segunda-feira, 21 de setembro de 2015

A PÉROLA DE GRANDE VALOR.

O Reino dos céus é semelhante ao homem negociante que busca boas pérolas; e, encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo quanto tinha e comprou-a (Mateus.13.45,46).

Nesta parábola da pérola preciosa, fica subentendido que todos nós somos aquele comerciante, e a pérola preciosa é o próprio Cristo. Antes de conhecer a Jesus, vemos a nossa vida como se fôssemos donos de pérolas valiosíssimas. Porém, quando nos deparamos com a grande pérola que é Jesus, nosso entendimento muda e passamos a entender que aquilo que nós julgávamos ser precioso, na verdade, não tem valor algum perto da grandeza de Cristo e dos verdadeiros tesouros que Ele pode nos dar.

Ao encontrar uma pérola de grande valor, aquele homem vende todas as pérolas que possuía e a compra.
Quando o homem vende tudo o que tinha para adquirir a pérola mais bonita e mais valiosa, ele reconhece que não há nada melhor e mais importante do que aquela preciosidade. Assim acontece quando recebemos a nossa salvação em Jesus. A alegria toma conta do nosso coração a tal ponto, que o nosso único desejo é desfazer de tudo o que temos, só para termos Cristo conosco.

O apóstolo Paulo, antes de sua conversão, era um homem íntegro, obediente a lei e se considerava um homem justo, mas, depois que Jesus apareceu no seu caminho e ele viu a luz da Sua Glória, ele caiu do cavalo e Jesus se revelou a ele. (Atos 9:3-6). À partir dessa experiência, Paulo entendeu que todo o seu "currículo" social, espiritual e sua justiça própria, não eram nada comparado com o conhecimento que ele teve de Jesus.

O apóstolo Paulo escrevendo aos Filipenses, diz: "O que para mim era lucro, passei a considerar perda, por causa de Cristo. Mais do que isso, considero tudo como perda, comparado com a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor, por cuja causa perdi todas as coisas. Eu as considero como esterco para poder ganhar a Cristo e ser encontrado nele, não tendo a minha própria justiça que procede da lei, mas a que vem mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus e se baseia na fé" (Filipenses 3:7-9).

Aquele comerciante sabia que aquela pérola não era uma imitação; uma peça barata como as usadas nas bijuterias. Eu acredito que antes, ele aprendeu tudo o que foi preciso sobre pérolas, caso contrário, poderia ser enganado com facilidade. O mesmo acontece com a gente. Para conhecer o valor de Jesus Cristo e reconhecer o seu valor, precisamos nos aprofundar no "assunto". Se você não souber de fato quem é Jesus, poderá ser enganado por uma "imitação barata" dEle. Há também os casos daqueles que conhecem o valor de Jesus, mas não têm coragem suficiente para se desfazer das outras pérolas. 
 
Veja o caso de um jovem rico: E, colocando-se Jesus a caminho, correu um homem ao seu encontro e, ajoelhando-se, indagou-lhe: “Bom Mestre! O que devo fazer para herdar a vida eterna?” Replicou-lhe Jesus: “Por que me chamas bom? Ninguém é bom, a não ser um, que é Deus! Tu conheces os mandamentos: ‘Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, não enganarás ninguém, honra a teu pai e tua mãe’”. Ao que o homem declarou: “Mestre, tudo isso tenho obedecido desde minha adolescência”.
"Jesus olhou para ele e o amou. ‘Falta-lhe uma coisa’, disse ele. ‘Vá, venda tudo o que você possui e dê o dinheiro aos pobres, e você terá um tesouro no céu. Depois, venha e siga-me’. Diante disso ele ficou abatido e afastou-se triste, porque tinha muitas riquezas” (Marcos 10:21-22).

Aquele rapaz queria seguir Jesus, ou seja, ele queria aquela Pérola preciosa para ele. No entanto, ele não estava disposto a abrir mão das suas "pérolas" que eram as suas riquezas materiais.
E você? É como o jovem rico que, mesmo sabendo do valor de Jesus, tem escolhido outras pedras que considera preciosas? Ou você é como o Apóstolo Paulo, que entregou tudo o que tinha para que Jesus fosse o seu único Tesouro?

sábado, 19 de setembro de 2015

A FIDELIDADE DOS RECABITAS.

E pus diante dos filhos da casa dos recabitas taças cheias de vinho e copos e disse-lhes: Bebei vinho. Mas eles disseram: Não beberemos vinho, porque Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, nos mandou, dizendo: Nunca bebereis vinho, nem vós nem vossos filhos (Jeremias.35.5,6).

A fidelidade dos recabitas na bíblia, é algo inusitado a ponto de chamar a atenção de Deus e tomá-los como exemplo de fidelidade em detrimento da infidelidade do seu povo. A fidelidade dos recabitas ao princípio de vida adotado pelo seu pai Jonadabe era algo que eles não abriam mão, eles eram obedientes ao extremo.

QUEM ERAM OS RECABITAS?

Os Recabitas eram uma ordem religiosa nômade fundada por Jonadabe, filho de Recabe, durante o século IX a.C. (II Reis 10:15-33) não moravam em casas nem usavam qualquer produto da videira. Até a época da narrativa de Jeremias permaneciam fiéis ao estilo de vida implantado pelo fundador: Jonadabe, filho de Recabe. Eram 250 anos de fidelidade.

A FIDELIDADE PROVADA (Jr.35.1-11).

Deus ordenou o profeta desafiar a fidelidade dos recabitas, porém Deus conhecia os corações deles.
O profeta Jeremias, a mando do Senhor, testou a fidelidade dos recabitas ao mandado de Jonadabe (morto há mais de duzentos anos), pondo diante deles taças cheias de vinho, mas eles recusaram beber. É importante destacar a justiça de Deus nessa prova. O Senhor pediu que Jeremias fizesse o teste com os recabitas sem a costumeira expressão “Assim diz o Senhor”, ou seja, os recabitas não tiveram que escolher entre obedecer ao Senhor e a Jonadabe. Não foram induzidos à desobediência a Deus. Os recabitas passaram facilmente pela prova de fidelidade a qual foram submetidos, e nós os crentes da atualidade, será que passaríamos?

A FIDELIDADE COMPARADA (Jr.35.12-17).

A fidelidade dos recabitas era algo tão incomum a ponto de chamar a atenção de Deus, e tomá-los como exemplo.
Deus comparou os recabitas com os homens de Judá e moradores de Jerusalém e disse que, enquanto os recabitas eram obedientes às ordens de um homem morto, os judeus, por sua vez, não eram obedientes ao Deus vivo. Após tantos anos a memória de Jonadabe continuava sendo honrada pelo seu povo, porém, o Deus de Israel, que até de madrugada falava ao seu povo por intermédio dos profetas para arrependimento de pecados, não era ouvido. O resultado seria o inevitável cativeiro babilônico. Os recabitas eram fiéis aos princípios do seu líder Jonadabe, no entanto a nação de Judá era infiel ao seu Deus; e nós, será que estamos sendo fiéis aos princípios da palavra de Deus?

A FIDELIDADE RECOMPENSADA (Jr.35.18,19).

Como prêmio da fidelidade dos recabitas a Jonadabe, Deus prometeu que nunca faltaria varão da estirpe de Jonadabe que estivesse todos os dias na sua presença. Ainda hoje existem recabitas no Oriente Médio, especialmente na Mesopotâmia e no Yemen, na península arábica. Deus mantém a sua promessa há quase três mil anos!
Que lições aprendemos com o capítulo 35 do livro de Jeremias? Aprendemos, primeiramente, que não existe fidelidade sem obediência, e que a fidelidade a Deus deve está acima de tudo. Além disso, se alguém pode ser abençoado por sua fidelidade e obediência a um homem, será ainda muito mais abençoado sendo fiel e obediente ao próprio Deus. Amém!

A FIDELIDADE DOS RECABITAS COMPARADA AOS DIAS ATUAIS.

“As palavras de Jonadabe, filho de Recabe, que ordenou a seus filhos que não bebessem vinho, foram guardadas, pois não beberem até este dia, antes obedeceram o mandamento de seu pai,: a mim porém, que vos tenho falado, madrugando e falando, não me ouvistes... Tenho enviado profetas, dizendo convertei-vos, porém não me obedecestes” Jr. 35-14,15”

Quantos seguem fielmente o seu time de futebol, seu grupo de Rock, seu grupo de amigos, e abandonam totalmente a Deus? Alguns dão a vida pelas empresas que trabalham, pelo País, pela sua forma física, pelos seus ideais e negligenciam totalmente o relacionamento com Deus.

Deus quer que tenhamos uma vida abundante com: diversão, amigos, trabalhos, bens, família e sobretudo não esqueçamos de ter comunhão com Ele. No Evangelho de Lucas 12.13-21, Jesus conta uma parábola sobre um homem rico e trabalhador, ele havia prosperado tanto que aumentou todos os celeiros para guardar seus bens, PORÉM, negligenciou seu relacionamento com Deus.

“Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma, e o que tens preparado para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros e não é rico para com Deus”.

Os Recabitas temiam a Deus, e a conseqüência foi a obediência aos princípios éticos familiares. Deus não os deixou desapercebidos, porém os abençoou grandemente. Assim também é para conosco. O mundo necessita de Recabitas, que chamem a atenção de Deus e sirvam de exemplo para uma geração de apóstatas. Pense nisso.
 

sábado, 12 de setembro de 2015

SALVAÇÃO OU CONDENAÇÃO.

Na verdade, na verdade vos digo: Quem ouve a minha Palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida (João.5.24).

A vida eterna não é uma utopia como muitos podem pensar, porém é uma realidade Divina. Jesus Cristo, o Pai da eternidade é quem nos assegura dizendo: As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará das minhas mãos (Jo.10.27,28). A salvação é de graça para todos, porém, Jesus Cristo pagou um alto preço através do seu sofrimento e morte na cruz. A salvação em Cristo Jesus nos proporciona perdão para os nossos pecados e vida eterna com Deus. É impossível o homem ser salvo se não for através de Jesus Cristo. O apóstolo Pedro nos declara dizendo: E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos (At.4.12). Há um ditado que diz: Todo caminho leva a Deus, mas isto não é verdade. Jesus é o único caminho que nos leva a Deus. Ele disse: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim (Jo.14.6). A nossa vida é como um filme, ela tem começo, meio e fim. Porém para que o filme da nossa vida tenha um final feliz é preciso que Jesus Cristo, seja o Senhor e Salvador da nossa vida, além de diretor para nos dirigir durante toda a nossa vida. 
                                         Esta é a vida do homem sem Deus.                                        
Cena 1

Cena 2

Cena 3

Cena 4

Cena 5

Cena 6

Cena 7

Cena 8

Cena 9

Cena 10

Cena 11

Cena 12

Cena 13

Cena 14

Cena 15

Cena 16

Cena 17

Você tem o direito de escolher o seu destino, Deus lhe deu livre arbítrio. Em vida você poderá decidir, porque depois da morte segue-se o juízo. Está escrito: E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo, depois disso, o juízo (Hebreus.10.27). Decida-se hoje para Jesus Cristo, e aceite-o como Senhor e Salvador da sua vida. Você será feliz e terá uma vida eterna com Deus. Amém!







domingo, 6 de setembro de 2015

O FIM É MELHOR DO QUE O COMEÇO.

Melhor é o fim das coisas do que o princípio delas (Eclesiastes.7.8).

O sábio Salomão ao expressar a sua sabedoria ele nos comunica várias verdades que aparentemente parece paradoxal em relação aos valores que damos as coisas efêmeras desta vida. Geralmente nós consideramos que o começo é melhor; porque no começo nós temos a juventude a nosso favor, temos forças, temos vigor, temos metas a serem alcançadas, estamos chegando ao topo, subindo ao pódio sendo aplaudido e vitorioso. É preciso entendermos que o começo é apenas uma preparação, um treinamento, um amadurecimento; para que no fim sejamos completo e tenhamos o privilégio de desfrutarmos de toda a boa semeadura que fizemos no começo.

O FIM É MELHOR DO QUE O COMEÇO.

É no fim que comemoramos a vitória, nos tornamos mais experientes e maduros, e desfrutamos das nossas conquistas. É no fim que, realmente, nos tornamos vencedores.

Para um alpinista, o topo da montanha é melhor do que o início da escalada. Pois é lá em cima, que os recordes são quebrados, a vitória é celebrada e o objetivo alcançado.

Para o pugilista o importante não é começar bem a luta, e sim ser vencedor no final.

Para o maratonista o melhor não aquele que começa bem a corrida, e sim o que chega ao final e cruza em primeiro lugar a faixa de chegada.

Para um time de futebol, o importante não é começar bem o campeonato e sim chegar ao final em primeiro lugar e ser campeão.

Para um piloto da fórmula 1, o fim da corrida é melhor do que a largada. Afinal de contas, não basta começar bem, é preciso chegar ao final e de preferência, em primeiro lugar.

Para o cristão, é no fim que está a sua plena vitória, é no final que ele será coroado.
“Combati o bom combate, terminei a carreira, guardei a fé. “Desde agora, a coroa da justiça me está guardada…” (2 Tm.4.7,8).

O fim da vida do cristão é como uma oferta de gratidão a Deus, pois apesar de tudo ele está convicto de que o seu final é apenas o começo de uma vida eterna com Deus.

Não basta começar bem, temos que chegar ao fim. A vitória não pertence aqueles que começam bem sua trajetória, mas depois se desviam do seu alvo. Por causa das adversidades, obstáculos, desafios e problemas, muitos desistem de caminhar e abrem mão de seus sonhos, projetos e objetivos de vida. Casamentos são desfeitos, sonhos profissionais enterrados, ministérios destruídos e até a fé é renegada.

Milhares de pessoas se afastam da igreja, abandonam a Cristo e desistem da Fé apresentando inúmeros motivos. Esquecem, no entanto, que a Bíblia revela que é necessário chegar até o fim:
"Tu porém, vai até o fim; porque repousarás e estarás na tua sorte, no fim dos dias" (Dn.12.13).
“Sê fiel até a morte, para receber a coroa da vida” (Ap.2.10).
“Ao que vencer, eu lhe concederei que se assente comigo no meu trono…(Ap.3.21).

CONCLUSÃO:
Você não precisa se sentir frustrado e pensar que o melhor da sua vida já passou.
Na história secular muitos foram bem sucedidos depois dos 60 anos de idade.
Roberto marinho começou a rede globo quando tinha 65 anos de idade.
A grande descoberta de Galileu aconteceu quando ele tinha 73 anos de idade.
Nelson Mandela sai da cadeia com mais de 60 anos de idade e foi presidente do seu pais.
Na história sagrada também não foi diferente:
Abraão quando recebeu o chamado de Deus para ser o pai dos hebreus tinha 75 anos de idade.
Moisés quando foi escolhido por Deus para ser o libertador de Israel tinha 80 anos de idade.
Calebe estava com 85 anos de idade e conquistou as montanhas infestadas de gigantes para Deus.
Pare e pense, pois, ainda da tempo de você realizar seus projetos.
Você não sabe realmente qual será o seu futuro, continue semeando com boas ações hoje, o que você vai colher amanhã. Porque para Deus, nada é impossível (Lc.1.37).

sábado, 5 de setembro de 2015

A ÚLTIMA TROMBETA.

Eis que eu vos declaro um mistério: nem todos dormiremos, mas certamente, todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta. Porquanto a trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis e nós seremos transformados (1Co.15.51,52).

Trombeta na bíblia é sinal de alerta, de convocação, de reunião, de ajuntamento.
Por que ela é chamada de "última trombeta"?
Porque então a dispensação da graça chegará ao fim. A dispensação da anunciação do Evangelho da graça começou com uma "trombeta" e terminará com uma trombeta. Por que ela começou com uma "trombeta"? Porque podemos dizer que a pregação do Evangelho "repercutiu", "ressoou" ou foi "trombeteada". Por exemplo, a frase: "Porque de vós soou a palavra do Senhor..." (1 Ts 1.8), significa dizer: "porque vocês trombetearam a palavra do Senhor". Em Romanos 10.18 está escrito: "Mas pergunto: Porventura, não ouviram? Sim, por certo: Por toda a terra se fez ouvir a sua voz, e as suas palavras, até aos confins do mundo."
A trombeta do Evangelho conclamando para a salvação em Jesus Cristo, está ressoando há mais de dois mil anos. Em breve se ouvirá a última trombeta, o Evangelho deixará de ser pregado, a dispensação da graça chegará ao fim e a Igreja terá concluída a sua missão, e será chamada para subir à casa do Pai. 
 
A TROMBETA NO ANTIGO TESTAMENTO.

No Antigo Testamento, o tocar das trombetas tinha uma linguagem objetiva; para cada toque uma mensagem.
No livro de Números 10.1-10. Nesse trecho do Antigo Testamento são mencionadas duas trombetas de prata que eram tocadas em certas ocasiões.
A ordem de Deus dizia: "Faze duas trombetas de prata; de obra batida as farás; servir-te-ão para convocares a congregação e para a partida dos arraiais" (Nm 10.2). Portanto, estas trombetas de prata eram tocadas para convocar, chamar, juntar e reunir, e por outro lado para levantar do acampamento e partir. Isto também está relacionado com a igreja, que foi chamada e convocada a pregar o Evangelho, e em breve vai partir ao encontro do Senhor Jesus Cristo.

É interessante verificar que essas trombetas eram confeccionadas de prata. A prata é símbolo da nossa redenção (salvação). O siclo de prata do resgate [salvação] (Êx 30.12-13). Esses siclos eram dados como pagamento de resgate pela vida dos israelitas, para que não houvesse entre eles nenhuma praga. Isso também nos faz lembrar das 30 moedas de prata que foram pagas pela prisão do Senhor Jesus, que obteve a nossa salvação na cruz.
 


O QUE ACONTECERÁ QUANDO A ÚLTIMA TROMBETA TOCAR?

Dizemo-vos, pois, isto pela palavra do Senhor; que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor (1Ts.4.15-17).

Em que será que pensaram os tessalonicenses, que em grande parte eram judeus, quando Paulo escreveu sobre a trombeta? O livro de Apocalipse ainda não havia sido escrito, portanto eles ainda não sabiam nada sobre as sete trombetas de juízo ali descritas. Por isso, certamente eles pensaram na trombeta da salvação de Números 10.1-10. Nesse trecho do Antigo Testamento são mencionadas duas trombetas de prata que eram tocadas em certas ocasiões. 
É muito interessante observar o que Paulo detalhou: "...Porque o mesmo Senhor descerá do céu... com a trombeta de Deus...". Isto quer dizer que o próprio Senhor – como Sumo Sacerdote da Sua Igreja – tocará a trombeta, porque ela estará na Sua mão. Ele mesmo chamará os seus para Casa do Pai. Ele mesmo dará a ordem e o sinal para a retirada da Sua Igreja.
Isso também é o mais provável, pois a trombeta é chamada de "trombeta de Deus", e Jesus Cristo é Deus. Por que não seria o Salvador que haveria de chamar os seus salvos? Detalhe, no Antigo Testamento apenas os sacerdotes podiam tocar as trombetas. Jesus Cristo é o nosso Sumo Sacerdote. 

As sete trombetas de juízo (Ap 8-11) são empunhadas e tocadas por anjos. Por isso, deve haver uma diferença entre a trombeta do arrebatamento e as sete trombetas de juízo no livro de apocalipse.
Depois que a última trombeta tocar e a igreja for arrebatada começará a grande tribulação e será iniciada o toque das sete trombetas do juízo de Deus.

Quando a última trombeta tocar acontecerá três fatos:
- Os mortos em Cristo ressuscitarão.
- Os crentes fieis serão arrebatados.
- Haverá lamentação e clamor na terra.

Maranata! Que estejamos preparados para ouvir o som da última trombeta, pois em breve ela vai soar, e o Senhor Jesus Cristo, virá arrebatar a sua igreja. Amém!