segunda-feira, 23 de novembro de 2015

AS QUATRO DIMENSÕES DO RIO DO ESPÍRITO.

Depois disso, me fez voltar à entrada da casa, e eis que saíam umas águas de debaixo do umbral da casa, para o oriente; porque a face da casa olhava para o orienta, e as águas vinham da baixo, desde a banda do sul do altar. E ele me tirou pelo caminho da porta do norte e me fez dar uma volta pelo caminho de fora, até a porta exterior, pelo caminho que olha para o oriente; e eis que corriam umas águas desde a banda direita. Saiu aquele homem para o oriente, tendo na mão um cordel de medir; e mediu mil côvados e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos tornozelos. E mediu mais mil e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos joelhos; e mediu mais mil e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos lombos. E mediu mais mil e era um ribeiro, que eu não podia atravessar, porque as águas eram profundas, águas que se deviam passar a nado, ribeiro pelo qual não se podia passar (Ezequiel, 47.1-5).

O RIO DO SANTUÁRIO.

Este rio descrito no livro de Ezequiel, literalmente é uma profecia futura para o período do milênio; este rio aparece em outras partes das escrituras, como por exemplo: Salmos 46.4. Zc.14.8. Ap.22.1. Na linguagem dos símbolos, o rio é um símbolo do Espírito Santo. Jesus disse: Se alguém tem sede, que venha a mim e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu interior (Jo.7.37-39). No versículo 39, o escritor do evangelho diz: E isso disse Ele do Espírito, que haviam de receber os que nele cressem; porque o Espírito Santo ainda não fora dado, por ainda Jesus não ter sido glorificado. Sendo assim podemos considerar o rio do santuário como o rio do Espírito, que transforma e dá vida por onde passa.


PRIMEIRA DIMENSÃO:

Saiu aquele homem para o oriente, tendo na mão um cordel de medir; e mediu mil côvado e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos tornozelos. Vers.3.
Na entrada do rio, o Espírito Santo passa a habitar no crente. Na primeira dimensão o crente recebe o Espírito Santo. Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. E, havendo dito isso, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo (Jo.20.21,22). O apóstolo Paulo escrevendo a igreja que estava em Éfeso, diz: E, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, para  redenção da possessão de Deus, para louvor da sua glória (Ef.1.13b,14). O penhor é uma garantia, que dá a certeza que a pessoa vai voltar. Nós recebemos o selo, a marca e o sinal, como propriedade exclusiva de Deus, e isto é o sinal que Ele vai voltar. O Espírito Santo é dado ao crente, como parcela inicial da herança que vamos receber no futuro.

SEGUNDA DIMENSÃO:

E mediu mais mil e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos joelhos. Vers.4a.
Na segunda dimensão do rio do Espírito, o crente é revestido de poder. Jesus falou: E eis que sobre vós envio a promessa de meu pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder (Lc.24.49). O revestimento de poder é uma unção dobrada para realizar a obra de Deus, de forma ousada e intrépida. A igreja antes do pentecostes era fraca, desanimada e medrosa. Porém, depois do pentecostes, a igreja foi revestida de poder e se tornou forte, animada e corajosa. Revestimento de poder, significa porção dobrada do Espírito. O crente precisa está vestido e revestido com o poder do Espírito Santo, para resistir, enfrentar e vencer os ataques de Satanás. Amém!

TERCEIRA DIMENSÃO:

E mediu mais mil e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos lombos. Vers.4b.
Adentrando no rio, mais mil côvado, que equivale a 500 metros. Nesta terceira dimensão o Espírito Santo, capacita o crente com poder para realizar a obra da evangelização. Jesus disse aos seus discípulos: Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra (At.1.8). A palavra virtude ou poder, no original grego é dunamis; de onde se deriva as palavras: Dínamo, dinâmico e dinamite.

Dínamo.
É um aparelho que gera corrente contínua, convertendo energia mecânica em elétrica, através de indução eletromagnética. No dínamo do Espírito, o crente deixa de viver na mesmice, sai da forma mecânica de adorar e pregar, e passa a viver na dimensão da energia do Espírito Santo.

Dinâmico.
Que diz respeito à força, ao movimento; aquele que é cheio de energia, que está sempre em movimento e se renovando. O crente que vive na dinâmica do Espírito, ele não fica estático, sem ânimo e sem vigor; mas ele é cheio de alegria e do Espírito Santo.
Atos, 13.52. Diz: E os discípulos estavam cheios de alegria e do Espírito Santo.
Miquéias, 3.8. Está escrito: Mas, decerto, eu sou cheio da força do Espírito do SENHOR e cheio de juízo e de ânimo, para anunciar a Jacó a sua transgressão e a Israel o seu pecado.

Dinamite.
É um explosivo rápido e poderoso, que causa grandes destruição. O crente nas mãos de Deus, na direção do Espírito Santo e munido com a palavra de Deus, ele é como um explosivo poderoso para desmantela o reino de satanás. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas; destruindo os conselhos e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo entendimento à obediência de Cristo, e estando pronto para vingar toda desobediência, quando for cumprida a vossa obediência (2Co.10.4-6).

QUARTA DIMENSÃO:

E mediu mais mil e era um ribeiro, que eu não podia atravessar, porque as águas eram profundas, águas que se deviam passar a nado, ribeiro pelo qual não se podia passar. Vers.5.
Quando o crente passa a nadar no rio do Espírito, ele passa a viver na dimensão da plenitude do Espírito, e é dirigido e controlado pelo Espírito Santo. O apóstolo Paulo orando pelos irmãos da igreja de Éfeso ele disse: Por causa disso, me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, do qual toda família nos céus e na terra toma o nome, para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no homem interior; para que Cristo habite, pela fé, no vosso coração, a fim de, estando arraigados e fundados em amor, poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus (Ef.3.14-19). Nesta quarta dimensão do rio do Espírito, o crente passa a manifestar a abundante graça de Deus na sua vida, de maneira que, o fruto do Espírito e os dons são revelados de forma eficaz para glória de Deus. Amém!

CONCLUSÃO: 
Que possamos entrar a cada dia no rio do Espírito, buscando sempre viver na plenitude do Espírito Santo, só assim seremos transformados de glória em glória e viveremos como crentes maduros em Deus. Amém!

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

O AMIGO DE DEUS

E cumpriu-se a Escritura, que diz: E creu Abraão em Deus, e foi-lhe isso imputado como justiça, e foi chamado o amigo de Deus (Tiago, 2.23).

Abraão é um dos principais personagens do Antigo Testamento. Ainda hoje, as três principais religiões monoteístas (judaísmo, cristianismo e islamismo) consideram-se, natural ou espiritualmente, descendentes do patriarca. Não obstante às suas fraquezas, Abraão foi chamado de “O Amigo de Deus”. O versículo-chave da biografia desse personagem é: “E creu Abraão em Deus, e foi-lhe isso imputado como justiça, e foi chamado o amigo de Deus” (Tg 2.23; Gn 15.6).
Deus chamou Abraão de Ur dos Caldeus para usá-lo num elevadíssimo projeto: ser o pai de uma grande nação. Não sabemos qual critério o Eterno utilizou para esse chamamento. Poderia ter escolhido Enoque, o que fora transladado; ou Noé, o justo (Gn 7.1). Todavia, preferiu Abraão. Resgatou-o de uma cultura idólatra, perversa e imoral a fim de que fosse seu amigo e lhe servisse por toda a vida.

Em três partes das Escrituras estão descritas  frases contundentes e muito impactantes que dizem ser Abraão amigo de Deus: II Crônicas 20:7; Tiago 2:23; mas é em Isaías 41:8 que o próprio Deus declara de forma eloquente e maravilhosa sobre a intima relação de amizade que tinha com Abraão: “Mas tu, ó Israel, servo meu, tu, Jacó, a quem elegi, descendente de Abraão, meu amigo,” Isaías 41;8

Os seis fundamentos de uma amizade profunda e duradoura são: 1. Confiança. 2. Sinceridade. 3. Fidelidade. 4. Amor. 5. Reciprocidade (comunhão). 6. Entrega total.

Quando olhamos para a vida de Abraão, vemos destacados esses fundamentos em sua relação com Deus.  Ele se torna uma referência, um paradigma, um modelo para todos os que querem ser amigos de Deus. 

OS LAÇOS DE AMIZADE ENTRE DEUS E ABRAÃO.

LEALDADE.

Abraão era fiel a Deus, esta lealdade implica na disposição de obediência que Abraão tinha para com Deus, seu amigo Fiel. Dentre muitas provas relatadas na bíblia sobre a obediência e fidelidade de Abraão, podemos ler no livro de hebreus, 11.8, que diz: Pela fé, Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia. A lealdade de Abraão fez com que Deus confiasse nele, e isto lhe deu o privilégio de ter sido o único homem na bíblia que Deus chamou de amigo.

COMUNHÃO.

Esta comunhão de Abraão com Deus era caracterizada pela sua intimidade que ele tinha com Deus como amigo. Deus era tão amigo de Abraão que chegou a ficar intimo no seu relacionamento com ele, ao ponto de em certa ocasião dizer: Ocultaria eu a Abraão o que faço? (Gn.18.17). Esse laço de amizade e comunhão de Abraão com Deus, durou até o fim dos seus dias.

CUMPLICIDADE.

Cumplicidade entre amigos significa: Apoiar o outro em suas decisões, sem tentar interferir em suas idéias, ou crenças, aceitar os limites do outro, saber ouvir o que o outro tem a dizer, mesmo que você não concorde, para que o outro possa lhe ouvir também, dividir o espaço sem romper seus limites, trocar experiência e não competir entre si. A cumplicidade no relacionamento da amizade entre Deus e Abraão era algo perceptível. Quando Deus pediu que Abraão sacrificasse o seu filho Isaque, ele não questionou, antes concordou e obedeceu o pedido do seu amigo (Gênesis, cap.22).

COMO SER AMIGO DE DEUS?

REJEITANDO O MUNDO (sistema).

Quem quiser ser amigo de Deus precisa renunciar o mundo e seus prazeres. Viver de conformidade com o mundo seus prazeres é o mesmo que declarar ser inimigo de Deus. Quando nós adulteramos a nossa comunhão com Deus em detrimento da amizade com o mundo, estamos sendo inimigos de Deus. Está escrito: Adúlteros e adúlteras (infiéis), não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus (Tg.4.4). Ser amigo de Deus é andar na contramão do mundo e ser rejeitado pela maioria. Jesus, disse: Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas, porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos aborrece (Jo.15.19). Mas, eu escolho Deus, eu prefiro ser amigo de Deus.

SENDO FIEL.

A fidelidade é indispensável para sermos amigos de Deus. Deus é fiel, não resta dúvidas, mas, será que estamos sendo fiéis a Ele? A bíblia diz: Se formos infiéis, Ele permanece fiel; não pode nega-se a si mesmo (2Tm.2.13). 

A frase “Deus é Fiel” já está tão banalizada que a podemos ver “grudada” em carros e caminhões dividindo espaço com adesivos de boates, cerveja e até ao lado de ‘ídolos’. Mas o que isso quer dizer para o mundo? O que significa “Deus é fiel” para quem carrega essa frase como um amuleto?

De acordo com o dicionário Aurélio, fiel é aquele que cumpre aquilo a que se obriga; leal; honrado, íntegro. Que não muda; firme, constante, perseverante. Assim sendo, dizer que Deus é fiel é dizer que Deus é leal, que não muda de idéia e que não deixaria que nada mudasse seus princípios. Deus é fiel? A Bíblia diz isso? Em I Co 1.9 vemos que “Deus é fiel e chamou vocês para que vivam em união com o seu Filho Jesus Cristo, o nosso Senhor.”. Então Deus é mesmo fiel! E isso está impresso também em outras passagens bíblicas e podemos crer, biblicamente Deus é fiel!

O único problema é que o mundo acha que fiel é igual a bobo ou cego. Ao andar por ai agarrado nessa frase, aquele que nem mesmo crê na existência de Jesus e até aquele que vive em desrespeito à santidade dEle, acredita que Deus vai “passar a mão” em seus erros e o proteger de todo mal porque Ele é “fiel”. Fiel é o mesmo que Justo. E antes de colocar o adesivo “Deus é Fiel” em seu carro ou janela de casa você parou para pensar se você suportaria a justiça de Deus sobre você?

“Este ensinamento é verdadeiro: Se já morremos com Cristo, também viveremos com ele. Se continuarmos a suportar o sofrimento com paciência, também reinaremos com Cristo. Se nós o negarmos, ele também nos negará. Se não formos fiéis, Cristo continua sendo fiel, pois ele não pode ser falso para si mesmo.” II Tm 2.11-13
Portanto se você quiser ser amigo de Deus, seja fiel a Ele.
Aquele que nega a Jesus em seus atos, pensamentos ou palavras, carrega a sua própria “condenação bíblica” na frase “Deus é Fiel”, porque em sua fidelidade o Senhor é constante e negará aquele que for infiel e o negar. Porque Deus é Fiel!!! 


SENDO INTIMO DE DEUS.

A intimidade com Deus se constitui em viver uma vida de obediência, comunhão e santidade com Ele. Abandonar o pecado e viver para Deus é o que Ele espera de nós para sermos seus amigos. Quando nós obedecemos a Deus somos chamados por ele de amigos. Em uma certa ocasião Jesus disse para os seus discípulos: Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando (Jo.15.14). A nossa intimidade com Deus nos promove de servos para amigos, Jesus disse aos seus discípulos: Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor, mas tenho vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer (Jo.15.15). Ser amigo de Deus em pleno século 21, se constitui um desafio, em um mundo cético, incrédulo e apático a Deus. Mas, eu prefiro crer em Deus, eu escolho ser amigo amigo de Deus. Amém!
 

domingo, 15 de novembro de 2015

QUE FAREI DE JESUS, CHAMADO CRISTO?

Disse-lhes Pilatos: Que farei, então, de Jesus, chamado Cristo? (Mateus, 27.22).

Pilatos era governador da Judéia, após ter interrogado a Jesus sobre as acusações que faziam contra ele, julgou não ter encontrado em Jesus crime algum para o condena-lo. Naquela ocasião havia um malfeitor que estava preso chamado Barrabás, e havia um costume por ocasião da festa da páscoa soltar um prisioneiro. Pilatos, querendo livrar-se da situação perguntou ao povo: Quem quereis que vos solte, Barrabás ou Jesus chamado Cristo? Ao que a multidão respondeu: Solta Barrabás. Pilatos replicou: Que farei, então, de Jesus, chamado Cristo? Eles clamando, responderam: Seja crucificado!
Hoje não é diferente, há uma multidão que preferem Barrabás; Barrabás representa o sistema mundano e seus prazeres. Muitos naquela época com receio e querendo agradar a opinião publica preferiram soltar Barrabás e crucificar Jesus. Hoje, muitos preferem agradar ao mundo e seguir seus próprios conceitos, do que seguir a Jesus e se tornar seu discípulo.
A pergunta de Pilatos à multidão continua ressoando até hoje. Que fará você de Jesus, o Cristo?

O QUE DEVEMOS FAZER COM JESUS?

1. ACEITÁ-LO COMO SALVADOR.

Jesus, o único Salvador.
E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos (Atos, 4.12).

2. RECEBÊ-LO COM SENHOR.

Jesus, o único Senhor.
Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome, Para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai (Filipenses, 2.9-11).

3. REVERENCIA-LO COMO DEUS.

Jesus, é Deus revelado a humanidade.
No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade (João, 1.1,14).

CONCLUSÃO:
Hoje, em pleno século 21, temos o mesmo desafio de Pilatos: O que faremos de Jesus, chamado Cristo? Esta pergunta vem ecoando ao longo dos séculos. A mensagem de Cristo segue sendo pregada na TV, nas rádios, nos jornais, na internet, através de panfletos, de filmes, de boca a boca e pelo mundo afora. Uns aceitam, outros zombam e muitos permanecem indiferentes.
Pilatos desperdiçou sua grande e única oportunidade de salvação.
Pilatos passou para a eternidade sem reconhecer o senhorio de Cristo. Hoje estamos diante da mesma situação, a diferença é que podemos fazer uma escolha bem diferente da de Pilatos.
Deus nos dar esta grande oportunidade. “Porque foi para isto que morreu Cristo, e ressurgiu, e tornou a viver, para ser Senhor, tanto dos mortos, como dos vivos.” (Romanos 14.9). Aceite-o agora como Senhor e Salvador da sua vida, e seja feliz, aqui e agora e por toda a eternidade. Amém!

sábado, 14 de novembro de 2015

CINCO BENEFÍCIOS DE DEUS.

Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome. Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios (Salmo, 103.1,2).

Neste salmo Davi expressa a sua gratidão a Deus e se entrega de corpo e alma, prometendo não se esquecer de nenhum dos benefícios de Deus na sua vida.
Os grandes benefícios de Deus para a humanidade é fruto da sua graça (favor imerecido), Deus em sua benevolência nos fez um grande benefício, enviando o seu Filho, Jesus Cristo, para nos salvar. Todos nós devemos ser gratos a Deus por todos os benefícios que Ele nos fez e faz. O salmista expressa a sua gratidão a Deus pelos seus benefícios e diz:  Que darei eu ao SENHOR por todos os benefícios que me tem feito? Tomarei o cálice da salvação e invocarei o nome do SENHOR (Sl.116.12,13). Tomar o cálice da salvação implica em viver uma vida de renúncias e consagração a Deus.

1. ELE PERDOA TODOS OS NOSSOS PECADOS.

É Ele que perdoa todas as tuas iniquidades... (Sl.103.3).
O perdão, é um grande benefício alcançado pela graça de Deus através do seu Filho Jesus Cristo. Todos nós andávamos como ovelhas desgarradas, mas o perdão de Deus nos alcançou através da morte vicária (substituta) de Jesus na cruz do calvário. Deus perdoou os nossos pecados e os lançou nas profundezas do mar (Mq.7.19).  

2. ELE SARA TODAS AS NOSSAS ENFERMIDADES.

Ele sara (cura) todas as tuas enfermidades (Sl.103.3).
Um dos nomes de Deus é Jeová Rafah (Deus que cura), diz o texto sagrado que, quando a nação de Israel saiu do Egito, não havia entre eles um só enfermo, (Sl.105.37).
A cura que Deus opera em nós abrange o nosso corpo e alma, Ele cura todas as enfermidades do corpo e da alma. Através do sacrifício de Jesus fomos sarados. Está escrito: Verdadeiramente, Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas Ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e, pelas suas pisaduras, fomos sarados (Is.53.4,5). Aleluia!

3. ELE REDIME (resgata) A NOSSA VIDA DA PERDIÇÃO.

Ele redime a tua vida da perdição e te coroa de benignidade e de misericórdia (Sl.103.4).
Deus nos trouxe de volta, nós estávamos feitos reféns nas mãos de Satanás, prestes a sermos destruídos e perdidos para sempre. Ele pagou o preço do nosso resgate pelo sangue de Jesus, nos livrou da perdição eterna e garantiu a nossa salvação. Amém!

4. ELE ENCHE DE BENS A NOSSA VIDA.

Ele enche a tua boca de bens...(Sl.103.5).
A bênção de Deus abrange a nossa vida cotidiana, Deus também abençoa as nossas finanças para que vivamos um vida prospera e sossegada. Está escrito: Os filhos dos leões necessitam e sofrem fome, mas aqueles que buscam ao SENHOR de nada têm falta (Sl.34.10).

5. ELE RENOVA A NOSSA MOCIDADE COMO A ÁGUIA.

De sorte que a tua mocidade se renova como a águia (Sl.103.5).
Deus quer que tenhamos saúde e vigor. A nossa vida renovada por Deus é como o vigor de uma águia, a águia é a ave de rapina mais potente, ela pode levantar vou a uma altura acima das nuvens e viajar nos ares por quilômetros de distância. É promessa de Deus para aqueles que esperam Nele: Mas os que esperam no SENHOR renovarão as suas forças e subirão com asas como águias; correrão e não se cansarão; caminharão e não se fatigarão (Is.40.31). Amém!

sábado, 7 de novembro de 2015

JESUS CRISTO, O ORIGINAL.

Jesus Cristo, não é mais um deus a ser adorado entre muitos que existem. Desde os tempos remotos, as nações sempre buscaram adorar seus deuses, esses deuses eram fruto da imaginação dos homens, fabricados de ouro, prata, bronze, barro, madeira e outros materiais; eles eram cultuados, reverenciados e adorados pelos seus devotos. Jesus Cristo, não é mais um nome na galeria dos chamados deuses, Ele é o próprio Deus que foi manifesto ao mundo. Está escrito: No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade (João, 1.1,14). Jesus Cristo, é a plena revelação do Deus invisível que veio revelar-se ao mundo, trazendo salvação a todos os povos, línguas e nações.

A origem do nome "Jesus Cristo"


"Cristo" é um epíteto (título) dado a Jesus e significa "ungido" em grego. Mas qual era o verdadeiro nome de Jesus? Como judeu que era, ele tinha um nome aramaico (o aramaico, derivado do hebraico, era a língua falada pelos judeus do século 1º da nossa era): Yehoshua (ou Yeshua) ben Youssef, isto é, Josué, filho de José.

Mas Jesus também era conhecido como Jesus de Nazaré, ou Jesus o Nazareno, em razão de sua cidade de origem. Ao ter sido batizado no rio Jordão e reconhecido como o mensageiro de Javé que viera libertar o povo judeu da opressão romana (Yehoshua significa "Javé salva"), Jesus recebeu o epíteto de Mashiach ("Messias"), que em hebraico quer dizer "ungido". Como o Novo Testamento foi redigido num grego tardio chamado koiné, o nome Yeshua Mashiach foi traduzido para Iesoûs ho Khristós, literalmente "Jesus o Ungido".

À medida que o Cristianismo se disseminou por Roma, chegando ao ponto de assumir o latim como sua língua oficial, o nome grego de Jesus foi latinizado para Iesus Christus (o latim não tem artigos), donde o português Jesus Cristo, o espanhol Jesucristo, o inglês Jesus Christ, e assim por diante. Mas, se "ungido" em latim é unctus, por que Jesus não ficou conhecido em Roma como Iesus Unctus? É que o prestígio da língua grega em Roma era muito grande, e o fato de os Evangelhos terem sido escritos em grego pesou decisivamente para que o epíteto grego Khristós não fosse traduzido, mas apenas adaptado para Christus. Por essa razão, mesmo os cristãos falantes do latim chamavam seu mestre de Christus e não de Unctus, o que, diga-se de passagem, foi ótimo. Já pensaram se a figura central do Cristianismo se chamasse Jesus Unto?

Justo
Eterno
Soberano
Unico
Salvador

Cordeiro
Rei
Incomparável
Santo
Todo-poderoso
Onisciente 

Fonte:  http://revistalingua.com.br

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

A MENSAGEM DE JESUS.

E, depois que João foi entregue à prisão, veio Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho do Reino de Deus e dizendo:  O tempo está cumprido, e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no Evangelho (Marcos, 1.14,15).

Jesus quando soube que João estava preso, voltou para Galiléia. E, deixando a cidade de Nazaré e foi habitar em Cafarnaum, que era uma das cidades que pertencia a região da Galiléia (Mt.4.12-17). Foi na região da Galiléia que Jesus exerceu grande parte do seu ministério, os maiores milagres de Jesus foram operados na Galiléia. A Galiléia era uma região desprezada e discriminada, pelo fato dos seus habitantes serem pessoas marginalizadas, indoutas e revolucionárias. Porém, eles davam mais valor a reputação e a honra, do que as riquezas. Foi exatamente nesta vasta região da Galiléia que Jesus iniciou seu ministério evangelístico, onde Ele pregou os seus maiores sermões. Quando João, o batista, estava terminando o seu ministério, sendo preso, para em seguida ser degolado, por falar a verdade, havendo denunciado o pecado de Herodes. Jesus, outro pregador da verdade, inicia o seu ministério na Galiléia, pregando ao povo e dizendo: O tempo está cumprido, e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no Evangelho.

1. REINO DE DEUS.

O que é Reino de Deus?

No antigo testamento, o Reino de Deus estava restrito para a nação de Israel; Jesus quando veio, ele tornou o reino de Deus mais abrangente e expansivo a todos; e no futuro esse Reino será pleno e terá um domínio universal. A palavra reino significa domínio, e todo reino tem um rei, e todo rei tem seus súditos; e todos os súditos são habilitados para defender o reino numa guerra.

Existem três tipos de Reinos:
Reino dos homens.
Reino de Satanás.
Reino de Deus.
O Reino de Deus é espiritual, ele se manifesta dentro das pessoas, é Deus entronizado nos corações.
Os judeus esperavam a manifestação do reino de Deus, de uma forma exterior e aparente.

Quando Jesus foi interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, ele respondeu-lhes: O reino de Deus não vem com aparência visível. Nem dirão: Ei-lo aqui! ou: Ei-lo ali! porque o reino de Deus está dentro de vós (Lc.17.20,21).

O Reino de Deus não é algo palpável, material, ou de aparência exterior. O apóstolo Paulo escrevendo aos romanos, diz: Porque o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo (Rm.14.17). Muitos estão materializando o Reino de Deus e estão vivendo em uma busca desenfreada pelas coisas materiais, ao ponto de querer materializar a fé.

2. EVANGELHO.

O que é Evangelho?

A palavra Evangelho significa Boas Novas, boas notícias, notícias alvissareiras. Evangelho é poder de Deus para salvar e transformar vidas. Evangelho que não transforma, não é Evangelho.
O apóstolo Paulo disse: Porque não me envergonho do Evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego. Porque nele se descobre a justiça de Deus, de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé (Rm.1.16,17).

Evangelho não é negócio, não é show business; muitos querem fazer do Evangelho uma profissão, um meio de vida, fazendo do povo negócio, pregando um Jesus capitalista e transformando a igreja em um balcão de negócio, em uma empresa.
Porém o verdadeiro Evangelho de Cristo, implica em transformação e salvação de vidas, em viver uma vida de renúncias e santidade diante de Deus.

O Evangelho é uma contracultura em relação a esta sociedade corrompida.

3. ARREPENDIMENTO.

O que é Arrependimento?

Arrependimento é deixar o pecado e volta-se para Deus. Arrependimento não é remorso.

Arrependimento e remorso

Apesar das palavras arrependimento e remorso serem consideradas como sinônimos, vários pensadores fazem a distinção entre as duas. Para muitos, o remorso é uma espécie de falso arrependimento, sendo que a pessoa não pensa no dano causado a outra pessoa, e se autocastiga com o único objetivo de não sofrer um castigo pior por causa da sua má ação.

O arrependimento leva a uma dor genuína pelo sofrimento causado a alguém, e culmina em uma mudança de atitude, para não voltar a cometer esse mesmo erro. Assim, o remorso é um sentimento que prende um indivíduo ao passado, enquanto o arrependimento liberta a pessoa para viver o futuro de uma forma mais consciente, aceitável e feliz.
 
O verdadeiro arrependimento é chamado de metanóia.
Metanóia : É uma palavra de origem grega, significa arrependimento, conversão, mudança de direção e mudança de mente; mudança de atitudes, de temperamentos; caráter trabalhado e evoluído. 
João Batista pregou o arrependimento, Jesus Cristo, pregou o arrependimento, os apóstolos pregaram o arrependimento e a igreja neotestamentaria continua pregando o arrependimento.

Tem pessoas que vive pecando, fazendo tudo de errado, e depois diz: Eu não tenho nada de me arrepender, e diz mais, eu me arrependo do que não fiz. Porém, a palavra de Deus nos diz: Arrependei-vos e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham, assim, os tempos de refrigério pela presença do Senhor (Atos,3.19).
É tempo de arrependimento, é tempo de deixar a mentira, volta-se para Deus e viver na Verdade.