terça-feira, 19 de maio de 2015

AS TRÊS FASES NA VIDA DO CRISTÃO.

No dia da prosperidade, goza do bem, mas, no dia da adversidade, considera; porque também Deus fez este em oposição àquele, para que o homem nada ache que tenha de vir depois dele (Ec.7.14).

Todo cristão verdadeiro passará um dia por três fases na sua vida: A fase do deserto, a fase do vale, a fase do monte. Nesta vida nós enfrentamos muitos desafios e passamos por muitas adversidades, há momentos que estamos em cima, outras vezes estamos em baixo. Há tempo de crise e tempo de bonança, há tempo de escassez e tempo de prosperidade, há tempo de perder e tempo de ganhar; as vezes somos derrotados, mas também triunfamos e somos vitoriosos.

DESERTO.

Um dia você passará pelo deserto.
Deserto. Lugar de provação onde tudo é difícil. Estando no deserto vem a angustia, o medo, a necessidade, a solidão, a expectativa, as frustrações, os sonhos não realizados e a vontade de desistir. Quando estamos no monte de Deus, em lugar de destaque, temos muitos amigos. Mas, quando estamos no deserto, lugar de provação, somos abandonados e ficamos só. Porém, Deus não nos deixa, Ele está com você e vai fazer do seu deserto uma fonte de bênçãos.
Deserto:
Lugar de aprendizado (faculdade de Deus).
Lugar de mudança de caráter.
Lugar de provação.
Lugar de provisão.
Lugar de experiências profundas com Deus.
E apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote em Midiã; e levou o rebanho atrás do deserto e veio ao monte de Deus, a Horebe (Ex.3.1).
Depois que você atravessar o deserto e chegar no monte de Deus, Deus irá se revelar e a história da sua vida vai mudar.

VALE.

Um dia você passará pelo vale.
Vale. É uma Depressão ou planície entre montanhas. O vale de Deus é lugar de isolamento, lugar de solidão, lugar de aflição, lugar de ficar a sós com Deus, lugar de comunhão. Quando estamos no vale, lugar de provação, somos abandonados e ficamos só. 
O vale é um lugar de abandono, onde as pessoas esquecem de você. No vale você não tem amigos, não tem parentes, não tem conselheiros. No vale você aprender a estar a sós com Deus. Ali você ora, chora, geme, clama, busca, passa pelo estreito de Deus.Você luta como Jacó lutou com o anjo até ao raiar da amanhã. Mas temos um amigo fiel que não nos deixa, seja no deserto ou no vale, Ele (Jesus), está contigo.
Deus falou com o profeta no vale, e fala contigo também. E a mão do SENHOR estava sobre mim ali, e ele me disse: Levanta-te e sai ao vale, e ali falarei contigo (Ez.3.22).
O vale é inevitável na nossa vida, tem tempo que estamos passando pelo vale, tem tempo que estamos atravessando o deserto e tem tempo que estamos em lugares altos.
Se você está no vale, não se apresse em sair, porque Deus vai falar contigo e vai te exaltar no monte. Amém!

MONTE.

Um dia você estará no monte.
Monte, um alto relevo que se destaca da planície. Sendo o monte de Deus, no sentido espiritual, é lugar de exaltação, lugar de destaque, lugar de visão ampla, lugar de vitória. Porém temos que entender: Antes de chegarmos no monte da vitória, teremos que atravessar o deserto da aflição e passar pelo vale da provação. Temos exemplos na bíblia de homens e mulheres que passaram pelo deserto, atravessaram os vales e chegaram no monte de Deus e foram vitoriosos. Deus te leva para o deserto, te faz passar pelo vale da provação, porém Ele vai te exaltar no monte.
Quem atravessa o deserto, passa pelo vale e chega ao monte de Deus, terá a aprovação de Deus e a história da sua vida será mudada para glória de Deus. Muitas vezes Deus nos leva para o deserto e nos permite passar pelo vale, porque ele quer nos exaltar no monte. Estando no monte de Deus, tudo vai bem, e tudo vai dá certo.
Estando no monte, você vai olhar e dizer: Verdadeiramente Deus esteve comigo e não me desamparou.
Onde você está agora?
No deserto?
No vale?
Ou no monte
Em qualquer dessas fases que você estiver passando, saiba que Deus está contigo. Amém!

sábado, 16 de maio de 2015

COMO DEVEMOS OLHAR PARA JESUS?

Portanto, nós também, pois, que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e corramos com paciência a carreira que nos está  proposta, olhando para Jesus, autor e consumador da nossa fé, o qual pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus (Hb.12.1,2).

Há várias maneiras de se olhar para Jesus, depende do ponto de vista de quem olha; muitas pessoas olham para Jesus como um Jesus histórico, um homem que simplesmente fez parte da história como qualquer outro. Há pessoas que olham para Jesus como uma lenda, alguém que nunca existiu. Outros olham para Jesus como um grande filósofo, comparando-o com Sócrates, Aristóteles e Platão. Outros olham para Jesus como um grande revolucionário, um homem super inteligente que pensava além da sua época. Outros veem Jesus como um grande profeta, comparando-o com Moisés, Buda e Maomé. Para muitos Jesus pode ser tudo isto, porém a luz da bíblia, há uma maneira especial de se olhar para Jesus.

SETE MANEIRAS DE OLHARMOS PARA JESUS.

1. COMO NOSSO SALVADOR.

Olhai para mim e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro (Is.45.22).
E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos (At.4.12).

2. COMO NOSSO SENHOR.

De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até a morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai (Fp.2.5-11).

3. COMO NOSSO LIBERTADOR.

Disse Jesus:
E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres (Jo.8.32,36).
Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim (Jo.14.6).

4. COMO NOSSO MÉDICO.

Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do Diabo, porque Deus era com Ele (At.10.38).
E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas deles, e pregando o evangelho do Reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo (Mt.9.35).

5. COMO NOSSO ADVOGADO.

Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo (1Jo.2.1).
Mas, se andarmos na luz, como Ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado (1Jo.1.7).

6. COMO NOSSO MEDIADOR.

Porque há um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem (1Tm.2.5).

7. COMO NOSSO CRISTO (enviado, ungido).

E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do Homem? E eles disseram: Uns, João Batista; outros, Elias, e outros, Jeremias ou um dos profetas. Disse-lhe Ele: E vós, quem dizeis que eu sou? E, Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue quem to revelou, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela (Mt.16.13-18).

CONCLUSÃO:
Olhando para Jesus, autor e consumador da nossa fé (Hb.12.2).
Jesus é o autor da nossa fé porque Ele é a fonte que emana a vida, e é nele que tem origem a nossa crença. Ele é o consumador da nossa fé porque quando depositamos toda nossa confiança nele, Ele absorve a nossa fé, atende nossa oração e nos dá a vitória. Amém!

domingo, 10 de maio de 2015

POEMA DA MÃE.

Mãe, palavra pequena porém de grande valor e significado.
Mãe, palavra dita pelo próprio Deus, à Eva, mãe de todos os viventes.
Mãe, um tesouro incomparável, um anjo de Deus na terra.
Mãe uma palavra que expressa amor, valores e qualidades.
Podemos descrever utilizando a frase FELIZ DIA DAS MÃES em forma de acróstico algumas qualidades encontradas nas mães de todos os tempos e na época atual.

MÃE, é:

F orte.
E special.
L ivre
I nsubstituível.
Z elosa.

D edicada, laboriosa, amorosa e sempre buscando o bem para seus filhos.
I ncentivadora, otimista, conselheira e confidente fiel dos seus filhos.
A miga, companheira, compreensiva e sempre pronta para atender seus filhos.

D inâmica, virtuosa, amável e sempre prestativa.
A tenciosa, altruísta e cheia de fé.
S ábia, simples, prudente e sempre pronta para orientar seus filhos.

M ulher especial cujo amor é comparado com o amor de Deus.
A fetuosa, graciosa e cheia de alegria.
E leita e escolhida por Deus para gerar filhos.
S ofredora, abnegada e sempre se sacrificando para dar o melhor aos seus filhos.

Há uma canção em homenagem as mães interpretada pelo cantor Marcos Antonio, que diz:

Mãe, você não se lembra
Mas eu não esqueci
Das tuas orações
De joelhos dobrados
Com o rosto molhado
Choravas por mim
Mãe, eu era pequeno
Quando a senhora
Pra mim assim falou
Deus, abençoe o meu filho
Pra que ele cresça
No caminho do amor
Mãe, sou teu fruto
Do coração, o amor
Sou teu sorriso
Tu és meu abrigo
Na hora da dor.

sábado, 2 de maio de 2015

ENTRANDO EM JERUSALEM.

E, entrando Ele em Jerusalém, toda a cidade se alvoroçou, dizendo: Quem é este? E a multidão dizia: Este é Jesus, o profeta de Nazaré da Galiléia! (Mt.21.10,11).

A entrada de Jesus em Jerusalém é tão importante que é narrada pelos quatro Evangelhos. Jesus estava cumprindo as escrituras, como lembra o Evangelho de João: “E achou Jesus um jumentinho, e assentou-se sobre ele, como está escrito: Não temas, ó filha de Sião; eis que o teu Rei vem assentado sobre o filho de uma jumenta.” (João 12:14-15).
A entrada de Jesus em Jerusalém é o cumprimento da profecia do profeta Zacarias, que diz: Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém; eis que o teu Rei virá a ti, justo e Salvador, pobre e montado sobre um jumento, sobre um asninho, filho de jumenta (Zc.9.9). Diz o texto sagrado, que quando Jesus entrou em Jerusalém, toda a cidade se alvoroçou, Jesus causou uma revolução na cidade, e as pessoas ficaram eufóricas e perguntavam: Quem é este? Talvez as pessoas perguntassem, será que é o imperador Cesar quem vem entrando na cidade? Será que é o governador Herodes, ou Pôncio Pilatos? As pessoas se interrogavam, havia dúvidas entre a multidão. Havia dois grupos de pessoas naquela grande multidão: Uma que não conhecia a Jesus, e outra que conhecia Jesus; a multidão que conhecia a Jesus, clamavam, dizendo: Hosana ao Filho de Davi! Bendito o que vem em nome do SENHOR! Hosana nas alturas! Porém, a multidão daqueles que não conheciam a Jesus, vendo e ouvindo todo aquele barulho de glorificação, perguntavam: Quem é este? E, a outra multidão que conhecia Jesus, respondia: Este é Jesus, o profeta de Nazaré da Galiléia!

JESUS, O REVOLUCIONÁRIO. ONDE JESUS ENTRA ELE CAUSA UMA REVOLUÇÃO (MUDANÇA).
O evangelho de Lucas registra vários fatos que ocorreram quando Jesus entrava nas cidades; dentre as muitas cidades que Jesus entrou e causou grandes revoluções e mudanças, iremos destacar apenas três.

1. JESUS ENTROU NA CIDADE DE NAIM E RESSUSCITOU O FILHO DA VIÚVA.

No dia seguinte, partiu Jesus para uma cidade chamada Naim, e com ele caminhavam seus discípulos e uma grande multidão. Ao se aproximar da porta da cidade, estava saindo o enterro do filho único de uma viúva; e grande multidão da cidade a acompanhava. Ao observá-la, o Senhor se compadeceu dela e a encorajou: “Não chores!” E aproximando-se, tocou no esquife. Então, os que o carregavam pararam. E Jesus exclamou: “Jovem! Eu te ordeno: levanta-te!” No mesmo instante, o jovem que estivera morto se pôs sentado, e começou a conversar, e assim Jesus restituiu o jovem à sua mãe. Todos foram tomados de grande temor e louvavam a Deus proclamando: “Grande profeta foi levantado entre nós!” e “Deus veio salvar o seu povo!”(Lc.7.11-16).

2. JESUS ENTROU NA CIDADE DE GADARA E LIBEROU UM HOMEM POSSESSO DE DEMÔNIOS.

E navegaram para a região dos gadarenos, que se localiza do outro lado do lago, na fronteira da Galiléia. Assim que Jesus desembarcou, foi ao encontro dele um homem daquela cidade, possesso de demônio que, fazia muito tempo, não usava roupas, nem habitava em casa alguma, mas vivia nos sepulcros. Ao contemplar Jesus, berrou, prostrou-se aos seus pés e exclamou com voz forte: “Que desejas comigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Imploro a Ti, não me castigues!” Porquanto Jesus ordenara ao espírito imundo que abandonasse o corpo daquele homem. Diversas vezes o demônio havia se apoderado dele. Mesmo com os pés e as mãos acorrentados, e vigiado por guardas, arrebentava as cadeias e os grilhões, e era impelido pelo demônio para lugares desolados. Jesus lhe inquiriu: “Qual é o teu nome?” Ao que ele replicou: “Legião!”, pois eram muitos os demônios que tinham invadido aquele homem. E suplicavam a Jesus que não os mandasse para o Abismo. Entrementes, uma grande manada de porcos estava pastando naquela colina. Os demônios imploraram que Jesus lhes permitisse entrar nos porcos. E Jesus consentiu. Então, saindo do homem, os demônios invadiram os porcos, e a manada jogou-se precipício abaixo em direção ao grande lago e todos os porcos se afogaram. Ao observar tudo o que acontecera, as pessoas responsáveis pelo cuidado dos porcos fugiram e foram contar esses fatos na cidade e pelos campos. E ocorreu que o povo saiu para ver o que tinha sucedido. Quando se aproximaram de Jesus, viram aquele homem de quem os demônios haviam saído, assentado aos pés de Jesus, vestido e em perfeito juízo, e todos ficaram apavorados. As pessoas que haviam testemunhado todos os fatos, contaram também como fora liberto aquele homem dos muitos demônios que o haviam tomado. Então, todo o povo da região dos gadarenos rogou a Jesus para que se retirasse de suas terras, pois estavam aterrorizados. Contudo, o homem de quem haviam sido expulsos os demônios, implorava-lhe que o deixasse ir com Ele; mas Jesus despediu-se, recomendando-lhe: “Volta para tua casa e compartilha tudo quanto Deus fez por ti!” E assim o homem partiu, e anunciou na cidade inteira todas as obras que Jesus havia realizado em sua vida. (Lc.8.26-39).

3. JESUS ENTROU EM JERICÓ E SALVOU UM COBRADOR DE IMPOSTOS, CHAMADO ZAQUEU.

E, tendo Jesus entrado em Jericó, atravessava Jesus a cidade. Eis que um homem rico, chamado Zaqueu, chefe dos publicanos, buscava ver quem era Jesus; todavia, sendo ele de pequena estatura, não o conseguia, devido à afluência do povo. Por esse motivo, correu adiante da multidão e subiu em uma figueira brava para observá-lo, pois Jesus ia passar por ali. Quando Jesus chegou àquele local, olhou para cima e o chamou: “Zaqueu! Desce depressa, pois preciso ficar hoje em tua casa”. No mesmo momento desceu Zaqueu apressado e o recebeu com enorme alegria. Todos, em meio à multidão, que presenciaram o que se passou começaram a murmurar: “Ele entrou na casa daquele pecador e vai hospedar-se lá!” Então, Zaqueu tomou a palavra e comunicou a Jesus: “Eis a metade dos meus bens Senhor, que estou doando aos pobres; e se de alguém extorqui alguma coisa, devolverei quatro vezes mais!” Diante disso, Jesus declarou: “Hoje, houve salvação nesta casa, pois este homem também é filho de Abraão. Porquanto o Filho do homem veio buscar e salvar o que estava perdido” (Lc.19.1-10).

CONCLUSÃO:
Jesus ao entrar na cidade de Jerusalém houve um grande alvoroço e o povo glorificava a Deus. Entrando Ele na cidade de Naim, Ele ressuscitou o filho de uma mulher viúva e lhe trouxe de volta a esperança. Ao entrar Jesus na cidade de Gadara, Ele libertou um homem que há muito tempo vivia possuído pelos demônios, e este homem voltou a conviver com sua família. Entrando Jesus em Jericó, Ele perdoou e salvou um homem chamado Zaqueu, que era chefe dos publicanos (cobradores de impostos).
Permita Jesus entrar em seu coração, e Ele fará uma mudança radical em sua vida. Isto só será possível se você abrir o seu coração para Ele entrar, Ele está batendo a porta do seu coração e dizendo: Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei e ele, comigo (Ap.3.20). Abra a porta do seu coração e aceite o convite de Jesus, que lhe convida dizendo: Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve (Mateus.11.28-30). Aceite-o como Senhor e Salvador de sua vida, você será feliz e terá uma eternidade garantida com Deus. Amém!

sexta-feira, 1 de maio de 2015

A CONQUISTA DE UM AMIGO.

O irmão ofendido é mais difícil de conquistar do que uma cidade forte; e as contendas são como ferrolhos de um palácio (Pv.18.19).

Ter amigos sempre é bom, e um amigo leal é de grande valor. Amigos de longe temos muitos, amigos de perto são poucos, amigos íntimos temos alguns; porém, amigos nas horas difíceis muitas vezes procuramos e não encontramos. O sábio Salomão nos diz: O amigo dedica sincero amor em todos os momentos e é um irmão querido na hora da adversidade (Pv.17.17. King James atualizada
Cuidado! As muitas amizades podem levar à ruína, mas existe amigo mais chegado que um irmão (Pv.18.24. King James atualizada). Tem pessoas que não sabem valorizar os amigos que tem, não é recíproca, só quer venha a nós, feri e despreza o amigo, aquele que o considera como irmão. Porém, depois que o amigo (irmão) é ofendido, é difícil de reconquistá-lo; é difícil, mas não é impossível. Está escrito: O irmão ofendido é mais difícil de conquistar do que uma cidade forte (Pv.18,19). Em outras palavras, é mais fácil conquistar uma cidade fortificada do que reaver a amizade de um irmão, ou amigo.

O QUE A PESSOA OFENDIDA DEVE FAZER?

A primeira coisa é ir ter com o irmão. Jesus disse: Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão (Mt 18:15). Não comente com outras pessoas a respeito da sua mágoa ou ressentimento. Jesus disse que se meu irmão pecar contra mim e se arrepender, eu devo perdoá-lo quantas vezes for necessário. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe. Se, por sete vezes no dia, pecar contra ti e, sete vezes, vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe. (Lc.17.3,4). Não espere que ele se arrependa para que você o possa perdoar. Jesus e Estevão perdoaram antes que houvesse qualquer arrependimento por parte dos ofensores. Tanto o que pecou quanto o que ficou ofendido devem buscar a reconciliação.

SE VOCÊ OFENDEU ALGUÉM, O QUE FAZER?

Jesus disse: Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão, e depois vem, e apresenta a tua oferta. Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás com ele no caminho, para que o adversário não te entregue ao juiz, o juiz, ao oficial de justiça, e sejas recolhido à prisão. Em verdade te digo que não sairás dali, enquanto não pagares o último centavo (Mt 5:23-26). Ser recolhido a prisão aqui pode significar uma série de coisas. a)Pode significar que, se você não resolve o problema com o irmão ofendido e ele morre, fica uma pendência para ser resolvida no dia do julgamento. b)Pode significar também que a falta de perdão, inevitavelmente, se manifestará em doenças físicas e mentais. Estas podem ser um duro fardo em sua vida. A falta de perdão é uma base para o estabelecimento de fortalezas malignas em sua vida. Entre em acordo logo e seja livre!

O QUE ACONTECE COM UMA PESSOA QUE NÃO PERDOA?

A falta de perdão produz escravidão. A falta de perdão mantém você em escravidão pelos seguintes motivos: Torna-se uma pessoa ressentida. Ressentimento é uma das causas de enfermidades, este ressentimento produz fortalezas espirituais diabólica, que vai consumindo a pessoa aos pouco. Torna-se uma pessoa amargurada. A amargura, é um ressentimento antigo, é como uma raiz que vai crescendo e contaminando os sentimentos e ações. Amargura é um ressentimento que torna escravo da pessoa que o ofendeu, a sua mente e ações estão sempre em função dela. Está escrito: Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem (Hb.12.15). Você não deve guardar rancor no seu coração, mesmo que justificáveis. Não espere o arrependimento do outro para só então perdoá-lo. Não alimente a mágoa no seu coração, mas trate com ela rapidamente. Há uma frase que diz: Guardar rancor é como segurar um carvão em brasa para jogá-lo em outra pessoa; você é o único que se queima. É melhor perdoar.

POR QUE DEVEMOS PERDOAR?

O perdão é muito importante porque ele demonstra um princípio espiritual muito sério: Deus trata você de acordo com a maneira como você trata o seu irmão. Jesus disse: Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará. Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas. (Mt. 6. 14,15). Assim, Deus só nos perdoa se perdoamos a quem nos ofende. Além disso, Ele deseja que tratemos uns aos outros da forma como Ele nos tratou, como diz Efésios 4:32: Sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou. O Senhor colocou uma barreira para as suas orações, que é, guardar rancor e ressentimento. Se você não perdoar os outros também não será perdoado. Por que acontece isso? Não é o perdão de Deus pela graça? O problema é que quando você reluta em perdoar, você está dizendo que é perfeito e pode cobrar perfeição dos outros. Quando você se declara perfeito, você sai da posição de pecador e já não necessita da graça de Deus. Desta forma, você não pode ser perdoado. Deus somente perdoa aos pecadores. Você não pode exigir justiça porque você mesmo não é santo. Sendo todos nós pecadores, não temos o direito de cobrar justiça de quem quer que seja. É por isso que devemos liberar perdão e simplesmente esquecer o erro do outro. Perdoar, sempre é melhor, esse é o caminho certo.

CONCLUSÃO: No mundo dos egoístas, dos que se dizem valentes, há um ditado que diz: "Perdoar é para os fracos". Porém isto não é verdade, pelo contrário, perdoar é para os fortes, pois quem perdoa tem virtude, tem qualidade e não se julga perfeito. Afinal, todos nós estamos sujeitos a errar. Pense nisso.

Pedir perdão e perdoar são atitudes difíceis de serem praticadas, porém o perdão tem uma força e um poder de mudar uma vida e transformar toda uma história. Há uma canção interpretada pelo cantor Sérgio Lopes que nos fala sobre a força do perdão.

Perdoar
É muito mais que estender a mão
E dizer eu te perdôo meu irmão
Usar a voz é fácil apertar a mão também
O difícil é revelar o coração
Mas se o coração perdoa é fácil perceber
Pois o coração é cúmplice do olhar
Perdão que sai do coração
É jóia rara de encontrar
E está na sinceridade de um olhar

Se eu te machuquei, reconheço que errei
Eu agora percebi quanto mal eu te causei
Como vou falar de amor se eu não souber amar
Eu preciso de você para me ensinar
Eu me arrependi e revelei meu coração
Agora é sua vez de me ensinar uma lição
Preciso de você pra conhecer a dor ou conhecer a força do perdão.