quarta-feira, 16 de agosto de 2017

ELVIS PRESLEY.


Hoje é relembrado o dia da morte do cantor Elvis Presley. Há 40 anos morria o rei do rock, o homem que teve fama, talento, carisma, beleza e fortuna. Elvis Presley, quando adolescente frequentava os cultos da igreja assembleia de Deus, seus pais lhes ensinaram os princípios da palavra de Deus. Mas, Elvis trocou a Bíblia pela guitarra, o anonimato pela fama, a glória de Deus pela glória do mundo. Elvis foi considerado o ícone da juventude nas décadas de 50, 60 e 70. Elvis quebrou tabus na época, Elvis cantava músicas gospel em seus shows. Ele também deixou gravadas muitas músicas gospel, chegando a ganhar o grammy da música gospel.

Elvis morre aos 42 anos no dia 16 de agosto de 1977. Diz à história que meses antes da sua morte, Elvis Presley foi consultar o seu pastor da época quando ele frequentava a igreja, depois de ter ouvido os conselhos e orientações do pastor, Elvis diz para o pastor: Eu sei que preciso de Jesus, mas a minha fama e a minha riqueza não me permitem  servir a Jesus Cristo. Tempos depois, Elvis é encontrado morto, caído de joelhos no banheiro da sua mansão quando lia o livro o rosto de Cristo. Fica a interrogação: Teria Elvis se arrependido ainda a tempo? Só a eternidade poderá responder se Elvis foi salvo.
Jesus Cristo pergunta: Pois que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma? (Marcos, 8.36).

terça-feira, 15 de agosto de 2017

LIÇÕES DA FORNALHA ARDENTE.


E qualquer que não se prostrasse e adorasse seria lançado dentro do forno de fogo ardente. Responderam Sadraque, Mesaque e Abede-Nego e disseram ao rei Nabucodonosor: Não necessitamos de te responder sobre este negócio. Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos pode livrar; Ele nos livrará do forno de fogo ardente e da tua mão, ó rei. E, se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste (Daniel, 3.11,16-18).

Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, vivendo em meio ao paganismo da Babilônia em circunstâncias adversas, eles resistiram todas as ações dos homens maus e investidas do Diabo para roubar deles a fidelidade a Deus e aos seus princípios. 
Eles receberam estes nomes na Babilônia, pois os seus verdadeiros eram: Hananias, Misael e Azarias. Apesar de receberem nomes completamente diferentes e em terra estranha como escravos, eles não perderam suas identidades e sua fé no Deus Todo Poderoso. Antes, foram fiéis e não negaram a fé.

A NOSSA FIDELIDADE A DEUS DEVE SER INABALÁVEL.

A nossa fidelidade a Deus independe de circunstâncias e de lugares; mesmo estando em situação desfavorável e em terra estranha, os três jovens judeus não se deixaram levar pela influência da vida sensual e profana no palácio da Babilônia. Eles se mantiveram fiéis a Deus e não se dobraram diante da estátua do rei Nabucodonosor.
Que possamos seguir este exemplo de fidelidade diante de Deus, não se dobrando ao sistema deste mundo, nem aceitando suas filosofias decadentes.  

NADA PODERÁ INTIMIDAR A NOSSA FÉ.

Muitas vezes o inferno se levanta para querer intimidar a nossa fé e abalar a nossa confiança em Deus. A fúria do rei fez com que ele ameaçasse os três jovens judeus, todavia eles não se intimidaram, mas mantiveram firme a sua fé em Deus. Está escrito: Os que confiam no SENHOR serão como o monte Sião, que não se abala, mas permanece para sempre (Salmos, 125.1).
O cristão que tem plena convicção da sua fé, ele não se abala nem vacila diante das ameaças e  investidas de Satanás. O rei pode mandar aquecer a fornalha sete vezes mais, e a respostas continuar a mesma: Não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste (Dn.3.18).
Que possamos aprender esta lição de determinação e coragem destes três jovens judeus. 

SER JOGADO NA FORNALHA É UMA PROVA DE AUTENTICIDADE.

É melhor ser jogado na fornalha e ser lembrado como um cristão fiel e verdadeiro, do que ser poupado por ter negado a fé e ser lembrado como infiel e covarde. Sadraque, Mesaque e Abede-Nego entraram para história como heróis por causa da sua fé autêntica em Deus. 
Ter fé e ser fiel quando tudo vai bem é fácil, difícil é quando a nossa fé é provada, quando forças contrarias se levantam contra nós para querer nos destruir. Mas, quem vive pela fé deve está pronto para o que der e vier. Se confiamos em Deus, não seremos decepcionados, Deus vai honrar a nossa fé. Amém! 

NA FORNALHA A GLÓRIA DE DEUS APARECE.

Não importa se a fornalha está aquecida sete vezes mais, o que importa é a presença de Deus dentro da fornalha. Há uma promessa de Deus que diz: Quando passares pelas águas, estarei contigo, e, quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo,  não te queimarás, nem a chama arderá em ti (Isaías, 43.2).
Quando o rei viu a glória de Deus, ele ficou espantado. Então, o rei Nabucodonozor se espantou e se levantou depressa; falou e disse aos seus capitães: Não laçamos nós três homens atados dentro do fogo? Responderam e disseram ao rei: É verdade, ó rei.
Respondeu e disse: Eu, porém, vejo quatro homens soltos, que andam passeando dentro do fogo, e nada há de lesão neles; e o aspecto do quarto é semelhante ao filho dos deuses (Dn.3.24,25).
Glória a Deus pela fidelidade de  Sadraque, Mesaque e Abede-Nego. 
Aprendemos que, quando nos mantemos fiel a Deus Ele não nos abandona. 
É na fornalha do sofrimento, da provação que a glória de Deus aparece.

CONCLUSÃO: 
Não importa qual seja sua fornalha, muitas vezes estamos agonizando na fornalha da ansiedade, do  desemprego, da aflição, da enfermidade e dos problemas que nos cercam. Todavia há um Deus que não nos desampara, Ele está com você no ar, na terra, no mar, na água e no fogo. Crente fiel não morre de véspera como peru de natal. Um caldeirão de azeite fervendo não foi capaz de destruir a vida do apóstolo João; uma fornalha ardente, aquecida sete vezes mais, não consumiu os três jovens judeus. Porque Deus está no controle de tudo. Não temas! Deus está com você na fornalha. Amém!

sábado, 12 de agosto de 2017

A QUEDA.

Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram.
Porque, se, pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo (Romanos, 5.12,17).

No livro de Gênesis encontramos um dos relatos mais triste da história da humanidade, a Queda. Mas, Deus não foi pego de surpresa com o pecado de Adão e Eva, pois as Escrituras Sagradas afirmam que Deus já havia providenciado a salvação do homem, através do Cordeiro que já havia sido morto desde a fundação do mundo (Ap.13.8). O homem pecou de modo deliberado contra Deus, mas o Criador não o deixou entregue a sua própria sorte. O Senhor providenciou a sua redenção.

A HISTÓRIA DA HUMANIDADE SE RESUME EM TRÊS PALAVRAS:

GERAÇÃO.
E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou. E Deus os abençoou e Deus lhes disse: Frutificai, e multiplicai-vos, e enchei a terra ... (Gênesis, 1.27,28).

DEGENERAÇÃO.
E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicará sobre a terra e que toda imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente (Gênesis, 6.5).
Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos; não há quem faça o bem, não há sequer um (Salmos, 53.3).

REGENERAÇÃO.
Mas, quando apareceu a benignidade e caridade de Deus, nosso Salvador, para com os homens, não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas, segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, que abundantemente ele derramou sobre nós por Jesus Cristo, nosso Salvador (Tito, 3.4-6). 

AS CONSEQUÊNCIAS DO PECADO.

O pecado entrou no mundo por um ato de desobediência cometido por Adão e Eva; e como consequência veio todos os tipos de males, inclusive a morte.
O pecado trouxe três tipos de mortes:

Morte espiritual.
E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados (Ef.2.1).

Morte física.
No suor do teu rosto, comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado, porquanto és pó e em pó te tornarás (Gn.3.19).

Morte eterna.
Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idolatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre, o que é a segunda morte (Ap.21.8).

ONDE ABUNDOU O PECADO, SUPERABUNDOU A GRAÇA.
Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça;
para que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo, nosso Senhor (Romanos, 5.20,21).

Pecado pode ser descrito em palavras, mas todas as definições significam resultado da Queda.

O termo pecado no Hebraico: Hattah.
                           no Grego: Hamartios.
                           no Latim: Peccatum.

Pecado pode ser definido como a perda de um alvo ou objetivo.
Pecado é uma transgressão sobre o avanço de uma linha.
Pecado é a desobediência a uma voz. Neste caso a voz de Deus.
Pecado é torcer, perverter a Lei de Deus.
Pecado é transgredir e cometer um delito.
Pecado é a não observância da Lei de Deus.
Pecado é a queda onde alguém deveria ter permanecido em pé. Isto é, na presença de Deus.

O PECADO NO CONTEXTO ATUAL DA SOCIEDADE.

RELATIVISMO.
Vivemos em uma sociedade relativista, onde muitos não acreditam mais que haja certo e errado. O erro, o pecado, segundo os relativistas, vai depender do ponto de vista de cada um. Porém, esta visão é distorcida e está sujeita ao juízo de Deus. Está escrito: Ai dos que ao mal chamam bem e bem, mal! Que fazem da da escuridade luz, e da luz, escuridade, e fazem do amargo doce, e do doce amargo! (Isaías, 5.20).
Todavia, cremos em Deus, e na sua palavra, que é a verdade absoluta e a única regra de fé e prática. No sacrifício de Jesus Cristo na cruz, para solução do pecado.

PRAGMATISMO.
O pragmatismos prega a praticidade e agilidade para alcançar seus objetivos. Para o pragmatismo os fim justificam os meios. Eles dizem: Não importa se é censurável ou imoral, se está dando certo, se o povo está aprovando e está dando lucro, então deve ser aceito e aplaudido. Todavia, não podemos distorcer, nem inverter os valores, o que é censurável e imoral não deve ser aceito como algo normal. Nem tudo o que o povo aprova está correto. A Bíblia não aceita a hipocrisia, o que é errado é errado, e ponto final.

CONCLUSÃO: 
A queda foi terrível e o efeito do pecado foi devastador.
O homem caiu por causa do pecado e perdeu a comunhão com Deus. Mas veio Jesus Cristo, para restaurar, perdoar e restituir tudo o que foi perdido. Portanto, deixe o pecado e aceite o plano de Deus para sua vida. Jesus Cristo é a solução.
O pecado deforma, a ciência informa, a religião reforma, mas, só Jesus Cristo transforma.
  

sábado, 5 de agosto de 2017

SETE MOTIVOS NO SALMO 119 PARA LER E ESTUDAR A BÍBLIA.

A Bíblia é a palavra de Deus, ela é o único livro que produz vida. Nela nós encontramos respostas para os nossos dilemas e perdão para os nossos pecados. Nela nós encontramos consolo, conforto e alegria para nossa alma. Ela é como um farol que ilumina o nosso caminho, e como uma bússola que nos conduz ao caminho da vida. Ela é uma fonte inesgotável, cheia de revelações e mistérios. Ela é o Livro de Deus, o qual conduz o homem para o caminho da salvação.
 
PORQUE ELA É ETERNA.
Para sempre, ó SENHOR, a tua palavra permanece no céu (Salmos, 119.89).

PORQUE ELA É A VERDADE.
A tua palavra é a verdade desde o princípio, e cada um dos teus juízos dura para sempre (Salmos, 119.160).

PORQUE ELA É A LUZ QUE ILUMINA O CAMINHO À VIDA.
Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para o meu caminho (Salmos, 119.105).

PORQUE ELA É A SOLUÇÃO PARA O PECADO.
Como purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra.
Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti (Salmos, 119.9,11).

PORQUE ELA É PURA.
A tua palavra é muito pura; por isso, o teu servo a ama (Salmos, 119.140).

PORQUE ELA DÁ LUZ E ENTENDIMENTO.
A exposição das tuas palavras dá luz e dá entendimento aos símplices (Salmos, 119.130).

PORQUE ELA PRODUZ VIDA.
Sustenta-me conforme a tua palavra, para que viva, e não me deixes envergonhado da minha esperança (Salmos, 119.116).

CONCLUSÃO:
Portanto, leia a Bíblia, ame este livro, medite na palavra de Deus e cresça em santidade, sabedoria e conhecimento. Amém!

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

A PARÁBOLA DO JUIZ INÍQUO.

E contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca desfalecer, dizendo: Havia numa cidade um certo juiz, que nem temia a Deus, nem respeitava homem algum. Havia também naquela mesma cidade uma certa viúva e ia ter com ele, dizendo: Faze-me justiça contra o meu adversário. E, por algum tempo, não quis; mas, depois, disse consigo: Ainda que não temo a Deus, nem respeito os homens, todavia, como esta viúva me molesta, hei de fazer-lhe justiça, para que enfim não volte e me importune muito.
Disse o Senhor: Ouvi o que diz o injusto juiz.
E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para co eles?
Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça.
Quando, porém vier o Filho do Homem, porventura, achará fé na terra? (Lucas, 18.1-8).

Essa parábola é mencionada apenas no evangelho de Lucas. Nessa parábola, Jesus fala de uma viúva a quem havia sido negada a herança, mas devido a sua persistência, o iníquo juiz decide resolver a sua causa. Essa parábola nos ensina que a nossa perseverança desperta a ação da misericórdia de Deus quanto a realidade das nossas necessidades. 

AS TRÊS MENSAGENS DA PARÁBOLA:

A IMPORTÂNCIA DA PRATICA DA ORAÇÃO.

E contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca desfalecer ... (vers.1).
Jesus cita o termo orar, Ele fala sobre o dever de orar sempre e nunca desfalecer.
Jesus mostra que a oração é um recurso poderoso diante de Deus, e que não devemos deixar de orar. Muitas vezes, as nossas habilidades, os nossos conhecimentos e recursos, não são suficientes para resolver a nossa situação. É preciso orar, oração nunca é demais.
Quando oramos e entregamos as nossas causas a Deus, o juiz dos juízes, podemos descansar e esperar Dele a providência.  

A IMPORTÂNCIA DA PERSEVERANÇA.

... Ainda que não temo a Deus, nem respeito os homens, todavia, como esta viúva me molesta, hei de fazer-lhe justiça, para que enfim não volte e me importune muito (vers.4,5).
Essa parábola ensina sobre a necessidade de perseverança da nossa parte. A viúva dessa parábola teve o seu pedido atendido devido a sua perseverança, ela não desistiu diante de tantas negações e adiamentos que o juiz iníquo lhe fazia.
Assim deve ser a nossa atitude diante das adversidades e injustiças sofridas, a nossa persistência causará um incomodo diante da justiça dos homens, e Deus será favorável para nos beneficiar e  resolver a nossa causa.
Disse o Senhor: Ouvi o que diz o injusto juiz.
E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para co eles?
Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça (vers.6-8)

A ESCASSEZ DA FÉ.

Quando vier o Filho do Homem, porventura, achará fé na terra? (Lc.18.8).
Interessante é que Jesus termina o relato dessa parábola com uma pergunta.
Jesus já previa que os últimos dias seriam pontilhados de frieza espiritual e uma fé mecânica baseada em um falso evangelho de conveniências.
Jesus sabia que, devido a multiplicação da iniquidade o amor de muitos iria esfriar (Mt.24.12).
As pessoas estão a cada dia mais frias e materialistas. Muitos por se acharem autoconfiantes, não querem ser dependentes de Deus, não oram e nem tem paciência em esperar em Deus.
Muitos estão vivendo uma fé artificial, voltada para os seus próprios interesses e conveniências.
A fé genuína e verdadeira, voltada para obediência a Deus e submissão a sua palavra, está cada vez mais em extinção.
Infelizmente, devido ao grande avanço da ciência e a multiplicação da iniquidade, muitas pessoas estão ficando descrentes e céticas em relação a Deus, desprezando o Livro Sagrado e seguindo suas próprias filosofias de vida.
Em pleno século XXI, diante de toda realidade que estamos vivendo, a pergunta do Mestre continuar atual e soando aos nossos ouvidos: Quando vier o Filho do Homem, porventura, achará fé na terra? Pense nisso.

sábado, 29 de julho de 2017

UM MILAGRE QUE CONTRARIOU A CIÊNCIA DOS HOMENS.

Em outra ocasião, os discípulos dos profetas sugeriram a Eliseu: “Como vês, o lugar em que moramos, perto de ti, tornou-se pequeno demais para nós. Vamos até o Jordão e ali cada um de nós cortará um tronco a fim de podermos construir ali mesmo um local para reuniões”. E Eliseu aquiesceu dizendo: “Ide!” Então um deles o convidou: “Queiras vir com teus servos!” E ele respondeu: “Irei!” Assim foi com eles. Chegando ao Jordão, puseram-se a derrubar árvores. Entretanto, quando um deles estava cortando um tronco, o ferro do machado caiu nas águas do rio. E ele imediatamente gritou: “Ah! Meu senhor! Este machado fora tomado de empréstimo”. Ao que o homem de Deus indagou: “Onde caiu o machado?” e, imediatamente, outro servo lhe apontou o lugar. Então Eliseu cortou um galho e o jogou na direção indicada, fazendo o ferro do machado subir a tona e flutuar sobre as águas. Então disse ao servo: “Pega-o!” Ele estendeu o braço e tomou o machado nas mãos (II Reis, 6.1-7).

Os discípulos dos profetas também são mencionados em 4.38. Aqui ao que parece, Eliseu era o lider dessa comunidade. O lugar em eles habitavam era pequeno, pelo que eles sugeriram a Eliseu que fossem ao Jordão cortar madeira para ampliar o lugar. A pedido dos discípulos, Eliseu os acompanhou para os ajudar na execução do projeto. Enquanto cortavam árvores, um machado de um dos que cortavam, soltou-se do cabo e caiu na água. Para complicar a situação, o machado não pertencia ao trabalhador, era emprestado. O grito do homem: “Ah! Meu senhor! Este machado fora tomado de emprestado”. Demonstra o desespero, por não ter como paga-lo, já que o ferro era um metal caro naquela época. Ao ser chamado, Eliseu lançou um pedaço de pau na água e fez flutuar o ferro. Não há como explicar este acontecimento sem reconhecer o poder de Deus efetuado por meio do profeta. O Deus que criou a lei da gravidade, é também o Deus que quebra a lei e faz o machado flutuar acima das águas, contrariando a ciência dos homens.

LIÇÕES ANTES DE ACONTECER O MILAGRE:

PREOCUPAÇÃO.
E disseram os filhos dos profetas a Eliseu: Eis que o lugar em que habitamos diante da tua face nos é estreito (vers.1).
Os discípulos de Eliseu se preocuparam com o espaço que estava pequeno e precisava ampliar para que todos se sentissem mais acomodados. Este tipo de preocupação é salutar, quando nós nos preocupamos com a obra de Deus, Ele providencia todas as coisas e cuida também de nós. 

COOPERAÇÃO.
Vamos, pois, até ao Jordão, e tomemos de lá, cada um de nós, uma viga ... (vers.2).
E disse um: Serve-te de ires com os teus servos. E disse: Eu irei (vers.3).
Não devemos fazer a obra sozinho, é preciso obreiros para nos ajudar, precisamos de pessoas para cooperar e nos ajudar a fazer a obra.
Aprendemos que, onde há cooperação e união, a bênção de Deus vem sobre todos. Leia, salmos 133.

PROSPERIDADE.
Façamo-nos ali um lugar para habitar ... (vers.2).
O lugar em eles habitavam era pequeno, pelo que eles sugeriram a Eliseu que fossem ao Jordão cortar madeira para ampliar o lugar. A tendência da obra é crescer e prosperar, e quando a obra de Deus prospera, nós prosperamos juntos. Não se desespere, espere em Deus, e aguarde o tempo da sua prosperidade.

TRABALHO.
E foi com eles; e, chegando eles ao Jordão, cortaram madeira (vers.4).
Toda prosperidade requer trabalho, é impossível haver prosperidade sem trabalho. 
Deus está pronto para nos fazer prosperar, mas é preciso que haja esforço e trabalho da nossa parte.

ACIDENTE.
E sucedeu que, derrubando um deles uma viga, o ferro caiu na água; e clamou: Ai! Meu senhor! Porque o machado era emprestado (vers.5).
Um machado de ferro, naqueles dias, era uma ferramenta muito cara, e esse pobre homem ficou aflito ao pensar na sua responsabilidade pela ferramenta emprestada.
No sentido espiritual, tem muitos cristãos que perderam o machado (a sua vida de comunhão com Deus), e estão afogados num rio de pecados e contradições. Quando perdemos o machado, não temos mais condições de fazer a obra. 

PROVISÃO E MILAGRE.
E disse o homem de Deus: Onde caiu? E, mostrando-lhe ele o lugar, cortou um pau, e o lançou ali, e fez flutuar o machado (vers.6).
Eliseu lançou um pedaço de pau na água e fez flutuar o ferro. Não há como explicar este acontecimento sem reconhecer o poder de Deus efetuado por meio do profeta. O Deus que criou a lei da gravidade, é também o Deus que quebra a lei e faz o machado flutuar acima das águas, contrariando a ciência dos homens.
O milagre serviu para mostrar o cuidado e a provisão de Deus para aqueles que confiam nEle. Mesmo nos acontecimentos mais insignificantes da nossa vida cotidiana, Deus está sempre presente e pronto para restituir o que perdemos. Amém!

sexta-feira, 28 de julho de 2017

A Identidade do Espírito Santo.

E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro consolador, para que fique convosco para sempre, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco e estará em vós. Mas, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito da verdade, que procede do Pai, testificará de mim (João, 14.16,17; 15.26).

O Espírito Santo não é uma força ativa de Deus como alguns grupos religiosos acreditam. O Espírito Santo também não é simplesmente a terceira manifestação de Deus, como alguns pensam. Ele é o próprio Deus em essência e poder. As Escrituras Sagradas revelam a identidade do Espírito Santo, sua deidade absoluta e sua personalidade plena.

A NATUREZA DO ESPÍRITO SANTO.

O Espírito Santo é chamado por Jesus de "outro Consolador" (Jo.14.16). O termo grego para "Consolador" é parácleto, que significa amparador, ajudador, advogado.
A paracletologia como estudo do Espírito Santo, divide-se em dois períodos: Antigo e novo Testamento. No Antigo Testamento, as manifestações do Espírito Santo eram esporádicas, específicas e restritas. Ele se manifestava em circunstâncias especiais. No Novo Testamento, Ele veio de forma abrangente e total. Antes tinha-se um conhecimento limitado do Espírito Santo; pois o viam como um poder impessoal vindo da parte de Deus. Porém, no Novo Testamento, essa ideia foi aclarada, quando Ele se manifestou de modo pessoal, racional e direto, ainda que invisível.
A sua natureza é essencialmente divina, ele não é simplesmente uma influência benéfica ou um poder impessoal, acima de tudo ele é Deus. Pedro disse a Ananias: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo e retivesses parte do preço da herdade? ... Não mentiste aos homens, mas a Deus (Atos, 5.3,4).

A DEIDADE DO ESPÍRITO SANTO.

Deidade é o conjunto de forças ou intenções que materializam a divindade. A deidade é a fonte de tudo aquilo que é divino. A deidade é característica e invariavelmente divina.

A palavra "deidade" deriva do latim "deus”. Relacionando os conceitos de céu ("divum", em latim) e dia ("dies"), além de estar relacionada ao termo "divino" e "divinidade," no latim "divinus," oriundo de "divus."

Onipotência     _ Lucas, 1.37
Onisciência     _  Salmos, 139.2-6
Onipresença   _ Salmos, 139.7-10
Eternidade      _ Hebreus, 9.14
Santidade       _ Romanos, 1.4
Verdade          _ João, 16.13
Bondade         _ Neemias, 9.20 

A PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO.

Atividades pessoais que identificam a personalidade de Espírito Santo:

Fala                  (Atos, 8.29).
Ensina              (João, 14.26).
Guia                 (João, 16.13).
Entristece         (Efésios, 4.30).
Orienta             (Atos, 16.6,7).
Ama                 (Romanos, 15.30).
Intercede          (Romanos, 8.26).
Decide             (Atos, 15.28).
Determina        (Atos, 13.1,2).
Constitui          (Atos, 20.28).
Revela              (Atos, 20.22,23).
Tem ciúmes     (Tiago, 4.5).
Desiste             (Gn.6.3).
Testifica           (Jo.15.26).
Consola           (Atos, 9.31).
Convence        (Jo.16.7,8).
Glorifica         (Jo.16.14).

NOMES QUE IDENTIFICAM O ESPÍRITO SANTO.

No Antigo Testamento.

Espírito de Deus                    (Gn.1.2).
Espírito do Senhor Jeová       (Is.61.1).
Espírito do Senhor                 (Is.11.2).
Espírito de Sabedoria             (Is.11.2).
Espírito de Inteligência          (Is.11.2).
Espírito de Conselho              (Is.11.2).
Espírito de Fortaleza              (Is.11.2).
Espírito de Conhecimento     (Is.11.2).
Espírito de Temor ao Senhor (Is.11.2).
Espírito da Graça                   (Zc.12.10).
Espírito de Súplica                 (Zc.12.10).
Espírito Santo                         (Sl.51.11).
Bom Espírito                          (Ne.9.20; Sl.143.10).

No Novo Testamento.

Espírito de Deus         (Rm.8.14).
Espírito do Senhor      (II Co.3.18).
Espírito de Cristo       (Rm.8.9).
Espírito de Jesus        (At.16.7).
Espírito do Pai           (Mt.10.20).
Espírito de Adoção    (Rm.8.15).
Espírito da Promessa (Ef.1.13).
Espírito da Verdade   (Jo.14.17).
Espírito da Glória      (I Pe.4.14).
Espírito de Vida         (Rm.8.2).
Espírito de Profecia   (Ap.19.10).
Espírito Eterno          (Hb.9.14).
Consolador                (Jo.15.26).

CONCLUSÃO:
É difícil sugerir que um dos títulos ou propósitos do Espírito Santo seja mais importante que outro. Tudo o que o Espírito Santo faz é vital para o Reino de Deus. Há, no entanto um propósito especial do Espírito Santo, sem o qual não haveria sentido a sua ação na terra: O Espírito Santo é o penhor que garante a nossa futura herança em Cristo. Está escrito: Em quem (Cristo) também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo Nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão de Deus, para louvor da sua glória (Efésios, 1.13,14). Amém!