segunda-feira, 10 de outubro de 2016

A GLÓRIA DA SEGUNDA CASA

Porque assim diz o SENHOR dos Exércitos: Ainda uma vez, daqui a pouco, e farei tremer os céus, e a terra, e o mar, e a terra seca; e farei tremer todas as nações, e virá o Desejado de todas as nações, e encherei esta casa de glória, diz o SENHOR dos Exércitos. A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o SENHOR dos Exércitos, e neste lugar darei a paz, diz o SENHOR dos Exércitos (Ageu, 2.6,7,9).
A glória da segunda casa (templo) não dizia respeito ao seu tamanho nem ao esplendor do material usado na sua construção. Até porque, em comparação com o primeiro templo, o segundo foi inferior, a ponto de despertar um sentimento de tristeza e choro nos anciãos que viram o que fora construído por Salomão. A glória da segunda casa estava ligada à vinda do Messias, Jesus Cristo, o verdadeiro templo de Deus e a real manifestação da sua glória.

Agora vamos estudar com mais profundidade a profecia dita por Ageu, profeta da reconstrução. O capítulo 2 do livro de Ageu versículos de 1 ao 9 tem a ver com a reconstrução do templo de Jerusalém.

Os Judeus tiveram alguns templos. O mais famoso foi aquele construído nos dias do rei Salomão e destruído por Nabucodonosor, quando invadiu Jerusalém. O segundo templo foi erguido pelo governador Zorobabel, nos tempos de Ageu, e ficou conhecido como “o templo de Zorobabel”. Já o terceiro foi chamado de o “templo de Herodes”.
Vamos conhecer um pouco da história de cada templo? O de Salomão foi o mais famoso. Ele começou a ser planejado por Davi, pai de Salomão. Coube a Davi preparar todos os materiais para essa obra. Entre outras coisas estavam cem mil talentos de ouro e um milhão de talentos de prata (I Crônicas 22:14).
Para que você possa avaliar o tamanho e o valor de tudo isso quero atualizar em medidas de nossos dias (um talento, equivale a 28,38 kg. a 30,27 kg). Somente em ouro foi utilizado o equivalente a três mil e vinte e sete quilos; já de prata, foi o equivalente a 30 mil e 279 quilos. O luxo desse templo foi algo incomparável, na época.
Quando este templo foi dedicado ao Senhor, a glória de Deus tomou conta dele (II Crônicas, 7.1-3). “A construção do templo iniciou no quarto ano do reinado de Salomão (I Reis 6:1)” (Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, vol.6, p. 429).
“O templo construído por Salomão chegou ao fim por ocasião do reinado de Zedequias. Ele rebelou-se contra Nabucodonosor. No revide babilônico, a cidade de Jerusalém caiu, em 586 AC. Zedequias tentou fugir, sob a escuridão da noite, mas acabou sendo capturado pelas tropas inimigas. O templo e a cidade foram incendiados. Dessa maneira acabaram os trezentos e oitenta anos de história deste templo” (Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, vol.6 p. 434).

O segundo templo mencionado é o de Zorobabel. Este foi construído nos dias do profeta Ageu. Foi uma construção muito inferior a de Salomão. Ciro, rei da Pérsia, quando conquistou Babilônia, ordenou que os Judeus voltassem para a Palestina e deu condições para que a cidade e o templo fossem reedificados. “De acordo com o decreto de Ciro, o templo de Jerusalém deveria ser reconstruído com trinta metros de largura e trinta metros de altura… O templo de Zorobabel tornou-se conhecido como o segundo templo, e continuou servindo até o ano 20 AC, mais ou menos. Portanto perdurou mais de cem anos que o primeiro” (Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia vol.6, p. 436).
Essa construção, nos dias do rei Herodes, sofreu reformas e alterações. Por economia de tempo, não vou mencioná-las, mas acabou ficando um templo majestoso e imponente. Ele foi reconstruído com pedras calcárias brancas que, ao serem polidas, davam uma aparência extraordinária. Este templo era o orgulho dos Judeus nos dias de Cristo.
Creio que agora já temos as informações necessárias para compreendermos a profecia de Ageu. Nos dias do profeta, o povo estava mais preocupado em cuidar dos seus interesses, do que dos de Deus.
Quando o segundo templo começou a ser reconstruído, foram vistas duas reações bem distintas. Os mais velhos choravam de tristeza, e os mais jovens, gritavam de alegria (Esdras 3:12). Os mais velhos viam um templo bem menor do que o primeiro, e os mais jovens estavam felizes, porque um templo estava sendo finalmente construído.
A inferioridade do templo era motivo de desânimo para os mais velhos. E o pior é que os mais jovens estavam sendo afetados grandemente pelas criticas e murmurações dos idosos. Os mais velhos estavam mais preocupados com a glória do templo, do que com as bênçãos espirituais que o templo podia proporcionar.
Na profecia de Ageu, este templo receberia o Desejado de todas as Nações. Quando Ele viesse as nações seriam abaladas, a terra iria tremer. Era para isto que o povo nos dias de Ageu deveria olhar. Os olhos deveriam estar direcionados um pouco mais para frente. Esse templo seria muito mais famoso do que o de Salomão. Nos dias de Salomão apenas uma glória encheu o templo, mas na segunda construção, que o profeta procurava entusiasmar o povo para erguer, receberia o próprio Filho de Deus. E assim foi.

“Encherei de glória esta casa”, era a promessa de Deus a um povo desanimado. Para os Judeus o que dava a glória era o ouro e a prata que havia em abundância no templo de Salomão, mas para Deus o que iria frequentar o segundo templo, era muito superior a prata e o ouro. O que iria frequentar o templo era o Dono da prata e do ouro de todo o mundo e a sua glória maior e mais elevada do que a glória da primeira casa.

CONCLUSÃO:
Amigo, o que é que tem valor para você? É a prata ou o ouro? Ou é a pessoa de Cristo? Os judeus daquela época tiveram essa grande dificuldade pela frente. E hoje a história com facilidade é repetida. Pela prata e ouro, as pessoas dedicam muito de seu tempo e gastam suas energias, porque para eles é isto que tem grande valor, e bem poucos veem valor na pessoa de Jesus Cristo.
Que Deus nos ajude a ver mais valor – muito mais valor – na pessoa de Jesus Cristo.
Creia no Senhor e você estará seguro. Creia nos profetas dEle e você prosperará. Amém!