domingo, 3 de fevereiro de 2013

VEM E VÊ.

No dia seguinte, quis Jesus ir à Galiléia, e achou a Filipe, e disse-lhe: Segue-me. E Filipe era de Betsaida, cidade de André e de Pedro. Filipe achou Natanael e disse-lhe: Havemos achado aquele de quem Moisés escreveu na lei e de quem escreveram os profetas: Jesus de Nazaré, filho de José. Disse-lhe Natanael: Pode vir alguma coisa boa de Nazaré? Disse-lhe Filipe: Vem e vê (João, 1.43-46).

Nazaré era uma vila insignificante na Galileia. Nem sequer é mencionada no Velho Testamento ou nos escritos do historiador Flávio Josefo ou de qualquer outro rabino judeu. Como poderia vir o Messias de uma cidade tão insignificante? Esta não é a primeira vez que alguém compreende erradamente a origem de Jesus e, por causa disso, O condena. O preconceito é sempre assim. Ele amarra você ao lugar onde nasceu. Ele vive preocupado em saber se você nasceu em Pernambuco, em Minas ou São Paulo. O preconceito não está preocupado com você, mas somente com a cor da sua pele e com seu status social. Amarra você ao seu passado e não lhe permite nunca ser o que, pela graça de Deus, poderia chegar a ser. Ele é tão vil e insidioso que não prejudica somente o objeto do preconceito, mas envenena também a vida do preconceituoso.
Imagine só, o que Natanael, o preconceituoso, teria perdido se Filipe não tivesse insistido com ele. Sua vida teria continuado a ser uma vida de trevas, angústia e desespero.
Nazaré era uma cidade sem importância alguma aos olhos dos homens. Sequer era contada como uma verdadeira cidade. Era considerada como uma aldeia, um ajuntamento de famílias pobres, de pessoas marginalizadas e sem importância alguma. As pessoas passavam pelas estradas e sequer notavam Nazaré. No entanto, aquele lugar insignificante aos olhos dos homens foi escolhido por Deus para abrigar o homem mais importante que este planeta inteiro já conheceu: Jesus Cristo de Nazaré.
A verdadeira grandeza de uma pessoa não depende do lugar de onde ela vem. Quem algum dia já teve oportunidade de ler sobre a biografia de pessoas importantes, logo percebeu que várias delas nasceram e foram criadas em lugares que simplesmente não constam nos mapas, de tão pequenos e insignificantes que são.
Pode algo bom sair da sua cidade ou do seu bairro? Responda a si mesmo essa pergunta. O que te faz ir sempre a igreja? O que te faz buscar a Palavra de Deus com tanta freqüência? Que efeito tem sobre a sua própria vida a Palavra de Deus que você ouve e lê? Se há um bom efeito, então você é o que pode sair de bom do seu bairro e da sua cidade! E se você é o que pode sair de bom do seu bairro ou da sua cidade, eis o que diz o Espírito de Deus: Sê tu uma bênção! Porque toda vez que perguntarem: "Pode algo de bom sair daquele lugar?" Alguém certamente dirá: "Vem, e vê"!

CINCO COISAS QUE PODEMOS VÊ EM JESUS.

1. SUA SABEDORIA.

Em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência (Colossenses, 2.3).
E os judeus maravilharam-se, dizendo: Como sabe este letras, não as tendo aprendido? (João, 7.15).

2. SUA SANTIDADE.

E ao anjo da igreja que está em Filadélfia, escreve: Isto diz o que é Santo, o que Verdadeiro, o que tem a chave de Davi, o que abre e ninguém fecha, e fecha, e ninguém abra (Ap.3.7).

3. SUA HUMILDADE.

Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, tendo plenamente a natureza de Deus, não reivindicou o ser igual a Deus, mas, pelo contrário, esvaziou-se a si mesmo, assumindo plenamente a forma de servo e tornando-se semelhante aos seres humanos. Assim, na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, entregando-se à obediência até a morte, e morte de cruz (Filipenses, 2.5-8). 
Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendeu de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma (Mt.11.29).

4. SUA AUTORIDADE.

E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina, porquanto os ensinava com autoridade e não como os escribas (Mt.7.28,29).
E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder no céu e na terra (Mt.28.18).

5. SUA GRANDEZA.

Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai (Filipenses, 2.9-11).

Nenhum comentário:

Postar um comentário