. Dezenas de vendedores foram sustentados e milhares de discursos feitos, além de muitas toneladas de Escrituras e outros livros vendidos de casa em casa.
Acerca de tão estupendo êxito na vida de Spurgeon, convém notar o seguinte: Nenhum dos seus antepassados alcançou fama. Sua voz podia pregar às maiores multi­dões, mas outros pregadores sem fama gozavam também da mesma voz. O Príncipe dos Pregadores era, antes de tu­do, O Príncipe de Joelhos. Como Saulo de Tarso, entrou no Reino de Deus, também agonizando de joelhos. No caso de Spurgeon, essa angústia durou seis meses. Depois (assim aconteceu com Saulo) a oração fervorosa era um hábito na sua vida. Aqueles que assistiam aos cultos no grande Ta-bernáculo Metropolitano diziam que as orações eram a parte mais sublime dos cultos.
Quando alguém perguntava a Spurgeon a explicação do poder na sua pregação, O Príncipe de Joelhos apontava para a loja que ficava sob o salão do Metropolitan Taber­nacle e dizia: "Na sala que está embaixo, há trezentos crentes que sabem orar. Todas as vezes que prego eles se reúnem ali para sustentar-me as mãos, orando e suplican­do ininterruptamente. Na sala que está sob os nossos pés é que se encontra a explicação do mistério dessas bênçãos."

Spurgeon costumava dirigir-se aos alunos no Colégio dos Pastores desta forma: "Permanecei na presença de Deus!... Se o vosso fervor esfriar, não podereis orar bem no púlpito... pior com a família... e ainda pior nos estudos, so­zinhos. Se a alma se tornar magra, os ouvintes, sem sabe­rem como ou por quê, acharão que vossas orações públicas têm pouco sabor."
Ainda sobre a oração, sua esposa deu este testemunho: "Ele dava muita importância à meia-hora de oração que passava com Deus antes de começar o culto." Certo crente também escreveu a esse respeito: "Sente-se, durante a sua oração pública, que ele é um homem de bastante força para levar nas mãos ungidas as orações duma multidão. Isto é a idéia mais grandiosa, de sacerdote entre Deus e os homens".
Convicto do grande poder da oração, Spurgeon desig­nou o mês de fevereiro, de cada ano, no Grande Taberná­culo, para realizar a convenção anual e fazer súplicas por um avivamento na obra de Deus. Nessas ocasiões, passa­vam dias inteiros em jejum e oração, oração que se tornava mais e mais fervorosa. Não só sentiam a gloriosa presença do Espírito Santo nesses cultos, mas era-lhes aumentado o poder com frutos abundantes.

Na sua autobiografia, desde o começo do seu ministério em Londres, consta que pessoas gravemente enfermas fo­ram curadas em resposta às suas orações.
A vida de Spurgeon não era vida egoísta e de interesse próprio. Juntamente com sua esposa, fez os maiores sa­crifícios para colocar livros espirituais nas mãos de um grande número de pregadores pobres e ambos contribuíam constantemente para o sustento das viúvas e órfãos. Rece­biam grandes somas de dinheiro, mas davam tudo para o progresso da obra de Deus.
Não buscava fama nem a honra de fundador de outra denominação, como muitos amigos esperavam. A sua pre­gação nunca foi feita para sua própria glória, porém tinha como alvo a mensagem da Cruz, para levar os ouvintes a Deus. Considerava seus sermões como se fossem setas e dava todo o seu coração, empregava toda a sua força espi­ritual em produzir cada um. Pregava confiando no poder do Espírito Santo, empregando o que Deus lhe concedera para "matar" o maior número de ouvintes.
"Carlos Hadon Spurgeon recebia o fogo do Céu, estu­dando a Bíblia, horas a fio, em comunhão com Deus."
Cristo era o segredo do seu poder. Cristo era o centro de tudo, para ele; sempre e unicamente Cristo.
J. P. Fruit disse: "Quando Spurgeon orava, parecia que Jesus estava em pé ao seu lado."
As suas últimas palavras, no leito de morte, dirigidas à sua esposa, foram: "Oh! querida, tenho desfrutado um tempo mui glorioso com meu Senhor!" Ela, ao ver, por fim, que seu marido passaria para o outro lado, caiu de joe­lhos e com lágrimas exclamou. "Oh! bendito Senhor Jesus, eu te agradeço o tesouro que me emprestaste no decurso destes anos; agora Senhor, dá-me força e direção durante todo o futuro."
Seis mil pessoas assistiram ao culto de funeral. No cai­xão estava uma Bíblia aberta, mostrando este texto usado por Deus para convertê-lo: "Olhai para mim, e sede salvos, todos os confins da terra."
O cortejo fúnebre passou entre centenas de milhares de pessoas postadas em pé nas calçadas; os homens des­cobriam-se à passagem do cortejo e as mulheres choravam.
O túmulo simples do célebre Príncipe dos Pregadores, no cemitério de Norwood, testifica da verdadeira grandeza da sua vida. Ali estão gravadas estas humildes palavras:
Aqui jaz o corpo de
CHARLES HADON SPURGEON
esperando o aparecimento do seu
Senhor e Salvador
JESUS CRISTO

(extraido do livro hérois da fé)

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

PREGA A PALAVRA.

Eu te encorajo solenemente, na presença de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos, por ocasião da sua manifestação pessoal e mediante o seu reino: Prega a palavra, insiste a tempo e fora de tempo, aconselha, repreende e encoraja com toda paciência e sã doutrina. Porquanto, chegará o tempo em que não suportarão o santo ensino; ao contrário, sentindo coceira nos ouvidos, reunirão mestres para si mesmos, de acordo com suas próprias vontades. Tais pessoas se recusarão a dar ouvidos à verdade, voltando-se para os mitos. Tu, no entanto, sê equilibrado em tudo, suporta os sofrimentos, faz a obra de um evangelista e cumpre teu ministério. 2Tm.4.1-5.

Mais que um apelo, Paulo está encarregando oficialmente seu discípulo amado a dar sequência à sua missão, pois ele prever que seu tempo na terra se abrevia, e o juízo final se aproxima. A principal recomendação de Paulo ao jovem pastor Timóteo, e que ele pregue a palavra. Paulo prevê por uma visão do Espírito, que chegaria um tempo em que as pessoas não iriam suporta ouvir o verdadeiro ensino da palavra de Deus, e que estas pessoas contratariam pregadores para pregarem de acordo com suas conveniências. Infelizmente, esse tempo já chegou, estamos vivendo uma época em que muitos só querem pregar aquilo que o povo quer ouvir, ou gosta de ouvir; mas o grande desafio é, que Deus quer usar os pregadores para falar aquilo que o povo precisa ouvir. Pregadores temos muitos, pregações são as mais variadas em seus temas. Porém, a grande pergunta é, será que estas pregações tem gerado frutos de arrependimentos, salvação de almas e edificação de vidas para o reino de Deus? Muitos estão pregando o que o povo gosta de ouvir, pregam para massagear o ego dos seus ouvintes, são pregadores de auto ajuda, que estão preocupados de engordar a sua conta bancária, eles não tem compromisso com a palavra de Deus, muito menos com Deus. Mas, Deus conta com os remanescentes de pregadores, que estão dispostos a pregar a palavra com verdade. Muitos começarão bem, mas depois caíram em contradição. Hoje nós temos muitos pregadores sensacionalistas que mexe com emocional das pessoas, e são manipuladores das massas, levando as pessoas a acreditarem em tudo que eles pregam. Muitos estão vivendo da fama e do nome de pregador, mas estão pregando heresias para o povo, ao invés de pregarem a verdade. Isto é fato.

PREGADOR E PREGAÇÃO. 

Muitas de nossas pregações são práticas de oratória, porém é preciso vivermos o que pregamos, caso contrario seremos mais um hipócrita.

EXEMPLOS DE ALGUNS DOS GRANDES PREGADORES NA BÍBLIA:

PAULO. O pregador dos gentios.

Afirmo-vos a verdade, e não minto ao declarar que para isso fui designado pregador, apóstolo e mestre dos gentios na fé e na verdade. 1Tm.2.7.
E Deus, pelas mãos de Paulo, fazia maravilhas extraordinárias, de sorte que até os lenços e aventais se levavam do seu corpo aos enfermos, e as enfermidades fugiam deles, e os espíritos malignos saíam (Atos.19.11,12). E durou isto por espaço de dois anos, de tal maneira que todos os que habitavam na Ásia ouviram a palavra do Senhor Jesus, tanto judeus como gregos (At.19.10).
Tema da pregação de Paulo: Cristo. 1Co.1.23,24.

PEDRO. O pregador das multidões.

E em Jerusalém estavam habitando judeus, varões religiosos, de todas as nações que estão debaixo do céu. E, correndo aquela voz, ajuntou-se uma grande multidão e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua. Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a voz e disse-lhes: Varões judeus e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto notório, e escutai as minhas palavras. Ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, varões irmãos? E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. E com muitas outras palavras isto testificava e os exortava, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa. De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e, naquele dia, agregaram-se quase três mil almas. At.2.5,6,14,37,38,40,41.
Tema da pregação de Pedro: Jesus Nazareno. At.2.22.

FILIPE. O evangelista das cidades.

E descendo Filipe à cidade de Samaria, lhes pregava a Cristo. E as multidões unanimemente prestavam atenção ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia, pois que os espíritos imundos saíam de muitos que os tinham, clamando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos eram curados. E havia grande alegria naquela cidade. At.8.5-8.
Havendo Filipe evangelizado e batizado um homem etíope, eunuco, alto oficial, administrador de todos os tesouros de Candace, rainha dos etíopes, que tinha vindo a Jerusalém para adoração, diz a bíblia: E Filipe se achou em Azoto e, indo passando, anunciava o evangelho em todas as cidades, até que chegou a Cesaréia (At.8.40).
O escritor e médico Lucas, testifica: No dia seguinte, partindo dali Paulo e nós que com ele estávamos, chegamos a Cesaréia; e, entrando em casa de Filipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos com ele (At.21.8).
Tema da pregação de Filipe: Cristo. At.8.5.

ESTÊVÃO. O diácono pregador.

Ora, naqueles dias, crescendo o número dos discípulos, houve uma murmuração dos gregos contra os hebreus, porque as suas viúvas eram desprezadas no ministério cotidiano. E os doze, convocando a multidão dos discípulos, disseram: Não é razoável que deixemos a palavra de Deus e sirvamos às mesas. Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete varões de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio. Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra. E este parecer contentou a toda a multidão, e elegeram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo (At.6.1-5).
E Estêvão, cheio de fé e de poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. At.6.1.
Tema da pregação de Estêvão: Jesus Nazareno. At.6.14.

APOLO. O pregador eloquente.

E chegou a Éfeso um certo judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, varão eloquente e poderoso nas escrituras. Este era instruído no caminho do Senhor; e, fervoroso de espírito, falava e ensinava diligentemente as coisas do Senhor, conhecendo somente o batismo de João. Ele começou a falar ousadamente na sinagoga. Quando o ouviram, Priscila e Áquila, o levaram consigo e lhe declararam mais pontualmente o caminho de Deus. Querendo ele passar à Acaia, o animaram os irmãos e escreveram aos discípulos que o recebessem; o qual, tendo chegado, aproveitou muito aos que pela graça criam. Porque com grande veemência convencia publicamente os judeus, mostrando pelas Escrituras que Jesus era o Cristo (At.18.24-28).
Tema da pregação de Apolo: Jesus, o Cristo. At.18.28.

Conclusão: Entendemos que para cada época Deus levanta homens e os capacita para serem seus arautos, pregadores para proclamarem a palavra da verdade. No decorrer dos séculos tivemos muitos homens na história da igreja que foram verdadeiros instrumentos usados por Deus para pregarem a sua palavra. Deus nunca deixará de usar seus pregadores como instrumentos, ele tem planos e propósitos para a sua igreja e engrandecimento do seu Reino. Todavia o Espírito Santo quer usar pregadores que se dispõem a prega a palavra de Deus com sinceridade (que não seja para benefício próprio), e sem adulterá-la. O mundo está com fome e sede da palavra de Deus, mas, onde estão os pregadores? Onde estão os evangelistas deste século? Porque muitos preferem ser chamados de avivalista e não evangelista? Porque outros preferem ser chamados de preletor e palestrante ao invés de pregador da palavra. Infelizmente, muitos dos que se dizem pregadores da palavra, não estão buscando inspiração na palavra de Deus e nem orando para receberem inspiração e direção do Espírito Santo, estão pregando heresias e modismo para o povo. Mas, a voz do Espírito Santo continua soando e dizendo: Pregue a palavra! Amém!